sexta-feira, 27 de abril de 2018

Matador em Conflito, O Anjo Assassino & Um Matador em Apuros



Matador em Conflito (Grosse Pointe Blank, EUA, 1997) – Nota 7,5
Direção – George Armitage
Elenco – John Cusack, Minnie Driver, Alan Arkin, Dan Aykroyd, Joan Cusack, Hank Azaria, K. Todd Freeman, Jeremy Piven, Mitchell Ryan, Barbara Harris, Michael Cudlitz.

Martin Blank (John Cusack) é um ex-agente da CIA que se tornou matador profissional. Para lidar com o stress do trabalho, Martin tem sessões com um psiquiatra (Alan Arkin) que o atende com medo de ser assassinado. Quando recebe a proposta para assassinar um sujeito em sua cidade natal chamada Grosse Pointe em Detroit, Martin aproveita para reencontrar a ex-namorada (Minnie Driver) numa reunião de ex-alunos que se formaram há dez anos. Além do serviço, ele terá ainda de enfrentar outro matador (Dan Aykroyd) que deseja fundar um sindicato de assassinos, além de uma dupla de agentes do FBI.

Esta divertida comédia acerta em cheio na dose do humor negro. Os absurdos do roteiro (assassino em crise, sindicato de matadores e muita violência) são retratados de forma engraçada, muito por causa dos ótimos diálogos e do carisma de John Cusack no papel principal. O título original também faz piada. É um trocadilho que misturando o nome da cidade e do protagonista se transforma em “Point Blank”, ou seja, em “À Queima Roupa”. 

É quase um clássico cult dos anos noventa.

O Anjo Assassino (Miami Blues, EUA, 1990) – Nota 6,5
Direção – George Armitage
Elenco – Fred Ward, Alec Baldwin, Jennifer Jason Leigh, Nora Dunn, Charles Napier, Obba Babatunde, Paul Gleason.

Fred (Alec Baldwin) é um ladrão e assassino que ao sair da prisão segue para Miami com o objetivo de continuar sua vida de crimes. Ele rouba o distintivo de um detetive (Fred Ward) que o persegue e utiliza o objeto para se passar por policial, enquanto procura sua ex-namorada que era prostituta (Jennifer Jason Leigh). 

Com cenas violentas e recheado de humor negro, este longa de baixo orçamento se tornou uma espécie de cult no início dos anos noventa. As interpretações bizarras de Alec Baldwin como o assassino psicopata e de Fred Ward como o policial se casam perfeitamente com as cenas de violência. O personagem de Alec Baldwin chega a perder um dedo e roubar a dentadura do policial de Fred Ward. 

É um filme indicado para quem curte obras que beiram o exagero.

Um Matador em Apuros (You Kill Me, EUA, 2007) – Nota 6,5
Direção – John Dahl
Elenco – Ben Kingsley, Téa Leoni, Luke Wilson, Dennis Farina, Philip Baker Hall, Bill Pullman, Marcus Thomas.

Frank (Ben Kingsley) é um assassino alcoólatra que trabalha para mafiosos poloneses na cidade de Buffalo. Seu problema com a bebida está atrapalhando sua vida profissional, por isso seu chefe (Philip Baker Hall) o obriga a morar em San Francisco, arrumar um emprego e participar de reuniões do AA. Frank começa a trabalhar em uma funerária e logo se envolve com a bela Laurel (Téa Leoni), que aos poucos se torna a motivação dele mudar de vida. Ao mesmo tempo, seu chefe enfrenta uma guerra contra uma gangue de irlandeses. 

Temos aqui um boa premissa que não foi explorada em todo seu potencial. A história do matador em crise rende algumas boas sequências por causa da interpretação de Ben Kingsley, principalmente sua sinceridade nas reuniões do AA. Por outro lado, personagens como o do padrinho no AA vivido por Luke Wilson e do corretor mafioso de Bill Pullman são pouco explorados. 

É um daqueles filmes que você ri um pouco, mas esquece rapidamente.

3 comentários:

Luli Ap disse...

Gostei do plot de Matador em conflito, adoro o John Cusack e faz tempo que não assisto nada com ele.
E depois deve ser bem divertido um assassino em crise hihihi
Bjs Luli
https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

Liliane de Paula disse...

Achei interessantíssimo suas resenhas.
Interessante vê assassinos em crises existenciais.
Vou anotar e tentar assistir, Hugo.

Ainda não consegui vê A era do radio", um filme belíssimo porque não sei "baixar".

Tentei agora Mr Piracy mas não tem os filmes e quando tem só mostra trailler.

Hugo disse...

Luli - Dos três filmes que comentei, este com John Cusack é o melhor.

Liliane - Esta premissa é bem curiosa.

Bjos