sábado, 29 de junho de 2024

A Sociedade da Neve

 


A Sociedade da Neve (La Sociedad de la Nieve, Eapanha / Chile / Uruguai / EUA, 2023) – Nota 8
Direção – J.A. Bayona
Elenco – Enzo Vogrincic, Agustin Pardella, Matias Recalt, Esteban Bigliardi.

Em 13 de outubro de 1972, a equipe de rugby do Old Christians do Uruguai viajava para uma partida no Chile quando o avião que os transportava sofreu um acidente na Cordilheira dos Andes. A princípio os sobreviventes acreditavam que seriam resgatados logo, porém os dias passavam e nada do socorro aparecer. 

Este sensível e doloroso longa é a melhor versão da trágica história real que já fora contada em um dramalhão mexicano chamado “Os Sobreviventes dos Andes” e no bom filme dirigido por Frank Marshall nos anos noventa com o título de “Vivos”. 

Esta nova versão utiliza um elenco de atores desconhecidos, cria uma assustadora sequência do acidente e depois varia entre o drama físico ao enfrentar a natureza gelada e o psicológico de cada personagem. Tudo isso é narrado de uma forma sensível por um dos jovens ocupantes do avião. Até mesmo as sequências mais fortes foram filmadas com sensibilidade. 

É uma belíssimo filme sobre tragédia e superação.

sexta-feira, 28 de junho de 2024

Novembro – Paris Atacado

 


Novembro – Paris Atacado (Novembre, França / Bélgica, 2022) – Nota 7
Direção – Cédric Jimenez
Elenco – Jean Dujardin, Anais Demoustier, Sandrine Kiberlain, Jeremie Renier, Lyna Khoudri, Cédric Kahn.

Em 13 de novembro de 2015, vários locais de Paris foram atacados por terroristas, incluindo a famosa casa de espetáculos Bataclan, onde noventa pessoas foram assassinadas. Este longa detalha os cinco dias seguintes em que uma unidade antiterrorista liderada por Fred (Jean Dujardin) segue pistas para capturar os envolvidos nos ataques. 

Como são diversas situações para serem encaixadas em menos de duas horas de duração, a narrativa entrega muitos detalhes de forma rápida, fazendo com que o espectador precise prestar muita atenção para seguir as linhas de investigação. 

Não é um filme de ação, o foco é nas investigações que precisam desenrolar um verdadeiro emaranhado de informações. É um filme interessante para quem gosta de histórias reais e também para os fãs de tramas de investigação.

quinta-feira, 27 de junho de 2024

Estrondo na Escuridão & Nocaute

 


Estrondo na Escuridão (Rumble Through the Dark, EUA, 2023) – Nota 6
Direção – Graham Phillips & Parker Phillips
Elenco – Aaron Eckhart, Bella Thorne, Ritchie Coster, Marianne Jean Baptiste, Derek Russo, Christopher Winchester.

Jack (Aaron Eckhart) é um veterano boxeador que tem várias dívidas e que sobrevive através de lutas clandestinas. Quando a sorte parece chegar, um fato inesperado o leva a tomar atitudes drásticas para tentar resolver a situação. 

O roteiro explora o clichê do lutador decadente que busca uma espécie de redenção, através de um roteiro com pontas soltas e alguns personagens caricatos. O que faz o filme ganhar pontos são o clima de tragédia pontuado por uma sinistra trilha sonora, a atuação atormentada de Aaron Eckhart e as violentas sequências de lutas. 

É um filme com falhas, mas que entrega algo a mais do que a proposta da premissa.

Nocaute (Lights Out, EUA, 2024) – Nota 5
Direção – Christian Sesma
Elenco – Frank Grillo, Mekhi Phifer, Jaime King, Dermot Mulroney, Scott Adkins, Amaury Nolasco, Donald Cerrone, JuJu Chan, Justin Furstenfeld, Paul Sloan, Erica Peeples, Kevin Gage.

Duffy (Frank Grillo) é um veterano da Guerra do Iraque que após se envolver em uma briga de bar, recebe a proposta de um ex-detento (Mekhi Phifer) para participar de lutas clandestinas. O talento de Duffy para lutar rapidamente o faz entrar em conflito com um chefão do crime (Dermot Mulroney) que tem ligação com uma policial corrupta (Jaime King). 

Como é comum neste tipo de filme de ação B, o roteiro é um festival de clichês. As vezes as sequências de ação e o carisma dos personagens melhoram o resultado, porém aqui nem mesmo as lutas empolgam, inclusive desperdiçando o talento de Scott Adkins que faz uma ponta participando do tiroteio final. Frank Grillo repete o papel de durão e o restante do elenco são de canastrões conhecidos.

quarta-feira, 26 de junho de 2024

A Morte do Sr. Lazarescu

 


A Morte do Sr. Lazarescu (Moartea Domnului Lazarescu, Romênia, 2005) – Nota 8
Direção – Cristi Puiu
Elenco – Ion Fiscoteanu, Luminita Gheorghiu, Doru Ana.

Em um sábado na periferia de Buscareste, capital da Romênia, o viúvo Lazarescu (Ion Fiscoteanu) sofre com dores no estômago e na cabeça. Enquanto espera uma ambulância em seu pequeno apartamento, ele tem o auxílio de um casal de vizinhos. Quando chega o socorro, se inicia uma saga do idoso por vários hospitais da cidade em busca de atendimento. 

O diretor Cristi Puiu é conhecido por dramas que focam em personagens comuns em meio a problemas ordinários. São sempre filmes com longa duração, sequências lentas e diálogos simples, como o ótimo “Sieranevada” em que o contexto era a reunião de uma família. 

Aqui o roteiro de Puiu começa explorando a solidão da terceira idade, para em seguida fazer uma crítica ao sistema de saúde romeno, que por sinal lembra muito o que acontece nos hospitais públicos por aqui. 

Médicos arrogantes, residentes e enfermeiras sem comprometimento, falta de estrutura, hospitais lotados e burocracia, tudo isso embalado numa total falta respeito com o paciente, que é tratado como um objeto levado de um canto para o outro enquanto seu estado de saúde piora. 

A solidariedade existe na paramédica vivida por Luminita Gheorghiu que o acompanha durante a saga e em alguns poucos personagens que auxiliam em momentos específicos. 

É um filme que se mostra ainda mais triste para quem vive em países com uma saúde publica tão deteriorada quanto a mostrada aqui.

terça-feira, 25 de junho de 2024

Warrior: A Batalha de Todos os Dias

 


Warrior: A Batalha de Todos os Dias (Kriger, Dinamarca, 2018) – Nota 6,5
Direção – Christoffer Boe
Elenco – Dar Salim, Danica Curcic, Lars Ranthe, Jakob Oftebro, Soren Malling, Marco Ilso, Nicolas Bro.

CC (Dar Salim) é um veterano que lutou no Iraque e que se culpa pela morte do amigo Peter (Jakob Oftebro). Ao ser procurado pela viúva do amigo, a policial Louise (Danica Curcic), que pede ajuda em um caso, ele aceita se infiltrar em uma perigosa gangue de motoqueiros traficantes. 

Esta minissérie em oito episódios tem uma produção caprichada, como é comum nas obras dinamarquesas atuais e uma trama bastante previsível. A jornada do protagonista em busca de uma espécie de redenção ou perdão segue a cartilha comum das histórias sobre infiltrados que precisam provar seu valor, sua lealdade e mostrar que são violentos. 

É uma minissérie um pouco mais do que razoável.

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Viciados em Amor

 


Viciados em Amor (She Came To Me, EUA, 2023) – Nota 6
Direção – Rebecca Miller
Elenco – Peter Dinklage, Anne Hathaway, Marisa Tomei, Harlow Jane, Evan A. Ellison, Joanna Kulig, Brian D’Arcy James.

Steven (Peter Dinklage) é um compositor de óperas que sofre com um bloqueio criativo. Ele é casado com sua ex-terapeuta Patricia (Anne Hathaway). O acaso o faz encontrar Katrina (Marisa Tomei), com que tem um affair rápido, porém que serve para utilizar com inspiração para sua nova ópera. Mas sua escolha também trará outras consequências. 

É um filme inusitado com personagens problemáticos e situações estranhas. O trio de protagonistas carrega sofrimentos individuais que são jogados na tela de uma forma um pouco desorganizada. A decisão da personagem de Anne Hathaway parece vir à tona após uma simples conversa. 

A trama paralela da amor juvenil entre o filho dos protagonistas e o filha da diarista parece um drama adolescente de best seller, sem aprofundamento algum. É ao mesmo tempo um filme simpático e estranho, que beira o inverossímil.

domingo, 23 de junho de 2024

Abigail

 


Abigail (Abigail, EUA / Irlanda / Canadá, 2024) – Nota 7
Direção – Matt Bettinelli Olpin & Tyler Gillett
Elenco – Melissa Barrera, Dan Stevens, Alisha Weir, Kevin Durand, Kathryn Newton, William Catlett, Angus Cloud, Giancarlo Esposito, Matthew Goode.

Uma quadrilha em que os integrantes não se conhecem e foram contratados por um estranho sequestram uma garotinha (Alisha Weir) filha de um milionário. Eles utilizam uma enorme e antiga casa em local isolado como cativeiro, sem saber que existe algo muito mais perigoso na situação do que o sequestro. 

Este violento longa parece uma mistura anabolizada de “Esqueceram de Mim” com “O Exorcista”. A reviravolta que ocorre após trinta minutos transforma o longa em um gore que segue o estilo de filmes recentes como “Feriado Sangrento” e “Casamento Sangrento”. As sequências de ação são bem produzidas e violentas, o que com certeza agradará aos fãs do gênero.

sábado, 22 de junho de 2024

Portões do Céu

 


Portões do Céu (Gates of Heaven, EUA, 1978) – Nota 7
Direção – Errol Morris
Documentário

Em 1978, o então desconhecido Errol Morris juntou dinheiro com parentes e amigos para produzir seu primeiro documentário. O tema inusitado para a época era sobre um sujeito que tentou construir um cemitério para animais na Los Angeles dos anos setenta, porém enfrentou diversos obstáculos, inclusive uma empresa que utilizava animais mortos para produção sabe-se-lá do que. 

O documentário se tornou cult e abriu as portas para Morris fazer uma sólida carreira. Visto hoje, o documentário é até um pouco frio por mostrar diversas entrevistas de pessoas que perderam pets, porém sem demonstrar grande emoção. A ideia do cemitério de animais e a relação entre donos e pets na época não era tão forte como nos dias atuais, quando os animais se tornaram parte das famílias. 

Um ponto interessante nos docs de Morris é não existir narração. Ele utiliza os depoimentos como autoexplicativos para a história que deseja contar ou o tema que está sendo abordado. Este doc hoje vale mais como curiosidade para quem acompanha os trabalhos do diretor.

sexta-feira, 21 de junho de 2024

Garra de Ferro

 


Garra de Ferro (The Iron Claw, Inglaterra / EUA, 2023) – Nota 8
Direção – Sean Durkin
Elenco – Zac Efron, Jeremy Allen White, Holt McCallany, Maura Tierney, Lily James, Harris Dickinson, Stanley Simons, Michael J. Harney.

Nos anos sessenta, Fritz Von Erich (Holt McCallany) foi astro da luta livre, mas não chegou a topo da carreira como sonhava. No final dos anos setenta, Fritz se tornou treinador e empresário de seus filhos, em quem colocou a toda a responsabilidade de conseguir o sucesso que ele mesmo não teve. 

Ao olhar o cartaz e ler uma simples sinopse fica a impressão de que veremos um filme sobre os desafios do esporte, porém, quem não conhece a história real será surpreendido. A saga da família Von Erich vai muito além dos ringues. Temas como obsessão, obediência e amizade entre irmãos são misturadas a uma trágica história de traumas e perdas. 

Entre o bom elenco, vale destacar os pais vividos por Holt McCallany e Maura Tierney, além do quase sempre criticado Zac Efron, que nos últimos anos vem mudando o foco na carreira e que aqui entrega sua melhor atuação, inclusive com uma grande mudança física para o papel. 

Muito do filme é explicado na narração inicial em que o personagem de Efron cita que sua família é amaldiçoada. No final, o espectador que gosta de dramas terá uma ótima surpresa.

quinta-feira, 20 de junho de 2024

Homens Maus

 


Homens Maus (Bad Hombres, EUA, 2023) – Nota 6,5
Direção – John Stalberg Jr.
Elenco – Diego Tinoco, Hemby Madera, Thomas Jane, Luke Hemsworth, Tyrese Gibson, Anthony Xzavier Estrada, Paul Johansson.

Felix (Diego Tinoco) é um imigrante ilegal do Equador que ao chegar no Novo México consegue um trabalho ao lado de um veterano latino (Hemky Madera) para cavar um buraco no deserto. Não demora para eles perceberem que os contratantes são criminosos e que suas vidas estão em perigo. 

Esta produção com cara filme B acerta no ritmo da narrativa, nas sequências de violência e até no roteiro que mesmo tendo exageros, termina por amarrar bem a história. Destaque também para as locações no deserto do Novo México e as pequenas, porém importantes participações de rostos conhecidos como Thomas Jane, Luke Hemsworth e Nick Cassavetes.

quarta-feira, 19 de junho de 2024

O Índice do Medo

 


O Índice do Medo (The Fear Index, Inglaterra, 2022) – Nota 6
Direção – David Caffrey
Elenco – Josh Hartnett, Arsher Ali, Leila Farzad, Grégory Montel, Aissa Maiga, Derek Siow.

Alex Hoffman (Josh Hartnett) é um cientista que ficou milionário utilizando sua inteligência para os investimentos. Tudo começa a desmoronar em um só dia, quando ele é atacado em casa por um estranho e ao mesmo tempo desconfia que alguém pode estar tentando destruir sua empresa. 

Esta minissérie em quatro capítulos, que aparentemente seria uma série, começa de forma intrigante. Os acontecimentos estranhos deixam o espectador em dúvida se existe uma conspiração, se o sócio (Arsher Ali) está tramando algo ou se o próprio protagonista é quem está enlouquecendo. 

O problema é que conforme a trama avança, algumas situações são deixadas de lado e o roteiro segue um caminho que beira a ficção, levando até um final que deixa várias portas em aberto. É uma pena, a série ou minissérie, tinha potencial para terminar de forma mais completa.

terça-feira, 18 de junho de 2024

Entrevista com o Demônio

 


Entrevista com o Demônio (Late Night with the Devil, Austrália / EUA / Emirados Árabes Unidos, 2023) – Nota 7
Direção – Cameron Cairnes & Colin Cairnes
Elenco – David Dastmalchian, Laura Gordon, Ian Bliss, Fayssal Bazzi, Ingrid Torelli, Rhys Auteri, Georgina Haig, Josh Quang Tart.

Nova York, 1977. Jack Delroy (David Dastmalchian) é um apresentador de talk show que retorna ao programa após enfrentar problemas pessoais e uma queda de audiência. O programa é temático em homenagem ao Dia de Halloween, levando como convidados pessoas ligadas aos sobrenatural. Conforme o programa avança, a situações começam a sair do controle. 

Este criativo longa dirigido pelos irmãos australianos Cairnes acerta em cheia na recriação do clima de um talk show ao vivo dos anos setenta, inclusive detalhando os conflitos nos intervalos comerciais. Também fica claro o mundo de mentiras que é a tv, mesmo com o roteiro inserindo situações de terror que se casam perfeitamente com a proposta. 

O apresentador falso, o produtor canalha, o vidente picareta, o hipnotizador arrogante e uma garota possuída por um demônio são os personagens marcantes que ajudam a criar o estranho clima que leva a um final catártico.

segunda-feira, 17 de junho de 2024

Danificado & Armadilhas do Passado

 


Danificado (Damaged, EUA / Inglaterra, 2024) – Nota 5
Direção – Terry McDonough
Elenco – Samuel L. Jackson, Vincent Cassel, Gianni Capaldi, Kate Dickie, John Hannah, Laura Haddock.

Um serial killer começa a agir em Edimburgo na Escócia cometendo assassinatos semelhantes a vários casos ocorridos em Chicago anos atrás. Um policial americano (Samuel L Jackson) viaja para a Escócia com o objetivo de auxiliar a polícia local que tem como líder da investigação o detetive Boyd (Gianni Capaldi). 

Este thriller tem uma premissa com potencial, assassinatos com cara de ritual e um clima de suspense bem construído, porém com um roteiro sofrível. A reviravolta que entrega a identidade do assassino é totalmente clichê. Os quinze minutos finais parecem ter sido filmados com pressa, deixando ainda uma espécie de gancho que deixa tudo ainda pior.

Armadilhas do Passado (Breakwater, EUA, 2023) – Nota 5,5
Direção – James Rowe
Elenco – Dermot Mulroney, Darren Mann, Alyssa Goss, Sonja Sohn. JD Evermore, Mena Suvari, Ezra DuVall.

Após cumprir três anos de prisão de por um crime que não cometeu, Dovey (Darren Mann) ganha a liberdade e promete ao companheiro de cela Ray (Dermot Mulroney) que irá procurar a filha deste para saber se a garota está bem. É o início de uma história muito mais complexa do que uma simples tentativa de reencontro. 

Este longa apresenta algumas contradições curiosas. Ao mesmo tempo que as situações são resolvidas na base dos clichês e com furos claros no roteiro, por outro lado ele entrega duas reviravoltas bastante interessantes no desenrolar da trama. As locações abertas e narrativa com bom ritmo são pontos positivos, mas não chegam a salvar o filme das falhas citadas e das atuações ruins.

domingo, 16 de junho de 2024

LaRoy, Texas

 


LaRoy, Texas (LaRoy, Texas, EUA / França, 2023) – Nota 6,5
Direção – Shane Atkinson
Elenco – John Magaro, Steven Zahn, Dylan Baker, Matthew Del Negro, Megan Stevenson, Galadriel Stinenam, Brad Leland, Brannon Cross.

Um assassino profissional (Dylan Baker), um passivo marido traído (John Magaro), a esposa adúltera (Megan Stevenson), um detetive particular (Steve Zahn) e outros personagens se envolvem em uma chantagem que leva ao desaparecimento de uma mala de dinheiro. 

Este longa escrito e dirigido pelo estreante Shane Atkinson claramente busca inspiração no ótimo “Fargo”. A cidade pequena, os personagens peculiares e uma trama policial recheada de erros e desencontros com violência são detalhadas com pitadas de humor negro. 

É uma pena que todo este potencial tenha resultado no máximo em um filme mediano. Se Dylan Baker e Steve Zahn criam personagens interessantes, por outro lado o marido vivido por John Magaro é irritante de tão panaca, assim como a esposa de Megan Stevenson. 

Vale como curiosidade para quem gosta de filmes neste estilo.

sábado, 15 de junho de 2024

Dr. Morte

 


Dr. Morte (Mr. Death: The Rise and Fall of Fred A. Leuchter, Jr., EUA / Inglaterra, 1999) – Nota 7,5
Direção – Errol Morris
Documentário

Em meados dos anos oitenta, o engenheiro Fred A. Leuchter Jr. desenvolvia versões modernas da cadeira elétrica, da câmara de gás e de uma máquina de injeção letal para serem utilizadas em prisões de Estados Americanos que tinham em vigor a pena de morte para criminosos. 

O seu conhecimento o levou a ser convidado a participar como especialista no julgamento de um líder de grupo que acreditava que o Holocausto não existiu. O trabalho de Leuchter era analisar as câmaras de gás nos campos de concentração na Polônia. A conclusão do estudo transformou sua vida em um inferno. 

Este documentário dirigido pelo especialista Errol Morris vai além do tema absurdo da negação do Holocausto, para focar em um personagem complexo. A impressão sobre Leuchter é de um sujeito solitário e inapto para a convivência social que se baseou em uma pesquisa científica incorreta para ter um reconhecimento de seu trabalho, mas que ao invés disso teve sua vida destruída. 

É interessante também perceber que a terrível “cultura do cancelamento” que hoje ocorre diariamente pelas redes sociais, já existia em outros formatos atingindo pessoas que emitiam opiniões que um determinado grupo considerava ofensiva.

É claro que Leuchter defendeu algo completamente errado, mas também fica uma questão a analisar. Se alguém com péssimas ideias merece ser excluído da sociedade, mesmo não tendo atingindo ou prejudicado pessoa alguma. Finalizando, não existe informações se Leuchter ainda está vivo.

sexta-feira, 14 de junho de 2024

Agente Infiltrado

 


Agente Infiltrado (AKA, França, 2023) – Nota 7
Direção – Morgan S. Dalibert
Elenco – Alban Lenoir, Eric Cantona, Thibault de Montalembert, Sveva Alviti, Saidou Camara, Lucille Guillaume, Kevin Layne.

Adam Franco (Alban Lenoir) é um mercenário que trabalha para o governo francês. Após finalizar um serviço na África e voltar para Paris, ele recebe a missão de se infiltrar na quadrilha de Victor Pastore (Eric Cantona), que está escondendo um terrorista sudanês. 

Este longa segue o estilo dos filmes de ação de Hollywood, com o protagonista vivido por Alban Lenoir eliminando criminosos em uma série de sequências violentas e explosivas. Mesmo com uma surpresa no final que passa um pouco do ponto aceitável, o roteiro no geral é complexo e ao mesmo tempo razoável, inclusive explorando corrupção política. Para quem gosta de ação, este filme é uma boa opção.

quinta-feira, 13 de junho de 2024

Braddock, o Ajuste de Contas & O Homem do Presidente

 


Braddock: O Super Comando (Missing in Action, EUA, 1984) – Nota 6,5
Direção – Joseph Zito
Elenco – Chuck Norris, M. Emmet Walsh, James Hong, David Tress, Lenore Kasdorf.

Dez anos após ter escapado de um campo de prisioneiros no Vietnã, o coronel James Braddock (Chuck Norris) decide voltar ao país em uma missão para resgatar soldados americanos que foram abandonados pelo governo ao final da guerra. 

Esta sinopse explica praticamente tudo. É um filme produzido pela Cannon no rastro do sucesso de “Rambo: Programado para Matar” e com a curiosidade de explorar uma história muito parecida com “Rambo II: A Missão” que seria lançado no ano seguinte. É a clássica premissa dos filmes de ação dos anos oitenta do exército de um homem só enfrentando um batalhão de inimigos.

Braddock 2: O Início da Missão (Missing in Action 2: The Beginning, EUA, 1985) – Nota 6
Direção – Lance Hool
Elenco – Chuck Norris, Soon Tek Oh, Steven Williams, Professor Toru Tanaka.

Esta sequência que foi filmada logo em seguida ao sucesso do filme original é na verdade um prequel produzido em uma época em que sequer existia esse termo. A história volta para a Guerra do Vietnã no início dos anos setenta quando o coronel James Braddock (Chuck Norris) é capturado e levado para um campo de prisioneiros, até liderar uma fuga pela selva. As sequências de ação são no estilo raiz, com figurantes voando em explosões e muita porradaria ao estilo de Chuck Norris.

Braddock 3: O Resgate (Braddock: Missing in Action III, EUA, 1988) – Nota 5
Direção – Aaron Norris
Elenco – Chuck Norris, Aki Aleong, Roland Harrah III, Miki Kin.

Tentando levar uma vida normal, o coronel James Braddock (Chuck Norris) é surpreendido ao receber a informação de que sua esposa vietnamita que ela acreditava ter morrido na guerra, pode estar viva. Ele inicia uma nova missão em direção ao Vietnã para descobrir a verdade. 

Este terceiro longa foi filmado nas Filipinas quando a produtora Cannon já estava em crise financeira após diversos fracassos de bilheteria. Como Norris era contratado e tinha protagonizado os maiores sucessos da Cannon, eles tentaram reativar a franquia, mas fracassaram. O filme ainda tem bastante sequências de ação, porém mais fracas que os filmes anteriores, além de um roteiro reciclado.

O Ajuste de Contas (An Eye for an Eye, EUA, 1981) – Nota 6
Direção – Steve Carver
Elenco – Chuck Norris, Christopher Lee, Richard Roundtree, Mako, Maggie Cooper, Matt Clark, Rosalind Chao, Professor Toru Tanaka, Stuart Pankin, Terry Kiser.

Sean Kane (Chuck Norris) é um ex-policial de San Francisco que busca uma incessante vingança contra a Máfia Chinesa após seu ex-parceiro ser assassinado. Esqueça o roteiro repleto de clichês, um Chuck Norris sem barba e bigode e divirta-se com as diversas sequências de lutas, com destaque para o clímax contra o sinistro Professor Toru Tanaka. Para quem não conhece, este havaiano gigante de descendências japonesa foi um dos vilões marcantes em filmes como “The Running Man – O Sobrevivente” e “3 Ninjas”, sempre usando um estranho sapato plataforma.

O Homem do Presidente (The President's Man, EUA, 2000) – Nota 5
Direção – Eric Norris & Michael Preece
Elenco – Chuck Norris, Dylan Neal, Jennifer Tung, Soon Tek Oh, Ralph Waite, Stuart Whitman, Jonathan Nichols Navarro.

Joshua McCord (Chuck Norris) é um veterano agente do serviço secreto americano que após resgatar a Primeira-Dama que fora sequestrada por terroristas, fica encarregado de treinar um oficial (Dylan Neal) para ser seu sucessor. 

Esta produção para tv desperdiça o tema do sequestro que é resolvido rapidamente, para focar em sequências bobas de treinamento entre tutor durão e aluno rebelde, até voltar para a ação na parte final de uma forma bastante burocrática.

O Homem do Presidente II (The President's Man: A Line in the Sand, EUA, 2002) – Nota 4,5
Direção – Eric Norris
Elenco – Chuck Norris, Judson Mills, Jennifer Tung, Robert Urich, Roxanne Hart, Philip Casnoff

Nesta sequência, o agente do serviço secreto Joshua McCord (Chuck Norris) inicia a caçada a um terrorista que planeja detonar um artefato nuclear. Esta sequência também produzida para a tv é ainda mais fraca que o primeiro filme. 

Mesmo mostrando boa forma para as poucas cenas de ação aos sessenta e dois anos que tinha na época, Chuck Norris não consegue salvar o filme que sofre também por causa do roteiro genérico. Além disso, o seu parceiro que no filme anterior era interpretado por Dyan Neal, aqui é vivido pelo inexpressivo Judson Mills, que ajuda a piorar ainda mais.

quarta-feira, 12 de junho de 2024

Marmalade

 


Marmalade (Marmalade, Inglaterra, 2024) – Nota 6
Direção – Keir O’Donnell
Elenco – Joe Keery, Camila Morrone, Aldis Hodge, Hans Christopher, Ozioma Akagha, Wayne Duvall.

Baron (Joe Keery) é um jovem de uma cidade pequena que termina na prisão. Ele decide contar sua história de vida para o companheiro de cela Otis (Aldis Hodge), com o objetivo de conseguir ajuda para escapar do local e reencontrar sua amada Marmalade (Camila Morrone). 

Metade do filme é até um pouco cansativo ao mostrar em flashbacks como o ingênuo Baron teve sua vida virada de ponta cabeça ao encontrar a garota Marmalade, lembrando as histórias comuns de amor adolescente. 

O filme cresce na parte final quando o roteiro escrito pelo diretor Keir O’Donnell cria uma grande reviravolta. Mesmo com algumas coisas não se encaixando e com uma tentativa falha nas pitadas de humor, esta mudança de rumo leva a uma situação mais interessante do que o romance. É uma pena que faltou um roteiro melhor desenvolvido no geral.

terça-feira, 11 de junho de 2024

O Silêncio da Vingança

 

 
O Silêncio da Vingança (Silent Night, EUA, 2023) – Nota 6
Direção – John Woo
Elenco – Joel Kinnamann, Catalina Sandino Moreno, Scott Mescudi, Harold Torres.

Na sequência inicial, um sujeito (Joel Kinnamann) persegue uma gangue pelas ruas de Los Angeles, toma dois tiros, sendo um na garganta. Ele consegue sobreviver, mas perde a capacidade de falar. Enquanto vamos entendendo o que aconteceu, ele planeja sua vingança. 

Nos anos oitenta em Hong Kong e nos noventa em Hollywood, o diretor John Woo foi um dos grandes nomes do cinema de ação. Nos últimos vinte anos ele retornou para Hong Kong, fez alguns longas interessantes, mas sem o mesmo sucesso. 

Nesta volta ao cinema americano, ele retoma o estilo com sequências em câmera lenta, melodrama e muita violência. Os pontos positivos são as sequências de ação e a escolha de utilizar pouquíssimos diálogos, já que o protagonista passa quase todo o filme sem falar nada. 

Por outro lado, a narrativa perde pelo menos uns quarenta minutos focando na recuperação e no sofrimento do protagonista. O roteiro também não é dos melhores. Basicamente é um filme para o cinéfilo que gosta de ação, sem se preocupar com falhas e exageros.

segunda-feira, 10 de junho de 2024

Hill: Amor pelo Jogo

 


Hill: Amor pelo Jogo (The Hill, EUA, 2023) – Nota 7
Direção – Jeff Celentano
Elenco – Dennis Quaid, Colin Ford, Joelle Carter, Bonnie Bedelia, Scott Glenn, Siena Bjornerud, Ryan Dinning, Carin Worm, Randy Houser, Jesse Berry.

Quando criança, Rickey Hill (Colin Ford) enfrentou uma doença nos ossos que o impedia de jogar beisebol, porém sempre teve o sonho de se tornar um jogador profissional. Ele ainda precisava enfrentar o pai (Dennis Quaid), que era pastor e que tinha medo do que poderia acontecer com o filho no caso de uma contusão. 

Baseado em uma história real ocorrida entre os anos sessenta e setenta, este longa consegue superar a falta de carisma do protagonista vivido por Colin Ford, dos coadjuvantes desconhecidos, com exceção de Scott Glenn e Bonnie Bedelia, além é claro de ótimo Dennis Quaid e algumas situações que podem parecer inverossímeis, para entregar uma história repleta de mensagens positivas. 

A importância da família, a fé e a esperança como combustíveis para a ação na busca pelos sonhos e por fim a ideia de não desistir jamais. O filme tem ainda algumas boas sequências de beisebol e uma enorme sensibilidade na narrativa.

domingo, 9 de junho de 2024

Wormwood

 


Wormwood (Wormwood, EUA, 2017) – Nota 8
Direção – Errol Morris
Documentário
Elenco – Peter Sarsgaard, Christian Camargo, Molly Parker, Tim Blake Nelson, Scott Shepherd, Bob Babalan, Jimmi Simpson, Michael Chernus, John Doman.

Em 1953, o cientista Frank Olson morreu ao cair da janela de uma hotel em Nova York. Frank trabalhava em projetos secretos do governo americano envolvendo a CIA e o exército. 

A versão oficial considerava suicídio, porém em 1975, documentos sigilosos da CIA vieram à tona levando a família de Frank, principalmente seu filho mais velho Eric Olson a acreditar que a verdade sobre a morte do pai tinha sido acobertada. 

Esta história real é contada aqui em seis episódios pelo famoso documentarista Errol Morris, que utiliza duas narrativas paralelas repletas de idas e vindas. 

Uma narrativa tem formato de documentário em que uma longa entrevista com Eric Olson detalha aos poucos o caso, a forma como sua família foi manipulada e principalmente como sua própria vida foi dominada pela obsessão em descobrir a verdade sobre a morte do pai. 

Os fatos e a versão contada por Eric são encenadas pelo elenco encabeçado por Peter Sasgaard, que interpreta o atormentado Frank Olson. 

É uma destas histórias reais intrigantes em que a verdade total dificilmente será conhecida pelo público, mesmo com a obra deixando claro que algumas pessoas sabem exatamente o que aconteceu. 

Como informação, o Wormwood do título se refere a uma citação bíblica em que a palavra representa amargura ou sofrimento que uma pessoa carrega por toda a vida.

sábado, 8 de junho de 2024

Sangue e Ouro

 


Sangue e Ouro (Blood & Gold, Alemanha, 2023) – Nota 7
Direção – Peter Thorwarth
Elenco – Robert Maaser, Marie Hacke, Roy McCrerey, Jordis Triebel, Alexander Scheer.

Com a Segunda Guerra Mundial próxima ao final com a iminente derrota alemã, um grupo de soldados nazistas chega a um pequena vila em busca de uma suposta fortuna em ouro que pertencia a uma família. Um soldado desertor (Robert Maaser) é um obstáculo para os criminosos, assim como outros personagens que variam entre lutar pela sobrevivência e a ganância pelo ouro. 

Apesar de se passar durante a Segunda Guerra, o roteiro, a narrativa e a trilha sonora são claramente inspirados nos westerns. O estranho perseguido por criminosos, a pequena vila com personagens que precisam enfrentar a violência e a febre do ouro são elementos clássicos do gênero americano. 

Junte tudo isso a tiroteios e sequências de brigas criativas extremamente sangrentas que beiram uma sátira em alguns momentos, além do cinismo de como várias situações são resolvidas, resultando em uma obra divertida, apesar dos exageros.

sexta-feira, 7 de junho de 2024

Ghostbusters: Apocalipse de Gelo

 


Ghostbusters: Apocalipse de Gelo (Ghostbusters: Frozen Empire, EUA, 2024) – Nota 5,5
Direção – Gil Kenan
Elenco – Paul Rudd, Carrie Coon, Finn Wolfhard, Mckenna Grace, Kumail Nanjiani, Dan Aykroyd, Bill Murray, Ernie Hudson, Annie Potts, William Atherton, Patton Oswalt, James Acaster, Celeste O’Connor, Logan Kim, Emily Alyn Lind.

Uma sequência de situações leva uma criatura fantasma que tem o poder de congelar tudo ao seu redor a ser libertada de um antigo artefato. A união entre os novos e velhos caçafantasmas é a única chance de salvar o mundo. 

O reboot de 2021 fez sucesso ao entregar uma história bem amarrada que explorava a nostalgia dos anos oitenta ao fazer uma ligação entre os novos e os velhos caçantasmas de uma forma divertida e sensível. 

A inevitável sequência chegou e com ela o desejo dos produtores em tentar agradar a todos. E como acontece normalmente neste tipo de escolha, o filme acabou desagradando a maioria. 

A premissa tinha potencial, porém desenrolar da trama é uma bagunça em que os muitos personagens parecem perdidos. Até a participação do sempre marcante Bill Murray é desperdiçada com algumas falas patéticas. 

Esse caminho de enfiar pautas ideológicas em histórias em que o público quer diversão, é outra bola fora. É uma pena estragar uma franquia que poderia ser diversão pura.

quinta-feira, 6 de junho de 2024

Desespero Profundo

 

Desespero Profundo (No Way Up, Inglaterra, 2024) – Nota 5
Direção – Claudio Fah
Elenco – Sophie Mcintosh, Colm Meaney, Phyllis Logan, Will Attenborough, Jeremias Amoore, Grace Nettle, Manuel Pacific, James Carroll Jordan.

Um avião que sai do Reino Unido em direção aos EUA sofre um acidente e cai no Oceano Pacífico. Alguns sobreviventes ficam presos em um bolsão de ar dentro do avião no fundo do mar à espera de um resgate. 

Este filme catástrofe bebe na fonte dos similares americanos misturando com as tramas de sobrevivência que foram exploradas algumas vezes nos últimos anos. Com exceção da competente sequência do acidente e as atuações do veteranos Colm Meaney e Phyllis Logam, pouca coisa se salva. 

As sequências de tensão com os tubarões não convencem e a sucessão de absurdos na meia-hora final obriga o espectador a desligar o cérebro para tentar se divertir. O restante do elenco também é muito fraco, assim como o final totalmente clichê.

quarta-feira, 5 de junho de 2024

The Keepers

 


The Keepers (The Keepers, EUA, 2017) – Nota 8
Direção – Ryan White
Documentário

Em 1969, uma jovem freira chamada Catherine Cesnik é sequestrada e assassinada em Baltimore. O caso é arquivado sem solução. Em 1992, uma mulher de meia-idade decide denunciar os abusos que sofreu na mesma escola católica em que Catherine era professora. O acusado é um padre, que teria inclusive parceiros que participavam dos abusos. A denúncia da mulher leva a crer que o assassinato da freira poderia estar ligado aos abusos cometidos no colégio. 

Esta minissérie documental em sete episódios detalha uma terrível história de crimes em que os culpados jamais foram punidos e alguns deles sequer identificados. Os depoimentos das mulheres que foram abusadas quando eram adolescentes são dolorosos e mostram como suas vidas ficaram marcadas e algumas até destruídas. 

O diretor Ryan White entrevista um grande número de pessoas envolvidas, como as duas hoje senhoras que foram alunas da freira, mas que mesmo não sofrendo abuso decidiram iniciar uma investigação paralela para tentar chegar ao culpado. 

Temos jornalistas, policiais aposentados e familiares das vítimas que a cada depoimento deixam claro que o padre abusador tinha amigos influentes na polícia, foi acobertado pela arquidiocese da cidade que dificultou as investigações e até pela promotoria pública. 

A entrevista da ex-promotora da cidade nos anos noventa é patética. Destilando arrogância, ela dá respostas vazias sobre o porquê do padre não ter sido levado a julgamento e as investigações encerradas. 

É uma história que mostra como o corporativismo é algo terrível, que muitas vezes faz o envolvidos acobertarem até mesmo crimes para manter o nome da organização intacto.

terça-feira, 4 de junho de 2024

Depois da Terra

 


Depois da Terra (After Earth, EUA, 2013) – Nota 4,5
Direção – M. Night Shyamalam
Elenco – Will Smith, Jaden Smith, David Denman, Sophie Okonedo, Zoe Kravitz, Glenn Morshower.

Mil anos após o humanos fugirem da Terra que ficou inabitável e colonizarem um novo planeta, uma nave com militares prontos para batalha contra monstros alienígenas sofre um acidente. Os únicos sobreviventes são o comandante (Will Smith) e seu filho (Jaden Smith), que logo descobrem terem caído na Terra. Com o pai ferido, o filho inicia uma jornada pela Terra devastada em busca de uma chance de retornar ao novo planeta. 

Este longa foi um merecido fracasso de público e crítica. O astro Will Smith tinha o objetivo de alavancar a carreira do filho, que demonstrou não ter talento algum para atuar. Além de ser na época um garoto de catorze anos se passando por militar. 

O próprio Will Smith entrega uma péssima atuação que em momento algum convence como o oficial durão, sem contar os flashbacks piegas. O único destaque é a produção caprichada. Este é com certeza o pior trabalho do diretor M. Night Shyamalan.

segunda-feira, 3 de junho de 2024

MotherFatherSon

 


MotherFatherSon (MotherFatherSon, Inglaterra, 2019) – Nota 4
Direção – James Kent & Charles Sturridge
Elenco – Richard Gere, Helen McCrory, Billy Howle, Paul Ready, Pippa Bennett Warner, Sinead Cusack, Danny Sapani, Joseph Mawle, Elena Anaya, Niamh Algar, Sarah Lancashire.

Max Finch (Richard Gere) é um magnata da comunicação que volta para Londres com o objetivo de resolver problemas causados pelo filho Caden (Billy Howle), que administra sua empresa de mídia em meio a uma vida sem limites. Um novo problema causado pelo rapaz e as decisões de sua ex-esposa Kathryn (Helen McCrory) levam Max a tomar atitudes extremas para manter seu poder intacto. 

Esta minissérie em oito episódios é um exemplo de como a ideologia política e social pode destruir uma história. A clássica premissa de um homem poderoso, arrogante e sem limites já foi levado ao cinema e a tv diversas vezes, porém a ideia atual de politizar tudo tira o foco da trama e do personagem para colocar em primeiro plano a agenda que os diretores, o criador e os produtores desejam divulgar, com todas as caixinhas ideológicas preenchidas. Parar piorar, o ritmo arrastado da narrativa é um desafio de paciência para o espectador.

domingo, 2 de junho de 2024

Grandes Hits

 


Grandes Hits (The Greatest Hits, EUA, 2024) – Not 6,5
Direção – Ned Benson
Elenco – Lucy Boynton, Justin H. Min, David Corensweet, Austin Crute, Retta, Andie Jau.

Dois anos após a morte do namorado em um acidente de automóvel, Harriet (Lucy Boynton) desenvolveu um inusitado poder ou problema. Cada vez que ouve uma música ligada a sua relação com o namorado, ela desmaia e retorna ao passado tentando mudar o que aconteceu. 

Esta curiosa premissa mistura a ideia dos filmes de viagem no tempo com obras em que a música é o ponto principal. Mesmo com a criatividade da premissa, o roteiro escrito pelo diretor Ned Benson é bastante previsível. 

O filme ganha pontos pela simpatia das atuações da bela Lucy Boynton e de Justin H. Min como o novo interesse da garota, além é claro da ótima trilha sonora repleta de músicas pop dos anos oitenta e noventa.

sábado, 1 de junho de 2024

A Grande Entrevista

 


A Grande Entrevista (Scoop, Inglaterra, 2024) – Nota 6
Direção – Philip Martin
Elenco – Billie Piper, Gilian Anderson, Rufus Sewell, Keeley Hawes, Romola Garay, Connor Swindells, Richard Goulding, Jordan Kouamé.

Em 2019, a produtora de tv Sam McAlister (Billie Piper) é sondada pela secretária (Keeley Hawes) do Príncipe Andrew (Rufus Sewell) para uma entrevista, que seria uma tentativa de melhorar a imagem do filho da Rainha Elizabeth, que era amigo do abusador Jeffrey Epstein. Quando Epstein é preso e morre na prisão, Andrew decide dar uma entrevista, mesmo a contragosto da família real. 

Este longa explora os bastidores de como teria sido a negociação para a famosa entrevista do Príncipe Andrew, que rendeu uma audiência recorde na tv britânica. O filme é apenas correto, não tem emoção ou momentos mais tensos, nem mesmo na entrevista. 

É interessante citar uma certa ingenuidade do sujeito, que deixando de lado o que realmente aconteceu na vida real, ele acreditava que poderia melhorar sua imagem com a entrevista, sem se atentar que é quase impossível reverter o chamado “cancelamento”. 

Outro ponto a ser citado é que dezenas de famosos participaram das “festas” de Epstein, porém somente o Príncípe Andrew foi acusado fortemente pela imprensa, muito pela grande rejeição que sofre a família real inglesa. 

Destaque para a atuação de Rufus Sewell, ator que flertou com a fama nos anos noventa, seguiu com trabalhos medianos e tem aqui um dos melhores papéis de sua carreira.