sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Western - Cinco Filmes

Django (Django, Itália / Espanha, 1966) – Nota 7
Direção – Sergio Corbucci
Elenco – Franco Nero, Loredana Nusciak, José Bódalo.

Um dos grandes clássicos do chamado “Western Spaghetti”, este filme tem bom o ator Franco Nero no papel título. Django é uma figura estranha que chega a uma pequena cidade na fronteira dos EUA com o México arrastando um caixão. Logo ele entre em conflito com um grupo que domina o local e humilha os mexicanos. O objetivo de Django é vingar a morte da esposa e no caixão ele carrega uma metralhadora para cumprir a missão. O longa transformou Franco Nero em astro e o levou para Hollywood onde trabalhou em filmes como “Comando 10 de Navarone” e “A Bíblia”.

Viva Sabata! (Arriva Sabata! Espanha / Itália, 1970) – Nota 4
Direção – Túlio Demicheli
Elenco – Anthony Steffen, Peter Lee Lawrence, Eduardo Fajardo.

A dupla Sabata (Anthony Steffen) e Mangosta (Eduardo Fajardo) assaltam um banco e fogem tranquilamente. Quando se reúnem para contar o dinheiro, percebem que foram enganados pelo caixa do banco (Peter Lee Lawrence) e resolvem voltar para acertar as contas. Como o caixa também é desonesto, os três se juntam e armam um plano para roubar um carregamento de dinheiro que será transportado pelo oeste. 

O personagem Sabata apareceu no filme de mesmo título estrelado por Lee Van Cleef em 1969 e aqui foi feita uma continuação com o ítalo-brasileiro Anthony Steffen que na verdade se chamava Antônio Luiz de Tefé Von Hoonholtz e era filho de uma embaixador brasileiro na Itália. Ele estrelou diversos westens italianos e alguns outros filmes até o final da década de setenta. Em 1971, Lee Van Cleef voltaria ao papel em “O Retorno de Sabata”.

No Tempo das Diligências (Stagecoach, EUA, 1986) – Nota 6,5
Direção – Ted Post
Elenco – Willie Nelson, Kris Kristofferson, Johnny Cash, Waylon Jennings, Elizabeth Ashley, John Schneider, Tony Franciosa, Mary Crosby, Anthony Newley.

Esta western produzido para a tv é uma refilmagem do clássico de 1939 dirigido por John Ford. A ação se passa numa diligência que atravessa o oeste americano com várias pessoas bem diferentes entre si. Um médico alcoólatra (Willie Nelson), um pistoleiro (Kris Kristofferson), um delegado (Johnny Cash), um jogador (Waylon Jennings), uma prostituta (Elizabeth Ashley), entre outros passageiros, além do condutor (John Schneider). A curiosidade é que os quatro papéis principais são interpretados por astros da música Country. É um filme interesssante, mas muito inferior ao original.

No Rastro da Violência (The Quick an the Dead, EUA, 1987) – Nota 7
Direção – Robert Day
Elenco – Sam Elliott, Kate Capshaw, Tom Conti, Kenny Morrison, Matt Clark, Patrick Kilpatrick.

Durante a colonização do oeste americano, Duncan (Tom Conti), sua esposa Susanna (Kate Capshaw) e o filho Tom (Kenny Morrison) seguem para a região em busca de uma nova vida, porém além de enfrentar o problemas da natureza, precisam se defender dos bandidos. A ajuda que a família necessita vem de onde menos se espera, de um pistoleiro (Sam Elliott). Este competente faroeste produzido para tv é baseado num obra de Louis L’Amour e lembra os longas do gênero em que Clint Eastwood interpretava um herói sem nome e sem passado. 

Álamo: Treze Dias para a Glória (The Alamo: Thirteen Days of Glory, EUA, 1987) – Nota 6
Direção – Burt Kennedy
Elenco – James Arness, Brian Keith, Alec Baldwin, Raul Julia, David Ogden Stiers, Jim Metzler, Lorne Greene.

Esta produção para a tv mostra a histórica batalha do Álamo, quando o general mexicano Lopez de Sant’Ana (Raul Julia) comandou a investida contra o exército americano, que defendeu o local bravamente por treze dias, atrasando os planos do general de invasão e domínio do Texas. 

O trio principal interpreta heróis daquela batalha, o veterano ator de westerns James Arness (que faleceu este ano) faz Jim Bowie, Brian Keith faz Davy Crocket e um jovem Alec Baldwin faz William Barrett Travis. Apesar da produção bem cuidada e das boas cenas de batalha, o filme é lento e cansativo com mais de duas horas na versão original (existe outra versão ainda mais longa).

4 comentários:

Paulo Néry disse...

Grandes Faroestes!!! Django em breve terá um remake dirigido por Tarantino e Franco Nero fará uma participação.

Abraços Hugo.

Rodrigo Mendes disse...

Como é bom um faroeste!!!
Boa Hugo!
Abs.
Rodrigo

Ansioso e curioso para saber o que Tarantino esta aprontando...

Hugo disse...

Paulo - A expectativa é grande em relação ao novo trabalho de Tarantino.

Rodrigo - Todos os cinéfilos estão.

Abraço

EDINHA disse...

PARABENS!!!!!!!!!!! ACHEI TD O Q PROCURAVA