quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Transcendense

Transcendense: A Revolução (Transcendense, Inglaterra / China / EUA, 2014) – Nota 7
Direção – Wally Pfister
Elenco – Johnny Depp, Rebecca Hall, Paul Bettany, Cillian Murphy, Kate Mara, Cole Hauser, Morgan Freeman, Clifton Collins Jr, Josh Stewart.

Na sequência inicial, um sujeito (Paul Bettany) vaga de bicicleta por uma grande cidade, narrando em off que a civilização hoje sobrevive sem energia elétrica ou qualquer tecnologia. A história volta cinco anos, quando descobrimos que o narrador é Max Waters, amigo e parceiro de um brilhante casal de cientistas. 

Will (Johnny Depp) e Evelyn Caster (Rebecca Hall) trabalham em um projeto sobre inteligência artificial, tendo desenvolvido um computador denominado PIN, que é uma espécie de embrião para um objetivo maior, de criar um computador vivo, que pense, decida e tenha emoção como um ser humano qualquer. O trabalho do casal é alvo de protesto de um grupo terrorista, que após cometer um atentado, praticamente obriga Will a acelerar seu projeto, resultando em algo inesperado e extremamente perigoso. 

O cinema já explorou por diversas vezes o medo do avanço tecnológico sem limites, que é o ponto principal deste longa. O tema da inteligência artificial é atual, assim como os grupos que protestam contra este tipo de projeto, seja pelo medo desta tecnologia cair em mão erradas, por questões politicas e até mesmo religiosas. 

A trama também coloca em discussão a questão de até que o ponto a tecnologia pode chegar sem se transformar em uma ameaça. Essas discussões quase filosóficas não chegam a ser aprofundar e são deixadas de lado na parte final, quando o longa se transforma num filme de ação. 

O elenco competente recheado de bons atores e a ótima parte técnica superam a trama, que em alguns momentos é irregular, tem furos e um estranho pulo no tempo de dois anos. 

É um filme interessante, mas que fica claro que a premissa poderia ter rendido algo melhor.

2 comentários:

Pedrita disse...

eu gostei desse filme. eu gostei do eixo do filme, mas realmente fica esquisito. comentei aqui http://mataharie007.blogspot.com.br/2015/10/transcendencia.html
beijos, pedrita

Hugo disse...

Pedrita - O desenvolvimento é um pouco falho, mas a premissa é bem interessante.

Bjps