segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Meu Primo Vinny - A Zebra no Oscar

Meu Primo Vinny (My Cousin Vinnie, EUA, 1992) – Nota 7
Direção – Jonathan Lynn
Elenco – Joe Pesci, Ralph Macchio, Marisa Tomei, Mitchell Whitfield, Lane Smith, Fred Gwynne, Bruce McGill, Maury Chaykin, James Rebhorn.

Ontem tentei assistir ao Oscar e novamente não tive paciência para ver até o final. As sátiras criadas especificamente para a cerimônia e as piadinhas estilo sitcom me cansam, além dos intermináveis intervalos comerciais. Há muitos anos que o Oscar se transformou de uma entrega de prêmios para um programa de tv, que precisa ter audiência para agradar aos anunciantes. Outra situação totalmente sem graça para o meu gosto é o chamado “Tapete Vermelho”, que é recheado de entrevistas fúteis, com sorrisos falsos e comentários de “especialistas” sobre as roupas das estrelas. 

Depois de falar mal do Oscar (rs) e para fugir do senso comum, nesta postagem comento sobre uma das maiores zebras da entrega do prémio, a vitória de Marisa Tomei como Atriz Coadjuvante por “Meu Primo Vinny”. Se na época existia aposta em dinheiro sobre o prêmio, alguém deve ter ficado rico com este resultado. Nada indicava que Marisa Tomei poderia vencer, já que ela disputava com quatro famosas atrizes: A australiana Judy Davis e as britânicas Vanessa Redgrave, Joan Plowright e Miranda Richardson. 

O filme era um comédia competente, porém simples, sobre dois amigos (Ralph Macchio e Mitchell Whitfield) que acabam presos por engano no Alabama e resolvem chamar um primo falastrão (Joe Pesci), que é formado em direito, mas nunca trabalhou como advogado. Marisa Tomei interpretava a namorada de Joe Pesci, uma jovem exagerada que fazia o tipo burra e gostosa. 

O ponto principal do filme era Joe Pesci, que interpretava um malandro que usava a lábia para tentar salvar os garotos da cadeia, já que o eterno “Karatê Kid” Ralph Macchio estava em declínio na carreira, o que se confirmou rapidamente. 

Para completar, até este filme, Marisa Tomei tinha feito apenas pequenas participações no cinema e na tv, sendo seu único papel de algum destaque, a filha de Sylvester Stallone na fracassada comédia “Oscar – Minha Filha Quer Casar”. 

Como curiosidade, existe uma lenda sobre esta premiação, onde alguns acreditam que o grande Jack Palance quando anunciou a vencedora do prêmio, apenas repetiu o nome da última candidata, dando a vitória para Marisa Tomei por engano.    

5 comentários:

Amanda Aouad disse...

hehe, boa lembrança. Marisa Tomei foi mesmo uma surpresa imensa. Também acho o Tapete Vermelho um saco, assim como os comerciais. Agora, gosto do Oscar e adorei ver O Artista ser consagrado ontem, assim como Meryl levar a terceira estatueta.

bjs

! Marcelo Cândido ! disse...

Mais do mesmo esse Oscar !

Hugo disse...

Amanda - Acredito que a premiação deveria ser mais ágil, com menor tempo.

Marcelo - O programa basicamente se repete.

Abraço

Edson Cacimiro disse...

Até hoje ela é lembrada por esse filme, ou seja, foi a zebra da carreira dela pois depois ela não conseguiu fazer nenhum outro trabalho que abafasse esse.

Hugo disse...

Edson - Marisa Tomei já provou ser boa atriz, além de bonita é claro, mas ganhar um Oscar foi exagero.

Abraço