sexta-feira, 4 de maio de 2018

A Arte da Extorsão, A Coletora de Impostos & A Volta da Coletora de Impostos


A Arte da Extorsão (Minbo No Onna, Japão, 1992) - Nota 9
Direção – Juzo Itami
Elenco – Nobuko Miyamoto, Akira Takarada, Yasuo Daichi, Takehiro Murata.

O dono de um hotel em Tóquio que está sendo extorquido pela Yakuza contrata uma advogada (Nobuko Miyamoto) especializada em lutar contra a organização. Ela treina os funcionários e os donos para como agir contra os bandidos

Este ótimo drama policial com toques de comédia foi a forma encontrada pelo diretor Juzo Itami para ridicularizar a Yakuza, semelhante a proposta dos divertidos e posteriores "A Coletora de Impostos” e “A Volta da Coletora de Impostos”, sempre com sua esposa Nobuko Miyamoto no papel principal.

Por causa destes filmes Itami teve vários problemas com a Máfia Japonesa, inclusive uma tentativa de assassinato. Oficialmente ele cometeu suicídio em 1997 após ser acusado de trair a esposa com uma adolescente, porém corre uma lenda que sua morte pode ser tido consequência de um segundo atentado da Yakuza.

A Coletora de Impostos (Marusa no Onna, Japão, 1987) – Nota 8
Direção – Juzo Itami
Elenco – Nobuko Miamoto, Tsutomu Yamazaki.

Ryoko Itakura (Nobuko Miyamoto) é uma funcionária do governo que consegue uma promoção para fiscalizar e cobrar impostos de grandes devedores. Detalhista e obcecada, Ryoko elege como alvo um grande empresário sonegador (Tsutomu Yamazaki). Destemida, ela enfrenta a burocracia governamental, a corrupção e os entraves criados pelo empresário.

A Volta da Coletora de Impostos (Marusa no Onna 2, Japão, 1988) – Nota 7,5
Direção – Juzo Itami
Elenco – Nobuko Miamoto, Masahiko Tsugawa, Tetsuro Tanba.

Nesta sequência, a intrépida fiscal Ryoko (Nobuko Miamoto) investiga um caso de lavagem de dinheiro por parte de uma organização que utiliza uma religião fundamentalista como fachada. Novamente ela precisa enfrentar uma poderosa organização com tentáculos dentro do governo. O foco principal do roteiro escrito pelo diretor é fazer uma crítica as falsas religiões que visam apenas o dinheiro do fiéis.

4 comentários:

Liliane de Paula disse...

Eu não conheço nada ou quase nada do cinema japones.

Hugo disse...

Liliane - O cinema japonês tem bons filmes, inclusive vários filmes antigos de qualidade.

Luli Ap disse...

Fiquei curiosa com a trilogia!
Uma excelente oportunidade de conhecer mais as obras do cinema japonês.
Quero assistir.
Bjs Luli

Hugo disse...

Luli - Eu vi estes filmes faz alguns numa antiga sessão de cinema da TV Cultura que passava obras da Mostra Internacional de SP.

Bjos