quarta-feira, 6 de julho de 2016

Um Homem Contra Wall Street

Um Homem Contra Wall Street (Assault on the Walll Street ou Bailout: The Age of Greed, EUA, 2013) – Nota 6
Direção – Uwe Boll
Elenco – Dominic Purcell, Erin Karpluk, Edward Furlong, John Heard, Keith David, Michael Paré, Lochlyn Munro, Eric Roberts.

No auge da crise do sistema financeiro americano, Jim Baxford (Dominic Purcell) está atolado em dívidas causadas pela doença de sua esposa Rosie (Erin Karpluk). Mesmo estando quase curada, o plano de saúde alega que não irá cobrir os procedimentos finais do tratamento. 

Para pagar a conta, Jim decide resgatar sua aplicação e descobre que o fundo onde seu corretor investiu o dinheiro está bloqueado pelo governo por suspeita de fraude. As dívidas se transformam em uma bola de neve e sua vida afunda em todos os sentidos. A única opção de Jim é a vingança. 

O diretor e produtor alemão Uwe Boll é uma espécie de Roger Corman moderno, não por investir em dezenas de filmes, mas por explorar longas de ação, suspense e terror de baixo orçamento, utilizando canastrões conhecidos e tramas de filmes B. 

O roteiro aqui é até interessante, Boll faz uma crítica feroz ao sistema financeiro americano que desabou com a crise de 2008, porém exagera na dose de tragédias que ocorrem na vida da protagonista, para com isso criar o espírito de vingança no sujeito. 

É um filme curioso, uma produção B com uma narrativa correta, atuações ruins e cenas de ação duvidosas. 

4 comentários:

Liliane de Paula disse...

Acho que ia gostar. Não gostaria das críticas ao sistema financeiro americano.
Mas de história de vingança, eu gosto.

Hugo disse...

Liliane - A crítica é sobre a crise de 2008 que fez muita gente perder suas economias.

Kleiton Gonçalves disse...

O cara desconta no "cruel sistema financeiro" sua ira por ter dado goró em suas aplicações. É mesmo um "revolucionário". hehehe
Tô como a garota acima, só veria pela trama de vigança!

Hugo disse...

Kleiton - Os problemas financeiros surgem em forma de cascata na vida do sujeito, que é um simples segurança de carro forte. Algumas situações são realmente cruéis, vão além do prejuízo de uma aplicação financeira.

Abraço