segunda-feira, 8 de junho de 2015

O Beijo da Morte (1947 & 1995)


O Beijo da Morte (Kiss of Death, EUA, 1947) – Nota 7,5
Direção – Henry Hathaway
Elenco – Victor Mature, Brian Donlevy, Coleen Gray, Richard Widmark, Taylor Holmes, Karl Marlden.

Nick Bianco (Victor Mature) é um ex-presidiário que aceita participar de um assalto com três comparsas, porém termina baleado na perna e preso. Sabendo que Nick tem esposa e duas filhas, o promotor (Brian Donlevy) oferece um acordo. Nick deveria entregar seus parceiros para ganhar a liberdade. Acreditando na honra entre ladrões e que sua família seria sustentada por seu chefão enquanto estivesse preso, Nick não aceita a proposta, até descobrir que sua esposa e filhas foram abandonadas. 

Mesmo tendo ficado marcado como canastrão, o então astro Victor Mature (“Sansão & Dalila” e “O Manto Sagrado”) se mostra um oponente a altura do assassino interpretado por Richard Widmark. Por sinal, a sinistra risadinha do personagem Widmark é assustadora. 

Vale destacar a sempre segura direção de Henry Hathaway, que em mais de quarenta anos de carreira, deixou uma sólida e extensa filmografia, com clássicos como “Os Filhos de Katie Elder” e “Bravura Indômita”.

A interessante trama mistura drama, policial e suspense, resultando num competente filme noir. 

O Beijo da Morte (Kiss of Death, EUA, 1995) – Nota 6
Direção – Barbet Schroeder
Elenco – David Caruso, Samuel L. Jackson, Nicolas Cage, Helen Hunt, Kathryn Erbe, Michael Rapaport, Stanley Tucci, Ving Rhames, Philip Baker Hall, Anthony Heald.

O ex-presidiário Jimmy Kilmartin (David Caruso) deseja mudar de vida, porém é obrigado a participar de um “trabalho” como motorista para o mafioso Little Junior Brown (Nicolas Cage). O serviço dá errado e Jimmy acaba detido pela polícia. Para não voltar a prisão, Jimmy aceita se tornar informante, mesmo sabendo que sua vida e de sua esposa (Helen Hunt) passarão a correr perigo caso seu disfarce seja descoberto. 

Na época do lançamento, o filme foi massacrado pela crítica, mesmo não sendo tão ruim quanto possa parecer. A crítica comparou com o longa original de 1947 que tinha uma trama diferente e era bem superior, além de detonar as atuações ruins de um exagerado Nicolas Cage e de David Caruso, que no mesmo ano estrelou a bomba “Jade” e que havia sido muito criticado por ter abandonado a série “Nova York Contra o Crime” (NYPD Blue), que era o grande sucesso do momento. 

Assistindo hoje, o destaque fica por conta do elenco recheado de atores conhecidos em papéis coadjuvantes, como Samuel L. Jackson, Stanley Tucci e Ving Rhames. 

2 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Gostei bastante do noir clássico, a direção direta e sem maiores ornamentos de Hathaway combina com o tom durão da trama.

Cumps.

Hugo disse...

Gustavo - O estilo de Hathaway sempre foi de filmes com personagens durões.

Abraço