quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Abutres


Abutres (Carancho, Argentina / Chile / França / Coréia do Sul, 2010) – Nota 8
Direção – Pablo Trapero
Elenco – Ricardo Darin, Martin Gusman, Carlos Webber, José Luis Arias, Fabio Ronzano.

Sosa (Ricardo Darin) é um advogado que perdeu sua licença e hoje trabalha como “abutre” (o “carancho” do título original). Sua ocupação é monitorar acidentes com automóveis e convencer as vítimas e suas famílias para autorizar que ele e a empresa onde trabalha (chamada de “Fundação”) entrem com um processo contra as seguradoras. O tipo de abordagem seria no mínimo discutível, como percebemos na violenta cena inicial, porém aos poucos o espectador descobre que isto é apenas a ponta de um esquema que inclui advogados, policiais e paramédicos. 

Quando Sosa se apaixona pela jovem paramédica Lujan (Martina Gusman) e ao mesmo tempo se envolve num golpe que dá errado, percebe que chegou ao seu limite, mas sabe que tomar a atitude correto poderá causar conseqüências trágicas. 

O diretor Pablo Trapero já abordou a corrupção policial no bom “O Outro Lado da Lei” e aqui segue uma linha semelhante, mostrando como funciona na Argentina o chamado “golpe do seguro”, com diversas pessoas envolvidas que além de ganhar das seguradoras, ainda enganam as pobres vítimas. 

O roteiro utiliza dois personagens no limite, o Sosa de Ricardo Darin é um sujeito que tenta acreditar estar ajudando as vítimas, mas seu semblante deixa claro como ele está cansado da situação em que se envolveu. A paramédica Lujan da bonita Martina Gusman é uma jovem que tenta se firmar na profissão, mas acaba vencida pela pressão do trabalho e a dupla jornada (na ambulância e no hospital) a que é submetida, sendo obrigada a usar drogas para se manter acordada. 

É mais um exemplo de como o cinema argentino cresceu na última década e a cada ano produz novos filmes que merecem elogios, com um detalhe, o nome de Ricardo Darin está presente na maioria dos trabalhos desta safra.

7 comentários:

renatocinema disse...

Belo filme.

Mas, aprecio tanto o cinema argentino e Ricardo Darin que sou suspeito para elogiar essas produções.

Celo Silva disse...

Filme maravilhoso! Aquela cena final é muito foda! Gostei bastante desse, um dos melhores q vi esse ano, um filme sem herois, apenas de pessoas reais, cheias de conflitos.

Amanda Aouad disse...

O filme é muito bom mesmo. E o final é muito forte, ficou em minha memória.

Além disso, Abutres vai ser sempre lembrado por mim por ter sido o primeiro e único (já que fala fechou) filme que assisti no Cine Belas Artes.

bjs

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Muito bom. O Darin é incrível.

O Falcão Maltês

Hugo disse...

Renato - Eu também sou grande fã dos filmes argentinos e Ricardo Darin sem dúvida é o grande nome desta safra de filmes.

Celo - A cena final é chocante e muito bem filmada.

Amanda - Então você veio passear nesta loucura de SP?
O Bela Artes era um cinema extremamente simpático, seu fechamento é uma perda inestimável.

Antonio - Sem dúvida, um ótimo trabalho.

Abraço a todos

Equipe Cinema Detalhado disse...

Esta naquela grande lista de sempre dos filmes para assitir, pelos comentários e sua crítica animei mais ainda. O Darín é foda, sempre faz bons filmes, muito constante.

Hugo disse...

Cinema Detalhado - Apenas a presença de Ricardo Darin já vale a sessão.

Abraço