domingo, 22 de janeiro de 2012

Amor e Outras Drogas

Amor e Outras Drogas (Love and Other Drugs, EUA, 2010) – Nota 7,5
Direção – Edward Zwick
Elenco – Jake Gyllenhaal, Anne Hathaway, Oliver Platt, Hank Azaria, Josh Gad, Gabriel Macht, Judy Greer, George Segal, Jill Clayburgh, Kate Jennings Grant, Katheryn Winnick, Peter Friedman.

Em 1996, Jamie Randall (Jake Gyllenhaal) é a ovelha negra da família. Largou a faculdade de medicina e não para em emprego algum. Sua vida muda quando seu irmão Josh (Josh Gad) consegue para ele um emprego de vendedor de medicamentos. Jamie começa a trabalhar em parceria com o veterano Bruce (Oliver Platt) e rapidamente mostra ser um vendedor nato. 

Numa de suas visitas a um renomado médico (Hank Azaria), Jamie conhece Maggie (Anne Hathaway) uma jovem que sofre do Mal de Parkinson e logo os dois se sentem atraídos. A relação que começa de forma casual, se torna séria e também complicada em virtude da doença de Maggie. 

Apesar do diretor Edward Zwick não ser do tipo que gosta de arriscar, o filme é competente em virtude do bom roteiro (do diretor em parceira com Charles Randolph) que conta uma história de amor complicada sem apelar para o dramalhão e cria uma sub-trama interessante sobre a indústria dos medicamentos. 

Somos apresentados a um mercado onde é o que menos importa é o ser humano, o que vale para os vendedores é conquistar os médicos com festas, mulheres e bebidas, para que eles receitem o seu medicamento. 

O roteiro foca também na briga da época entre Prozac e Zoloft, medicamentos indicados para distúrbios psicológicos e logo em seguida no Viagra, que se transformou em campeão de vendas, uma verdadeira mina de ouro para o laboratório Pfizer e no filme para o personagem de Gyllenhaal. 

Como curiosidade, Jake Gyllenhaal e Anne Hathaway repetem o papel de casal que fizeram em “O Segredo de Brokeback Mountain”, porém num contexto bem diferente. 

O resultado é um longa que mistura bem drama com pitadas de comédia, principalmente em relação as disputas no mercado de medicamentos, que apesar de sérias, são mostradas de forma irônica e até melancólica em alguns momentos.

8 comentários:

Amanda Aouad disse...

Gostei muito desse filme, do roteiro como você falou, do casal, da ligação com a indústria de remédios. Ele acaba perdendo um pouco quando entra no drama da doença, dela, mas nada que prejudique demais o resultado final.

bjs

Tiago Britto disse...

Esse é muito divertido. O casal principal é muito interessante. E concordo com o comentário da Amanda. Abs!

! Marcelo Cândido ! disse...

Ah é diferente
!

bruno knott disse...

Concordo com você...

Não esperava nada do filme e no fim ele se destaca em vários aspectos. Boa diversão, sem dúvida... além de tocar em assuntos mais delicados e profundos de um jeito interessante.

Vou de 7/10

Hugo disse...

Amanda - A doença não tinha como ser deixada de lado, pelo menos o roteiro não exagera no drama.

Tiago - A química do casal é ótima.

Marcelo - Um bom filme.

Bruno - A crítica sobre a venda de medicamentos é interessante.

Abraço a todos

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Realmente é um bom filme. Gosto muito de Jack.
Hugo, anda sumido. Apareça!
Abração!

O Falcão Maltês

Hugo disse...

Antonio - Logo visitarei seu blog.

Abraço

Gilberto Carlos disse...

Achei Amor e outras drogas bem interessante ao tratar de uma forma bem singela, a relação entre uma doente e seu amado que se torna cuidador.