Pular para o conteúdo principal

Bombas - Comédias Adolescentes dos Anos Oitenta

Na volta da sessão Bombas, destaco dez comédias adolescentes produzidas nos anos oitenta, que tinham piadas sobre sexo e nudez como chamariz para o público adolescente e em alguns casos eram estrelados por jovens que hoje são astros, como Tom Hanks, Johnny Depp, Michael J. Fox,  Tim Robbins, Rob Morrow e Matthew Modine.

O gênero começou com o clássico "Clube dos Cafajestes" que John Landis dirigiu em 1978 e tinha no elenco John Belushi, Tim Matheson, Peter Riegert, Karen Allen, Tom Hulce e Kevin Bacon todos em início de carreira.

Algumas pessoas podem citar filmes anteriores como as comédias de praia estreladas pelo casal Frankie Avalon e Annette Funicello nos anos sessenta e "Loucuras de Verão" ("American Grafitti), também clássico dirigido por George Lucas em 1973 e que lançou futuros astros como Richard Dreyfus, Paul Le Mat, Charles Martin Smith e Harrison Ford, além do futuro diretor Ron Howard aqui trabalhando como ator, porém "Clube dos Cafajestes" é o exato ponto de mudança das comédias até certo ponto ingênuas, para os longas em que piadas sobre sexo se tornaram comuns.

Nesta lista cito filmes produzidos à partir de 1982, após o sucesso de outra comédia, a produção canadense "Porky's", que abriu de vez o caminho para o gênero, com a curiosidade de que o elenco deste longa acabou não se firmando na carreira, mesmo tendo ainda duas continuações de algum sucesso. Apenas a bela Kim Cattrall (a Samantha de "Sex and the City") conseguiu seguir uma carreira de sucesso.


O Último Americano Virgem (The Last American Virgin, EUA, 1982) – Nota 5
Direção – Boaz Davidson
Elenco – Lawrence Monoson, Diane Franklin, Steve Antin, Joe Rubbo.

O jovem Gary (Lawrence Monoson) trabalha como entregador de pizzas e é apaixonado por Karen (Diane Franklin), que é sua amiga. Como Gary ainda é virgem, seus amigos Rick (Steve Antin) e David (Joe Rubbo) tentam arrumar garotas para o rapaz, que tem olhos apenas para Karen. A situação fica complicada quando Gary descobre que Karen está grávida de seu amigo Rick, mudando o foco da comédia para o drama. O filme fez sucesso na época principalmente pelo título chamativo, fato comum nos filmes de adolescentes dos anos oitenta e pela mistura de comédia com piadas de sexo e temas polêmicos como gravidez e aborto, o que fez com o que filme chegasse aos cinemas brasileiros apenas em 1985 em virtude da censura. O péssimo elenco, o fraco roteiro e a direção do palestino Boaz Davidson não ajudam. Davidson ainda dirigiu alguns filmes, todos ruins por sinal, mas preferiu investir na carreira de produtor com maior sucesso, tendo produzido longas recentes como “Vício Frenético”, “Os Mercenários” e “Assassino a Preço Fixo”, entre outros.

Uma Escola Muito Especial, Para Garotas (Private School, EUA, 1983) – Nota 5
Direção – Noel Black
Elenco – Matthew Modine, Phoebe Cates, Betsy Russell, Sylvia Kristel, Kathleen Wilhoite, Ray Walston, Michael Zorek.

Com prédios vizinhos, uma escola de moças e outra apenas para garotos, os diretores tentam separar os jovens, porém isso não impede o namoro às escondidas. A bela Christine (Phoebe Cates) é apaixonada por Jim (Matthew Modine), mas tem de se preocupar com Jordan (Betsy Russell), que também está de olho no rapaz. Jim e seu amigo Bubba (Michael Zorek), para conseguir entrar no colégio de moças, se vestem de mulher e arrumam várias confusões, numa comédia repleta de piadas e situações sobre sexo. Como curiosidade, a professora de educação sexual do colégio de garotas é interpretada pela holandesa Sylvia Kristel, que ficou famosa ao estrelar o erótico-soft “Emmanuelle” nos anos setenta e direcionou sua carreira apenas para papéis do gênero, além de interpretar a própria Emmanuelle em diversas outras produções, inclusive filmes para tv.

A Última Festa de Solteiro (Bachelor Party, EUA, 1985) – Nota 6
Direção – Neal Israel
Elenco – Tom Hanks, Tawny Kitaen, Adrian Zmed, George Grizzard, Michael Dudikoff.

Rick Gassko (Tom Hanks) está noivo de Debbie (Tawny Kitaen) e para comemorar, seus amigos alugam a suíte de um hotel, enchem de bebidas e garotas, além de uma prostituta especial para Rick. Uma sequência ininterrupta de piadas sobre sexo e mulheres com poucas roupas são o ponto principal deste até divertido longa, principalmente pelo carisma de Tom Hanks ainda bem jovem. Da lista de filmes citados, com certeza este é o mais engraçado e menos ruim.

Férias Muito Loucas (Poison Ivy, EUA, 1985) – Nota 4
Direção – Larry Elikann
Elenco – Michael J. Fox, Nancy McKeon, Adam Baldwin, Robert Klein, Caren Kaye.

Esta comédia produzida para tv tem Michael J. Fox com um supervisor de campamento que tem mais interesse em conquistar uma enfermeira (Nancy McKeon) do que cuidar da garotada, o que causa diversas confusões com o dono do local (Robert Klein). O filme foi feito quando Fox era conhecido apenas pelo papel na sitcom “Caras e Caretas” (“Family Ties”) e tem todas a limitações de uma produção do gênero para tv. Fox ficaria realmente famoso no mesmo ano com o sucesso de “De Volta para o Futuro”.


Férias do Barulho (Private Resort, EUA, 1985) – Nota 5,5
Direção – George Bowers
Elenco – Rob Morrow, Johnny Depp, Emily Longstreet, Karyn O’Brian, Hector Elizondo, Leslie Easterbrook.

Este clássico absoluto da antiga Sessão das Dez do SBT, tem Rob Morrow e Johnny Depp quase adolescentes ainda, como dois amigos que vão passar uma temporada em um resort com o objetivo de pegar garotas. A farra se complica quando eles se metem com uma mulher casada com um ladrão de jóias (Hector Elizondo) e passam a ser perseguidos pelo sujeito. Analisando como cinema o filme é fraco, mas os exageros, as mulheres seminuas e a correria acaba garantindo a diversão, com o bom ator Hector Elizondo no papel do sujeito perigoso que acaba sofrendo nas mãos dos jovens espertos. Se fosse apenas por este filme, com certeza Rob Morrow e Johnny Depp não chegariam a lugar algum na carreira.


A Primeira Transa de Jonathan (Mischief, EUA, 1985) – Nota 5,5
Direção – Mel Damski
Elenco – Doug McKeon, Catherine Mary Stewart, Kelly Preston, Chris Nash, Jami Gertz, Terry O’Quinn, D. W. Brown.

Nos anos sessenta, o desajeitado Jonathan (Doug McKeon) é apaixonado por Marilyn (Kelly Preston, atual esposa de John Travolta), mas não sabe como chegar na garota. Ele pede ajuda a seu melhor amigo, Gene (Chris Nash) que namora a bela Bunny (Catherine Mary Stewart), que sofre por não ser aceito pelos pais da jovem por ser pobre. Muitas confusões e várias piadas sobre sexo são os destaques deste longa que fez algum sucesso nos anos oitenta, seguindo um estilo copiado a exaustão na época.

Quando a Turma Sai de Férias (Fraternity Vacation, EUA, 1985) – Nota 4
Direção – James Frawley
Elenco – Stephen Geoffreys, Sheree J. Wilson, Cameron Dye, Tim Robbins, Legh McCloskey, Matt McCoy, Amanda Bearse, John Vernon, Barbara Crampton, Kathleen Kinmont, Max Wright, Franklyn Ajaye.

Wendell (Stephen Geoffreys) é um nerd que nas férias viaja para praia na companhia de dois amigos (Cameron Dye e Tim Robbins), que ao mesmo tempo tiram sarro do garoto tímido e disputam quem conquistará a garota mais bonita. Diversas piadas sobre sexo são o ponto principal deste filme que é outro clássico da Sessão das Dez e tem como curiosidade o elenco. Temos Tim Robbins ainda bem jovem não dando a mínima impressão que se tornaria um astro e o ator principal Stephen Geoffreys que ficaria famoso no ano seguinte como coadjuvante no clássico “A Hora do Espanto” (que tem Amanda Bearse também no elenco) e no início dos anos noventa abandonaria a carreira e se transformaria em astro de filmes pornô gay. Parece brincadeira, mas é verdade.

Apenas um dos Rapazes (Just One of the Guys, EUA, 1985) – Nota 4
Direção – Lisa Gottlieb
Elenco – Joyce Hyser, Clayton Rohner, Billy Jacoby, Sherilyn Fenn, Tony Hudson, Leigh McCloskey, Deborah Goodrich, Arye Gross.

Esta comédia típica dos anos oitenta tem como protagonista a garota Terry (Joyce Hyser), que pretende se inscrever num concurso de jornalismo, porém acreditando que se fosse homem teria mais chances de vence, tenta enganar a todos ao mudar de colégio e por tem um nome que pode ser masculino ou feminino, se faz passar por homem para tentar vencer o concurso. Além dos problemas normais que teria de enfrentar, ela se apaixona por um amigo (Clayton Rohner) que não sabe a verdade e ainda desperta a atenção de outra garota (a linda e hoje sumida Sherilyn Fenn de “Twin Peaks”). Várias piadas sobre a troca de sexo e um final moralista dão o tom desta fraca comédia.


Ninguém Segura Essa Garota (Three for the Road, EUA, 1987) – Nota 5,5
Direção – Bill L. Norton
Elenco – Charlie Sheen, Kerri Green, Alan Ruck, Sally Kellerman, Raymond J. Barry, Bert Remsen, James Avery.

Paul (Charlie Sheen) recebe do seu chefe, o Senador Kitteredge (Raymond J. Barry), a missão de buscar sua filha Robin (Kerri Green) em outra cidade. O que parece ser um serviço simples para agradar o chefe, se torna uma grande dor de cabeça em virtude da rebeldia da jovem, que acaba metendo o sujeito em várias confusões. Os produtores tentaram conseguir novo sucesso utilizando o casal nas telas Charlie Sheen e Kerri Green que havia estrelado o drama romântico “A Inocência do Primeiro Amor” no ano anterior, porém aqui além de um roteiro melhor, faltou o garoto Corey Haim (falecido precocemente em 2010), que era a terceira parte daquele bom filme. Kerri Green que foi revelada em “Os Goonies” teve poucos papéis após este filme e sua carreira praticamente acabou. 

Ele é Minha Garota (He’s My Girl,EUA, 1987) – Nota 3
Direção – Gabrielle Beaumont
Elenco – T. K. Carter, David Hallyday, David Clennon, Jennifer Tilly, Misha Mik, Monica Parker, Bibi Besch.

O jovem Bryan (David Hallyday) vence um concurso musical com o direito de viajar a Los Angeles para uma final nacional, tendo como espécie de empresário seu amigo Reggie (T. K. Carter), porém ele pode levar como acompanhante apenas uma garota. Os dois acabam tendo a brilhante idéia de transformar Reggie em Regina e vestido de mulher ele acompanhará o amigo na viagem, ou melhor, nas confusões causada pelo fato, inclusive com garotas, sendo uma delas a voluptuosa Jennifer Tilly. Outro exemplo de comédia que tenta fazer graça com a mudança de sexo e resulta em poucas risadas.

Comentários

Alan Raspante disse…
Ah que bom, não vi absolutamente nenhum dos citados. Amém!
Rodrigo disse…
Também não vi nenhum. E que bom que nenhum filme do John Hughes tenha aparecido aí (apesar de não se encaixar muito na categoria). Abraços.
Nossa, não conheço nenhum desses filmes!
hehe
Mas é bom saber qual astro deu certo e qual ficou pelo meio do caminho ou só no começo mesmo...
Amanda Aouad disse…
A maioria eu nem ouvi falar, hehehe. Agora, O último americano virgem, não sei se classificaria como bomba, hehehe. Tá certo que eu vi quando era uma criança ainda, mas é um "clássico".

bjs
Hugo disse…
Alan - Sorte a sua.

Rodrigo - Os filmes de John Hughes eram no mínimo divertidos, longe de serem uma bomba.

Marcelo - Nos anos oitenta muitos atores jovens foram lançados e sumiram pelo caminho.

Amanda - Todo mundo assistiu "O Último Americano Virgem".

Abraço