quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Olhos da Justiça

Olhos da Justiça (Secret in Their Eyes, EUA, 2015) – Nota 6,5
Direção – Billy Ray
Elenco – Chiwetel Ejiofor, Nicole Kidman, Julia Roberts, Dean Norris, Alfred Molina, Joe Cole, Michael Kelly, Zoe Graham.

Ray Kasten (Chiwetel Ejiofor) é um ex-agente do FBI que volta para Los Angeles aparentemente para fazer uma visita à amiga Claire Sloane (Nicole Kidman), que tomará posse como chefe da promotoria, mas na verdade, Ray deseja que ela reabra um caso de assassinato ocorrido treze anos antes. 

Em paralelo, a trama volta para 2002, quando Ray fazia parte de um esquadrão que investigava terrorismo, na mesma época em que ocorre o crime que afeta em cheio a vida de sua parceira Jessica Colb (Julia Roberts). 

É comum Hollywood importar histórias de sucessos de filmes produzidos em outros países para fazer sua própria versão. O problema é que na maioria das vezes a refilmagem fica abaixo do original na qualidade, sem contar a total falta de originalidade. É o caso desta refilmagem da sensacional produção argentina “O Segredo dos Seus Olhos”, vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro. 

Muita coisa da trama original está aqui, inclusive o final impactante, porém quase tudo se perde para quem assistiu ao longa argentino, que além da originalidade, também era rico em detalhes. O roteiro citava ditadura, a importância do futebol e a paixão dos personagens, além de uma sequência em um estádio de futebol que pode ser considerada uma das melhores da história do cinema, que foi copiada aqui de uma forma totalmente vazia. 

Para quem assistir a refilmagem sem ter visto o original, vai até achar o filme interessante, para os demais será um perda de tempo.

3 comentários:

Amanda Aouad disse...

Pois é, mesmo o final impactante perde força com aquela mudança, acho que Hollywood podia parar com essa mania de remakes desnecessários. De qualquer maneira, para quem não viu o Argentino não é um filme ruim.

bjs

Liliane de Paula disse...

Assisti o argentino.
E gostei muito.
Não tenho sensibilidade para fazer essa diferenciação que vc faz, Hugo.
Aprendo com vc, viu?

Hugo disse...

Amanda - Também considero desnecessário recriar filmes de tão boa qualidade. A única explicação é o objetivo de lucrar no mercado americano, que geralmente não dá atenção as produções de outros países.

Liliane - Não me considero especialista, mas sim um curioso sobre cinema. O que aprendi foi assistindo muitos filmes de todos os gêneros. Com o tempo acabamos prestando mais atenção aos detalhes.

Bjos