terça-feira, 23 de setembro de 2014

A Separação

A Separação (Jodaeiye Nader az Simin, Irã, 2011) – Nota 9
Direção – Asghar Farhadi
Elenco – Peyman Moaadi, Leila Hatami, Sareh Bayat, Shahab Hosseini, Sarina Farhadi, Babak Karimi, Kimia Hosseini, Ali Asghar Shahbazi.

Em Teerã, a professora Simin (Leila Hatami) e o bancário Nader (Peymar Moaadi) formam um casal à beira do divórcio. Enquanto ela deseja ir para o exterior, ele não quer abandonar o pai (Ali Asghar Shahbazi) que sofre do Mal de Alzheimer. O impasse aumenta com a posição da filha (Sarina Farhadi) que não quer sair do país e também não deseja a separação dos pais. 

Simin decide se mudar para a casa dos pais enquanto não resolve a situação, fato que obriga Nader a contratar uma cuidadora para seu pai. Nader escolhe Razieh (Sareh Bayat), mulher religiosa de família pobre que leva para o trabalho a filha pequena (Kimia Hosseini) e que não conta para o marido (Shahab Hosseini) que está trabalhando. Um determinado fato, somado a algumas pequenas mentiras, cria um conflito que mudará a vida das duas famílias. 

Este belíssimo longa vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro confirmou o talento do diretor Asghar Farhadi (do também ótimo “Procurando Elly”) em expor os problemas e preconceitos da sociedade iraniana na atualidade, onde a modernidade da classe média é o oposto do fundamentalismo religioso forte entre os pobres. 

A separação do casal é o gatilho de uma série de acontecimentos que misturam mentiras, hipocrisia, religião, família e diferenças sociais, numa espécie de variação da teoria do caos. 

O resultado é um ótimo drama sobre pessoas comuns que colocam o orgulho acima da razão.

5 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Sólido drama. As ações de alguns personagens chegam a causar desespero no espectador. Que gente teimosa e, como você bem notou, orgulhosa!

Cumps.

Pedrita disse...

esse filme é excelente. muito atual. beijos, pedrita

Hugo disse...

Gustavo - É uma história que incomoda.

Pedrita - Belo drama.

Abraço

Amanda Aouad disse...

Ainda me perturba aquela cena final, um excelente filme mesmo.

bjs

Hugo disse...

Amanda - A cena final é praticamente uma volta ao início do filme, mostrando como toda aquela disputa foi absurda.

Bjos