segunda-feira, 14 de outubro de 2013

24 Horas Para Sobreviver

24 Horas Para Sobreviver (The Day, EUA, 2011) – Nota 7
Direção – Douglas Aarniokoski
Elenco – Shawn Ashmore, Ashley Bell, Dominic Monaghan, Cory Hardrict, Shannyn Sossamon, Michael Eklund.

Num futuro próximo, um grupo com cinco jovens vaga pelo interior dos Estados Unidos à procura de abrigo. Não demora para o espectador perceber que algo aconteceu e que aqueles jovens são sobreviventes de alguma tragédia global. O grupo encontra uma casa abandonada e decide descansar por um dia, mesmo com medo de serem atacados por algo ou alguém que ainda não sabemos o que é. 

Posso estar enganado, mas percebo que o sucesso da série “The Walking Dead” abriu caminho para várias produções sobre o fim do mundo, que utilizam como causa para o desastre a natureza, um vírus ou a ganância do homem. 

Este longa B produzido pelos atores Shawn Ashmore (“The Following”) e Dominic Monaghan (“Lost”) novamente aborda o tema, tendo como ponto positivo não perder tempo com explicações didáticas sobre o que ocorreu, preferindo trabalhar com imagens através dos personagens sujos e famintos e dos diálogos que variam da esperança ao desespero. 

Outro ponto interessante é a fotografia desbotada, que resulta num cinza nublado que passa a sensação de depressão. Não chega a ser um preto e branco, mas é impossível distinguir as cores, com exceção do vermelho que destaca o sangue nas violentas cenas de ação. 

Por sinal, algumas sequências violentas são claramente inspiradas no clássico “A Noite dos Mortos Vivos”, mas não esperem por zumbis, a ameaça é um pouco diferente. 

O resultado é um interessante e violento filme B. 

4 comentários:

renatocinema disse...

Se possui um pouco de filme B e alguém de Lost......to dentro. Mesmo que seja para me arrepender. Valeu a dica.

abs

Hugo disse...

Renato - Longe de ser um grande filme, o longa diverte quem curte o gênero.

Abraço

Marcelo keiser disse...

Particularmente gostei apenas da cena final. Bem engraçada...rsrs

abraço

Hugo disse...

Marcelo - A cena final é totalmente de humor negro.

Abraço