quinta-feira, 11 de junho de 2015

Annabelle

Annabelle (Annabelle, EUA, 2014) – Nota 5
Direção – John R. Leonetti
Elenco – Annabelle Wallis, Ward Horton, Tony Amendola, Alfre Woodard, Eric Ladin, Brian Howe, Kerry O’Malley.

Desde os anos oitenta, quando o terror se popularizou, praticamente todo filme de sucesso do gênero rendeu uma sequência ou alguma obra que utiliza elementos do original para tentar lucrar enquanto a história está “quente” na mente do espectador. Este equivocado “Annebelle” segue a regra da continuação apressada. 

No ótimo “Invocação do Mal” de James Wan, a boneca Annabelle era um elemento interessante na trama sobrenatural baseada em fato real. Como era uma história fechada, a produtora New Line utilizou o gancho da sinistra boneca para contar como ela se tornou um objeto amaldiçoado. 

A trama de “Invocação do Mal” se passava em 1971, aqui a história volta para os anos sessenta, quando o casal Mia (Annabelle Wallis) e John (Ward Horton) estão recém casados e esperando um filho. O marido presenteia a esposa com a tal boneca, um pouco antes de um casal de malucos seguidores de uma seita invadirem sua casa para atacá-los. O casal sobrevive, porém algum tempo depois, eles e a criança que acabou de nascer, passam a ser assombrados por um espírito que utiliza a boneca como catalisador. 

A trama é fraca e repleta de clichês, com soluções e personagens inverossímeis, principalmente a amiga do casal vivida por Alfre Woodard, que se mostra totalmente deslocada no roteiro e protagoniza um final no mínimo absurdo. O casal de protagonistas também é inexpressivo. 

A parte técnica é correta, principalmente pela direção ficar a cargo de John R. Leonetti, que tem um currículo sólido como diretor de fotografia e câmera. O problema é que seus trabalhos como diretor são ruins. Ele é responsável por outras duas continuações caça-niqueis. O péssimo “Efeito Borboleta 2” e o fraco “Mortal Kombat – A Aniquilição”.  

6 comentários:

Bússola do Terror disse...

Bom, ainda não vi o filme inteiro, então não posso opinar muito.
Mas quando se fala de bonecos amaldiçoados, acho difícil algum filme adquirir mais popularidade que Brinquedo Assassino (embora, nesse caso, já seja outro tipo de boneco amaldiçoado, diferente do estilo que a gente vê em Anabelle). É que o Chucky ficou muito massificado na cabeça das pessoas como a imagem clássica dos bonecos amaldiçoados de filmes de terror.

Hugo disse...

Léo - O primeiro "Brinquedo Assassino" é bem melhor que este "Annabelle". Em filmes posteriores como "A Noiva do Chucky", o boneco se transformou em um ícone pop, mudando o foco do terror para comédia.

Abraço

Gustavo H. Razera disse...

Minha Nossa!!!

Se eu soubesse que o diretor era o mesmo de MK: ANIQUILAÇÃO eu nem teria assistido a esse filme.

Hugo disse...

Gustavo - É um filme fraco, que tenta se aproveitar do sucesso do original para lucrar.

Abraço

Pedrita disse...

eu adoro esse gênero. até mesmo os mais fraquinhos. eu gostei da personagem da amiga que ajuda a esposa. e é bem feitinho realmente o problema é q o roteiro fica muito restrito e bobo. mencionei essa sua resenha no meu blog e no post sobre annabelle. beijos, pedrita

Hugo disse...

Pedrita - Eu tb gosto do gênero, mas é comum encararmos estas continuações fracas.

Visitarei sua postagem.

Bjos