segunda-feira, 28 de maio de 2012

Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Digital

Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Digital (Medianeras, Argentina / Espanha / Alemanha, 2011) – Nota 7,5
Direção – Gustavo Taretto
Elenco – Javier Drolas, Pila Lopez de Ayala, Inés Efron, Adrian Navarro, Rafael Ferro, Carla Peterson.

Em Buenos Aires, dois jovens moram próximos em pequenos apartamentos, vivem solitários e convivem com suas neuroses. Martin (Javier Drolas) trabalha construindo sites e pouco sai do seu apartamento, tendo apenas a companhia de um pequeno cão deixado pela ex-namorada. Mariana (Pilar Lopez de Ayala) é uma arquiteta que nunca construiu nada e vive como montadora de vitrines. 

O roteiro do diretor Gustavo Taretto utiliza os personagens principais para narrar suas histórias e as impressões que tem da cidade de Buenos Aires, vista como um local onde as construções foram feitas para manter as pessoas longe umas das outras, tendo como exemplo as “Medianeras”, que seria o lado do prédios que não tem janelas, a chamada “parede cega”. 

Logo no início, o personagem de Martin cita uma série de doenças psicológicas que afligem as pessoas atualmente, que pelo seu pensamento aumentaram por culpa deste isolamente causado pelas construções. Ele mesmo toma medicamentos para combater a síndrome do pânico, enquanto Mariana tem fobia a elevadores. Estes problemas são mostrados ao longo do filme através de pequenas situações com outros personagens, principalmente as tentativas de sexo casual que terminam em frustração. 

Não chega a ser um grande filme, mas utiliza bem dois personagens que poderiam ser pessoas reais para mostrar como as relações estão cada vez mais distantes e complicadas.

10 comentários:

Celo Silva disse...

Filme bem legal, gostei muito quando assisti. Bem contextualizado com o mundo atual.

J. BRUNO disse...

Gostei muito do tom melancólico dele e das metáforas usadas pelo roteiro!

Clenio disse...

Eu adorei este filme, especialmente porque ele é simples e fala de pessoas comuns - além de homenagear explicitamente "Manhattan", um dos melhores Woody Allen de todos os tempos...

Abraços
Clênio
www.lennysmind.blogspot.com
www.clenio-umfilmepordia.blogspot.com

Gilberto Carlos disse...

Parece ser um filme bem legal, ilustrando bem essa época em que as pessoas não se encontram mais e ficam se correspondendo apenas por mensagens de celular ou de internet.

366filmesdeaz disse...

Olá, colega! Acabei de adicionar o seu link no meu blog... se puder fazer o mesmo com o meu, eu agradeço. Blogueiros, uni-vos!!!
abraço e parabéns pelo blog.
www.366filmesdeaz.blogspot.com.br

Amanda Aouad disse...

Ah, eu achei um grande filme, não uma obra-prima do cinema, mas tem um texto e uma contextualização incríveis. Gostei bastante.

bjs

Hugo disse...

Celo - Extremamente atual e simpático.

J. Bruno - É uma melancolia com toques de esperança.

Clênio - Sem dúvida, "Manhattan" foi uma inspiração do diretor.

Gilberto - É a era das pessoas conectadas.

366 - Valeu pela visita, estou linkando seu blog aqui tb.

Amanda - É um filme simples e atual.

Abraço a todos

Maxwell Soares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maxwell Soares disse...

Oi, Hugo. Compre este filme só que, ainda, não vi. Teu texto está bem claro. Falarei com mais propriedade quando assití-lo. Valeu...

Hugo disse...

Maxwell - Foi uma boa escolha a compra do filme.

Abraço