domingo, 14 de junho de 2015

Boca do Lixo: A Bollywood Brasileira

Boca do Lixo: A Bollywood Brasileira (Brasil, 2011) – Nota 8
Direção – Daniel Camargo
Documentário

Nos anos cinquenta, duas produtoras foram criadas em São Paulo com a expectativa de tornarem a cidade um polo cinematográfico. O sonho da Vera Cruz e da Maristela acabou antes do final da década. 

No início dos anos sessenta, o cinema brasileiro vivia dos filmes do chamado Cinema Novo no Rio de Janeiro e das produções de Oswaldo Massaini em São Paulo. Quando “O Pagador de Promessas”, produzido por Massaini, venceu a Palma de Ouro em Cannes, ele tinha seu escritório no centro de SP, local que ficou conhecido como Boca do Lixo e que hoje faz parte da sinistra Cracolândia. A proximidade do local com os trens da estação da Luz facilitava a distribuição de seus filmes para o interior de SP. Outros produtores também montaram seus escritórios na região, entre as ruas dos Gusmões e do Triunfo. 

Este belo documentário conta a história do nascimento, crescimento e decadência do cinema produzido na Boca do Lixo, que foi apelidado pejorativamente de pornochanchada por alguns críticos, quando na realidade os filmes feitos no local mantiveram o cinema brasileiro vivo durante quase duas décadas, sem contar que dali saíram obras de todos os gêneros: drama, suspense, policial, erótico e até o terror do grande José Mojica Marins, o Zé do Caixão. 

Com depoimentos de diversas pessoas que viveram esta aventura, o doc detalha em episódios as histórias dos produtores, dos diretores, dos filmes e das estrelas, principalmente as atrizes que se tornaram musas do gênero, como Aldine Muller, Helena Ramos, Nicole Puzzi, Neide Ribeiro e Débora Muniz, entre várias outras. 

Entre os depoimentos masculinos, vale destacar o ator, produtor e diretor David Cardoso, que comandou diversos filmes de sucesso, os diretores Guilherme de Almeida Prado, Alfredo Sternheim, José Miziara e os recentemente falecidos Carlos Reichenbach e Adriano Stuart. 

A parte final mostra a decadência do gênero durante os anos oitenta, quando os filmes pornôs americanos chegaram ao Brasil e as produções da Boca do Lixo foram obrigadas a abraçar o sexo explícito, mudando completamente o foco. 

Apesar do preconceito que muitos críticos ainda demonstram em relação aos filmes que foram produzidos na Boca do Lixo, esta experiência foi a mais próxima que o país teve em algo parecido com uma indústria de cinema. 

É um doc obrigatório para os cinéfilos.

5 comentários:

Bússola do Terror disse...

Os filmes da Boca dos anos 80 (que, como você disse, acabaram partindo pra pornografia) são tecnicamente aquilo que as pessoas chamam de ´´cult``: ninguém deu valor na época em que foram feitos, mas anos depois ganharam uma certa legião de fãs.
Mas antes disso, nos anos 70, já se ouvia aquele comentário: ´´Ih... É filme brasileiro?! Vou ver outra coisa.``
Acho que só dos anos 90 pra cá é que os filmes brasileiros voltaram a ser vistos pelo público com uma certa consideração.

Hugo disse...

Léo - Nos anos setenta, muitos filmes produzidos na Boca foram grandes sucessos de bilheteria, ao mesmo tempo em que muitos críticos tratavam com porcaria.

Eram filmes que faziam sucesso com o povão.

Nos anos oitenta, com a chegada da pornografia, a situação desandou de vez e o "cinema de verdade" foi deixado de lado.

Abraço

CINE31 disse...

Já tenho lido vários artigos sobre esta era do cinema desse lado do Atlântico, mas desconhecia este documentário. Fiquei curioso para ver :)

Hugo disse...

Cine31 - Este doc foi produzido para a tv a cabo, por um canal chamado CANAL BRASIL. O doc está disponível no Youtube e apresenta muitas informações sobre o cinema brasileiro dos anos setenta e oitenta.

Abraço

CINE31 disse...

Hugo, obrigado pela dica, vou estar atento!