sexta-feira, 26 de junho de 2015

Atirar Num Elefante & Hamas: Por Trás da Máscara


Atirar num Elefante (To Shoot an Elephant, Espanha, 2009) – Nota 6,5
Direção – Alberto Arce & Mohammad Rujailah
Documentário

Este triste documentário mostra o sofrimento dos palestinos que vivem na Faixa de Gaza durante os bombardeios do exército israelense entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, que vitimou quase mil e quinhentos civis, destruindo casas, edifícios e até mesmo um hospital e um depósito onde estavam guardados roupas e mantimentos enviados por outros países como doação ao povo palestino. 

Além dos ataques sofridos pelos palestinos, o foco do doc é o dia a dia dos médicos que trabalham nas ambulâncias para atender as pessoas feridas que foram atingidas pelos israelenses. Estes médicos, vários deles voluntários, se tornam alvos de atiradores que não querem deixá-los resgatar os feridos e os mortos. 

A guerra entre israelenses e palestinos chegou a um ponto que parece sem solução, dos dois lados existem inocentes e culpados. Com um grande arsenal bélico, Israel não pensa duas vezes em atacar os palestinos, que por seu lado revidam com ataques suicidas e mísseis de baixo alcance. As cenas são chocantes, algumas revoltantes, com a sequência das crianças mortas. 

Analisado o doc como cinema, o resultado é no máximo mediano. Não existe uma narrativa coerente ou algo parecido, a montagem foi feita com episódios que os diretores consideraram mais fortes, entrecortados por depoimentos esparsos. 

Vale como denúncia de uma guerra suja que o restante do mundo parece não ter grande interesse em ajudar na resolução. 

Hamas: Por Trás da Máscara (Hamas: Behind The Mask, Canadá, 2005) – Nota 6,5
Direção – Shelley Saywell
Documentário

A documentarista canadense Shelley Saywell procura mostrar como funciona o pensamento, os ideais e a ação do grupo Hamas, o braço armado dos palestinos que enfrenta o poderio bélico de Israrel.

O doc apresenta depoimentos de palestinos e israelenses, explicitando as várias posições em relação ao conflito. A maioria dos civis palestinos desejam apenas viver em paz, porém isto é impossível por causa da posição do governo israelense, que os trata como inimigos. Por outro lado, o Hamas se torna uma espécie de exército que vê na luta armada o único caminho para libertação dos palestinos. 

Aqui vemos como os líderes do Hamas recrutam jovens, adolescentes e até crianças como soldados, incitando o sentimento de ódio em relação a Israel. Pelo lado de Israrel, pessoas comuns acham correto quando o governo ataca com mísseis os assentamentos palestinos como retaliação aos ataques do Hamas, mesmo resultando na morte de civis. 

O doc deixa claro que a paz é algo quase impossível no caldeirão de ódio que se tornou aquela região.   

2 comentários:

Kleiton Gonçalves disse...

Pela descrição, notei que os documentários são meio tendenciosos.
Há mais de cem anos, praticamente não havia palestinos ali, na região. Aliás, ninguém nem sabe direito o que quer dizer ser palestino hoje em dia.
Guerra Assimétrica é mesmo estranha, pois o Hamas e outros grupos islâmicos podem prender, degolar, esfolar, estuprar, filmar tudo e divulgar na internet e NUNCA são cobrados por sua ação sanguinária. Já de Israel, por seu apego a regras internacionais, de TUDO se espera.
O neo-antisemitismo anda em alta. Documentários assim mostram isso.
Faço este comentário, aliás, não em defesa de Israel, pois a guerra entre eles e palestinos não me interessam. Mas pesquisei bastante o assunto, tentando compreender o que era Fatah, Hamas, Israel, de onde surgiu a ideia de uma autoridade palestina, quem foi Yasser Arafat etc.
Deixei de ver Israel como vilão.
A sugestão é boa, contudo. Quando puder, verei os documentários.
Abraços!!

Hugo disse...

Kleiton - Eu também entendo que os dois lados tem culpa nesta guerra e infelizmente as vítimas são os civis, como ocorre em toda a guerra.

O doc "Atirar Num Elefante" tem o foco no lado palestino realmente, mas a proposta é mostrar o sofrimento da população comum. Em momento algum o doc faz apologia ao Hamas ou a violência, o que vemos são civis sendo atacados como efeito colateral da guerra.

Já o doc "Hamas" é diferente. Ele foi feito para tv numa tentativa de mostrar o grupo como uma organização que luta pelo povo, mas sabemos que na realidade é um grupo terrorista que luta pelo poder.

É uma tema extremamente complexo.

Abraço