quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

The Square: A Arte da Discórdia

The Square: A Arte da Discórdia (The Square, Suécia / Alemanha /  França / Dinamarca, 2017) – Nota 5,5
Direção – Ruben Ostlund
Elenco – Claes Bang, Elisabeth Moss, Dominic West, Terry Notary.

Christian (Claes Bang) é o curador de um famoso museu em Estocolmo na Suécia. Sua missão atual é promover uma nova obra de arte batizada de “The Square”, que nada mais é do que um quadrado desenhado no chão. 

Ele precisa lidar com os funcionários moderninhos do museu, com uma dupla de publicitários, uma jornalista deslumbrada (Elisabeth Moss), além de organizar um jantar para arrecadar fundos e ainda resolver problemas na sua vida pessoal. 

A proposta do diretor Ruben Ostlund em fazer uma crítica a elite que convive no mundo da arte rendeu um filme extremamente chato, com situações que se mostram mais ingênuas do que críticas, principalmente as cenas aleatórias com moradores de rua. 

A bizarra sequência do ator (Terry Notary) interpretando um macaco no jantar é muito mais marcante por causa do mal gosto do que por representar qualquer tipo de crítica social. 

O filme ganhou muitos admiradores no Brasil e tornou superestimado em virtude da discussão sobre exposições absurdas que aconteceram no país na época. 

É interessante a premissa de mostrar que muito do que as pessoas consideram arte na verdade são apenas embustes de artistas egocêntricos, mas por outro lado, o filme resulta numa obra tão vazia quanto o mundo da arte que o diretor pretendia criticar.

4 comentários:

Liliane de Paula disse...

E Dominic West?
Gosto muito dele.

Hugo disse...

Liliane - Dominic West interpreta um artista plástico.

Luli Ap disse...

Tinha achado a premissa interessante, mas como vc disse que é chato e desmerece até o plot de ser película de crítica de arte embuste então vou passar 😁😁

Hugo disse...

Luli - Eu esperava mais do filme, principalmente dos diálogos.

Bjs