quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Mad Max: Estrada da Fúria

Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road, Austrália / EUA, 2015) – Nota 8,5
Direção – George Miller
Elenco – Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult, Hugh Keays Byrne, Josh Helman, Nathan Jones, Zoe Kravitz, Rosie Huntington Whiteley.

Primitivo, violento e alucinante. Após trinta e seis anos de carreira e há trinta sem fazer um filme de ação, o diretor australiano George Miller comanda aqui sua obra prima. Miller unificou as tramas da trilogia original e escreveu um novo roteiro priorizando as cenas de ação. O longa é basicamente uma violenta perseguição de duas horas pelo deserto australiano, recheadas de cenas sensacionais. 

Diferente do original em que vemos Mad Max Rockatansky (Tom Hardy) ainda como policial, aqui a história mostra o protagonista já vivendo em um mundo apocalíptico e sofrendo com alucinações por não ter conseguido salvar a família. Logo no início, Max é capturado por um grupo de selvagens carecas e totalmente pálidos, que o levam para um local conhecido como “Cidadela”. Max é utilizado como uma “bolsa de sangue” por um dos selvagens que está doente, Nux (Nicholas Holt). 

Quando Furiosa (Charlize Theron) foge em um carro tanque levando as cinco esposas de Immortan Joe (Hugh Keays Byrne), o líder da Cidadela, um grupo de selvagens é enviado para resgatar as mulheres. No grupo está Nux, que amarra Max na frente de seu carro como se fosse um troféu. Este é o início da alucinante perseguição. 

Minha impressão é que desta vez o diretor George Miller conseguiu reunir orçamento e autonomia para fazer o filme que sempre sonhou. O primeiro “Mad Max” era um filme de baixo orçamento que fez sucesso na raça. O segundo teve um maior investimento e resultou em um ótimo longa, porém longe dos recursos desta nova versão. O terceiro filme da série foi o mais fraco, com a mão pesada de um grande estúdio por trás e uma trama com pouca ação que decepcionou os fãs. 

O merecido sucesso já rende boatos de uma nova sequência.

6 comentários:

Amanda Aouad disse...

É um excelente filme mesmo. Também acho o terceiro da série o mais frágil e aqui, ele consegue retornar com o melhor do primeiro e do segundo em uma linguagem incrível. Vamos ver se mantém o nível nos próximos.

bjs

Hugo disse...

Amanda - É o grande filme da carreira de George Miller. Será um desafio enorme manter no nível em uma sequência.

Bjos

Emerson disse...

Concordo plenamente, o melhor Mad Max já feito!
A cinematografia é excelente.
Em comparação com a trilogia antiga, só acho o Mel Gibson melhor no papel, embora o Tom Hardy tenha se saído muito bem!

Abraço!

Hugo disse...

Emerson - Seria bom se Mel Gibson fosse mais novo para voltar ao papel, mas o tempo passa para todo mundo.

Abraço

Pedrita disse...

eu gostei, ams achei que a crítica brasileira exagerou. beijos, pedrita

Hugo disse...

Pedrita - Eu considero um filme de ação sensacional. O melhor da carreira de George Miller.

Bjos