quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

O Doutor da Felicidade & Doc Hollywood


O Doutor da Felicidade (Knock, França / Bélgica, 2017) – Nota 6
Direção – Lorraine Lévy
Elenco – Omar Sy, Alex Lutz, Ana Girardot, Sabine Azéma, Pascal Elbé, Audrey Dana, Andrea Ferreol, Rufus.

França, anos cinquenta. Knock (Omar Sy) é um golpista que para fugir de parceiros enfurecidos se candidata e consegue um emprego de médico em um navio, mesmo sem nunca ter estudado para a profissão.

Cinco anos depois, Knock se apresenta em uma pequena vila do interior do país para substituir o médico que está de mudança. Ambicioso e manipulador, aos poucos ele ganha a confiança das pessoas do local ao receitar medicamentos mesmo para aqueles que não tem problema algum. Sua forma de agir chama a atenção do padre (Alex Lutz), que desconfia de suas atitudes.

Esta comédia baseada em um peça se apoia totalmente na atuação de Omar Sy, que cria um personagem cheio de contradições. Ao mesmo tempo em que seu objetivo é lucrar com a medicina e se tornar uma pessoa importante, por outro lado ele realmente tenta ajudar as pessoas que precisam, como se fosse uma espécie de psicologia involuntária que dá um novo propósito de vida aos moradores.

Mesmo que de forma rasa, o roteiro também tenta colocar em discussão a questão do uso de medicamentos e o atendimento médico como um negócio, situação que se tornou comum nos dias atuais.

O filme acaba ficando no meio do caminho entre a comédia e o drama, além de pitadas de romance, resultando numa obra apenas razoável. 

Dr. Hollywood: Uma Receita de Amor (Doc Hollywood, EUA, 1991) – Nota 6,5
Direção – Michael Caton Jones
Elenco – Michael J. Fox, Julie Warner, Barnard Hughes, Woody Harrelson, David Ogden Stiers, Bridget Fonda, Roberts Blossom, George Hamilton, Frances Sternhagen.

Ben Stone ( Michael J. Fox) é um cirurgião plástico que após conseguir o emprego dos sonhos em uma clínica em Hollywood, segue viagem de carro até Los Angeles. No caminho ele sofre um acidente em uma pequena cidade, derrubando a cerca de uma casa. O problema é que a casa pertence ao juiz do local (o veterano Roberts Blossom), que o condena a trabalhar duas semanas como médico na cidade. 

Mesmo com medo de perder o novo emprego, Ben é obrigado a cumprir a pena. Aos poucos, o jovem médico se envolve com a motorista da ambulância (Julie Warner) e percebe que a vida na cidade pequena pode ser agradável. 

Este longa é uma típica comédia ingênua no estilo sessão da tarde, formato muito comum nos anos oitenta e noventa. O roteiro previsível é superado pelo carisma de Michael J. Fox, então no auge da carreira e antes de vir à tona a doença que infelizmente mudou completamente sua vida. Ele ainda conseguiu trabalhar regularmente até 2001 no seriado “Spin City”. Depois disso apareceu apenas em pequenos papéis na tv. 

3 comentários:

Luli Ap. disse...

Fiquei curiosa com O Doutor da Felicidade, gosto muito do Omar Sy; quero ver como ele se sai nesse filme que a princípio tem um tema diferente (pena que se perde) atendimento médico e uso de medicamentos como negócio.

brauns disse...

Foi justamente em uma sessão da tarde que assisti a Doc Hollywood e gostei... mas já faz tempo! É uma pena o que aconteceu com o eterno Marty McFly. Gosto dele também no seriado FAMILY TIES.

Hugo disse...

Luli - O filme começa bem, tem ideias interessantes, mas no final o roteiro perde um pouco o foco.

Brauns- Ele começou a carreira com a sitcom "Family Ties", que fez muito sucesso por sinal.

Abraço