quarta-feira, 24 de junho de 2015

Grandes Olhos

Grandes Olhos (Big Eyes, EUA / Canadá, 2014) – Nota 7
Direção – Tim Burton
Elenco – Amy Adams, Christoph Waltz, Danny Huston, Krysten Ritter, Jason Schwartzman, Terence Stamp, Jon Polito, Delaney Raye, Madeleine Arthur.
Direção – Tim Burton

Em 1958, a dona de casa Margaret (Amy Adams) abandona o marido e leva a filha pequena (Delaney Raye) para morar em San Francisco. Sem nunca ter trabalhado e com experiência apenas nas pinturas que produzia como hobbie, Margaret consegue emprego em uma fábrica de móveis para decorar berços com pinturas infantis. 

Num domingo, ao expor seus quadros em uma feira em um parque, ela conhece o também pintor Walter Keane (Christoph Waltz), um sujeito extrovertido com boa conversa. Logo, eles se casam e juntos tentam vender seus quadros. Para surpresa de Walter, os quadros de Margaret, que mostram crianças com olhos enormes, é que chamam a atenção do público após um inusitado incidente. Aproveitando da insegurança da esposa, Walter diz ser o autor das obras, transformando os quadros da esposa em sucesso comercial. Por muitos anos a mentira é mantida em sigilo, até se tornar um fardo pesado demais para Margaret. 

Baseado num absurdo fato real, este longa é o trabalho mais convencional da carreira de Tim Burton, mas fica longe de ser um demérito. Diferente de seus outros filmes, em que a parte técnica colorida e chamativa é sensacional, aqui Burton está comedido, o incomum deixa de ser a estética para focar na história maluca. 

Vale destacar a ótima reconstituição de época, principalmente nos carros, no figurino, nos utensílios domésticos e nos penteados da protagonista muito bem interpretada por Amy Adams, que passa toda a angústia de sua personagem, que guarda o segredo durante anos. Christoph Waltz também se destaca como o ganancioso Walter Keane. 

Não o coloco entre os melhores trabalhos de Burton, considero um filme simpático e apenas mediano. Algumas escolhas do roteiro não funcionam, como o personagem de Jason Schwartzman, que fica calado mesmo aparentemente sabendo da mentira e as passagens de tempo que pulam anos sem muita explicação.  

3 comentários:

Amanda Aouad disse...

Diante dos últimos de Burton, ele está até entre os melhores, rs, mas longe dos grandes filmes que ele já nos apresentou, claro.

bjs

Gustavo H. Razera disse...

Acho esse o melhor filme de Burton desde Sweeney Todd, mas concordo que esteja longe de ser um grande marco na carreira dele. E também não gostei muito dos exageros de Waltz...

Cumps.

Hugo disse...

Amanda - Realmente Burton está devendo um grande filme faz algum tempo.

Gustaco - Ainda não conferi "Sweeney Todd".

Abraço