terça-feira, 16 de junho de 2015

A Condenação

A Condenação (Conviction, EUA, 2010) – Nota 7,5
Direção – Tony Goldwyn
Elenco – Hilary Swank, Sam Rockwell, Minnie Driver, Melissa Leo, Peter Gallagher, Loren Dean, Juliette Lewis, Ari Graynor, Karen Young, Clea DuVall, Talia Balsam.

Em 1980, na zona rural de uma cidade de Massachusetts, uma mulher é brutalmente assassinada com diversas facadas e uma pancada na cabeça. Uma policial local (Melissa Leo) desconfia de Kenny Waters (Sam Rockwell), um jovem com fama de beberrão que foi preso algumas vezes por brigas e arruaças, mas nada próximo a um assassinato. Sem provas, Kenny é solto. 

Dois anos depois, Kenny é preso novamente, com a mesma policial comandando a ação. Desta vez, a policial alega ter duas testemunhas. A ex-esposa (Clea DuVall) e a amante de Kenny (Juliette Lewis). Mesmo jurando inocência, Kenny termina condenado a prisão perpétua. Inconformada, sua irmã Betty Anne (Hilary Swank) decide entrar na universidade de Direito para se formar advogada e assim tentar salvar o irmão. 

Baseado em uma inusitada história real, este drama dirigido pelo também ator Tony Goldwyn, tem como pontos principais a forte relação entre os irmãos e a obsessão da jovem interpretada por Hilary Swank em provar a inocência do irmão, mesmo deixando sua pessoal vida em segundo plano por anos. 

O roteiro toca também na questão das falhas do sistema penal americano, que muitas vezes são utilizadas sem escrúpulos por policiais, promotores e advogados. 

Vale destacar o ótimo elenco. Hilary Swank não chega a brilhar como em outros trabalhos, mas se mostra competente como sempre. O grande papel fica para Sam Rockwell, que alterna sequências de fúria, angústia e até de carinho, além de acertar no tom das mudanças que seu personagem sofre pelo passar dos anos na cadeia. 

Entre os coadjuvantes, os destaques ficam para a sempre sombria Melissa Leo e para uma bagaceira Juliette Lewis. 

O resultado é um bom drama sobre sofrimento, injustiça e persistência.

2 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Acho que Rockwell é o destaque e a alma desse filme bastante convencional.

Cumps.

Hugo disse...

Gustavo - É um filme convencional, mas mesmo assim gostei da trama.

Abraço