terça-feira, 8 de maio de 2018

A Espinha do Diabo

A Espinha do Diabo (El Espinazo Del Diablo, Espanha / México / França / Argentina, 2001) – Nota 7
Direção – Guillermo Del Toro
Elenco – Federico Luppi, Eduardo Noriega, Marisa Paredes, Fernando Tielve, Irene Visedo.

Guerra Civil Espanhola, 1939. No interior do país, Dr. Casares (Federico Luppi) e sua esposa Carmen (Marisa Paredes) comandam um orfanato. 

O menino Carlos (Fernando Tielve) é enviado para o local após perder os país. Além da dor pela perda, Carlos se assusta ao encontrar o fantasma de um garoto que vaga pelo orfanato. 

Para deixar a situação ainda mais assustadora, Carlos e outros garotos sofrem com as atitudes de um cruel funcionário (Eduardo Noriega), que acredita que o casal tenha barras de ouro escondidas em algum lugar do orfanato. 

O longa apresenta elementos comuns aos filmes de Del Toro. Uma história que mistura drama, fantasia e violência, com um protagonista que precisa vencer sua fragilidade ao enfrentar um vilão detestável. 

A questão da Guerra Civil Espanhola é apenas um pano de fundo no roteiro. 

O filme funciona razoavelmente, mas com uma qualidade abaixo dos trabalhos posteriores do diretor.  

6 comentários:

Pedrita disse...

eu sou suspeita pra falar pq amo esse diretor. como esse ele fala da infância abandonada, de violência. http://mataharie007.blogspot.com.br/2008/08/espinha-do-diabo.html

Liliane de Paula disse...

Esse Diretor gosta de coisas fantasiosas.
Não é surpresa, então criar um fantasma.
Mas o seu enredo me deu vontade de assistir.
Quem sabe encontro.

O meu técnico deve vir amanhã e deve resolver o problema do Torrent

José Gomes disse...

Del Toro surpreende já há mais de 10 anos. Esse foi um dos primeiros filmes que assisti dele, após claro, o brilhante "O Labirinto do Fauno".

Hugo disse...

Pedrita - Reconheço as qualidades do diretor, mas nem todos os seus filmes são tão bons assim.

Liliane - Os filmes de Del Toro sempre misturam fantasia e violência.

José - Considero "O Labirinto do Fauno" superior a este filme.

Abraço

Luli Ap disse...

Meu avô é de uma cidadezinha na Espanha chamada Granada ele sempre contava histórias assombradas de conventos e monastérios da época da guerra.
Dizia que os soldados encontravam túneis subterrâneos e corpos insepultos
Gosto do Guillermo Del Toro, a forma como insere fantasia em suas películas
Apesar de vc não ter amado, fiquei curiosa e vai para a lista dos desejados
Bjs Luli
https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

Hugo disse...

Luli - Na minha opinião, Del Toro explora este tema de forma muito melhor em "O Labirinto do Fauno". São bem interessantes estas histórias que passam de boca a boca.

Bjos