sábado, 20 de maio de 2017

Frank & Lola

Frank & Lola (Frank & Lola, EUA, 2016) – Nota 6,5
Direção – Matthew Ross
Elenco – Michael Shannon, Imogen Poots, Michael Nyqvist, Justin Long, Rosanna Arquette, Emmanuelle Devos.

Em Las Vegas, Frank (Michael Shannon) é um chefe de cozinha e Lola (Imogen Poots) é uma jovem designer de moda em busca de emprego. As diferenças são deixadas de lado e eles decidem morar juntos. Uma traição e um trauma do passado desencadeiam uma terrível crise entre o casal. 

Este curioso drama envolvendo sexo, traição e vingança detalha um relacionamento que beira a obsessão. Frank é um sujeito frio de poucas palavras, que tenta racionalizar os sentimentos, enquanto Lola é um turbilhão de emoções. Por mais que ele se amem, a dificuldade em lidar com estes sentimentos e com o passado se tornam os grandes obstáculos para ficarem juntos. 

A personagem Lola remete ao clássico "Lolita", em que uma adolescente atormenta a vida de um sujeito de meia-idade. Aqui, a personagem de Imogen Poots varia do angelical a mulher fatal, sempre deixando o espectador e o parceiro em dúvida sobre seu caráter. 

Como é habitual em seus trabalhos, Michael Shannon se destaca no papel do sujeito que vê seu mundo virar de cabeça para baixo por causa da paixão.

Destaque para as sequências em Paris na segunda metade do longa, tanto pela belíssima fotografia noturna, quanto pelas cenas na boate. 

Mesmo com a premissa sendo interessante, o filme não engrena, em alguns momentos a história parece rodar no mesmo lugar. 

6 comentários:

Rodrigo Mendes disse...

Olá Hugo. Obrigado por enviar o link do filme. Vou assistir.
Tenho em meus favoritos esta playlist de filmes aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=DgG1X-onBfc&list=PLP5yVN2yIWTkkmHk3QuL1OKm4-C2BINQX&index=0

Creio que vai gostar.

Abraço.

Liliane Paula Martins disse...

Já vi que esse Frank e Lola é interessante.
Gosto do rosto de uma das Arquete na maioria dos filmes que vi, mas ela não faz o papel principal .
Não conheço os outros atores principais.

Acabei de assistir OSLO e vim procurar sua resenha para o filme.
Quero vê se entendi de verdade.
A cena em que o personagem tenta o suicidio, colocando pedras nos bolsos e carregando uma enorme pedra, lembra o suicidio real de Virgínia Woolf.

Liliane Paula Martins disse...

Puxa, fazia tempo que vc tinha assistido OSLO. Foi em abril.
Bom reler seu comentário.
A gente vê um tratamento de viciados com chances de recuperação.
Mas o personagem vive numa solidão, numa tristeza e numa falta de coragem para enfrentar o resto de vida que teria pela frente.
Ele parece se dá conta do tempo perdido.
E é intolerante em várias situações.
Oslo limpa, organizada e sem montes de fios elétricos expostos nos postes.
Adorei o filme.

Hugo disse...

Rodrigo - Obrigado por indicar a lista. Vou acessar para ver os filmes.

Liliane - Aparentemente o tratamento no Noruega é mais humano do que aqui, mas com certeza a força de vontade da pessoa é fundamental para superar o vício. O filme mostra um triste retrato desta situação.

Abraço

Marília Tasso disse...

Não gostei muito não, mas valeu pela temática relacionamento nocivo e pelo sempre maravilhoso Shannon, e, claro, a linda Imogen Poots.

Hugo disse...

Marília - Isso mesmo, a história parece não sair do lugar, mas o filme a espiada por causa da dupla principal.