sexta-feira, 18 de maio de 2018

O Motorista de Táxi

O Motorista de Táxi (Taeksi Woonjusa, Coreia do Sul, 2017) – Nota 8,5
Direção – Hun Jang
Elenco – Kang Ho Song, Thomas Kretschmann, Hae Jin Yoo, Jun Yeol Ryu.

Maio de 1980. Em Seul na Coreia do Sul, o taxista viúvo Kim (Kang Ho Song) luta para ganhar a vida e cuidar da filha de onze anos. 

No Japão, o jornalista alemão Peter (Thomas Kretschmann) decide viajar para Coreia quando surgem notícias não oficiais de que está ocorrendo uma revolta popular na cidade de Gwangju. 

Ao chegar em Seul, o acaso faz com que Peter contrate o táxi de Kim para ir até Gwangju. O taxista não acredita que possa estar ocorrendo violência naquela cidade. Chegando em Gwangju, Peter e Kim encontram o local isolado e uma terrível batalha nas ruas entre estudantes e o exército. 

O cartaz com o sorridente protagonista na porta do táxi passa a impressão de que o longa é uma comédia bobinha, quando na verdade a história é um forte drama baseado em uma triste história real. 

Hoje conhecido como "O Massacre de Gwangju", na época a ditadura que governava a Coreia do Sul fez de tudo para impedir que fosse noticiada a verdade. Os jornais do país citavam que o governo enfrentava uma ameaça comunista, quando na realidade eram pessoas que protestavam contra o toque de recolher imposto pelas autoridades. 

A inusitada relação que surge entre o simplório taxista e o jornalista é uma consequência da violência que eles se tornam testemunhas. As cenas de batalha entre jovens e soldados são extremamente realistas e filmadas de forma emocionante. 

É também ótima e emocionante a atuação de Kan Ho Song, que pode ser considerado o melhor ator sul-coreano do momento ao lado de Byung Hun Lee. 

Vale citar ainda o emocionado depoimento do verdadeiro jornalista alemão nos créditos finais.  

O filme é uma verdadeira pérola que poucos cinéfilos descobriram. 

2 comentários:

Luli Ap disse...

Olá Hugo
Puxa olhando o pôster eu jurava que fosse uma comédia!
Nunca imaginaria esse drama.
Na verdade fatos reais de uma página trágica da História.
Deve ser emocionante acompanhar a trajetória do taxista e do jornalista nesse momento, assim como as batalhas travadas entre jovens e soldados.
Triste como a ditadura é impermeável
aos sentimentos da população e como atinge em todas as escalas sendo responsável por tanta tragédia.
Já anotei a indicação.
Vou ver se encontro para assistir.
Bjs Luli
https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

Hugo disse...

Luli - Foi uma agradável surpresa. O filme é um ótimo drama.

Bjos