terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A Hipocrisia da Lei das Sacolinhas de Plástico

Peço desculpas novamente para mudar o assunto do blog e comentar a lei  que entrará em vigor amanhã aqui em São Paulo e que proíbe os estabelecimentos comerciais de fornecer sacolinhas plásticas aos clientes.

A lei que já existe em algumas cidades no Brasil com restrições, aqui em São Paulo não deixará pedra sobre ou pedra, ou melhor, sacola sobre sacola.

A grande mídia está trabalhando a favor da lei como se fosse a salvação do meio ambiente, enquanto os chamados "ambientalistas" e os "ecochatos" estão tendo orgasmos, porém a lei está muito longe de ser a ideal, além de passar a conta para a população, como sempre acontece.

Sem precisar pensar muito, sabemos que todos os custos de um estabelecimento são repassados para o preço das mercadorias. Como os hipermercados não poderão fornecer as sacolinhas, não precisarão comprá-las e por consequência extinguirão está despesa. O correto seria diminuir o preço das produtos, pelo menos da cesta básica, mas isso não acontecerá, pois nada sobre o assunto é citado na lei.

A segunda hipótese, pensando apenas um pouquinho mais, chegaríamos a conclusão que os hipermercados deveriam fornecer algo para substituir as sacolinhas de plástico, como por exemplo sacolinhas biodegradáveis, porém isso também não irá acontecer, pois não existe obrigação alguma citada na lei.

Na verdade o que ocorrerá é que os mesmos hipermercados venderão as sacolinhas biodegradáveis e as sacolas comuns de pano como "defensores do meio ambiente", aumentando ainda mais suas vendas e se livrando de uma despesa. Está claro que a lei teve um apoio incondicional dos grandes grupos que controlam os hipermercados e o pior é que o governo e a prefeitura da capital de SP estão utilizando o fato como propaganda de um governo sustentável ou algo do gênero, se esquecendo das consequências.

Os políticos não levaram em conta que praticamente 100% da população utiliza estas sacolinhas para dispensar o lixo, que por sinal continuará sendo produzido normalmente. Alguém acredita que grande parte da população que recebe baixos salários ou está desempregada comprará sacos de lixo? Lógico que não, a primeira consequência será o aumento do lixo dispensado de qualquer maneira, seja em caixas de papelão ou até mesmo direto nas ruas ou córregos, como já acontece.

Outra consequência é o número enorme de pessoas que tem cães e os levam para se aliviar na rua. Sem as sacolinhas de plástico, qual a proporção de pessoas que comprarão algum tipo de saco para pegar a sujeira dos cães na rua?

Não sou especialista no assunto, mas qualquer leigo sabe que deveriam ser construídas pelo governo usinas de compostagem e reciclagem de lixo, porém não existe vontade política porque provavelmente isso não daria voto. Com o lixo separado adequadamente e várias usinas funcionando, seria o fim dos lixões a céu aberto, além da reutilização de vários materiais, mas nada disso existe. Até mesmo a reciclagem que é tão comentada nos últimos dez anos, praticamente inexiste em São Paulo. Não existe a coleta seletiva e os condomínios que tentam fazer este trabalho, não tem para onde levar o lixo separado, uma vergonha.

Se realmente houvesse vontade política para melhorar o meio ambiente, os governos multariam e até fechariam as indústrias que jogam seu lixo direto nos rios, como o Tietê que é uma verdadeira lástima de tanta sujeira, tomariam alguma atitude contra os milhares de carros novos que saem das fábricas direto para as ruas diariamente aumentando a poluição do ar, não dariam alvará de construção para milhares de condomínios que estão aumentando a densidade populacional exageradamente em alguns bairros e junto piorando o trânsito, aumentando o fluxo de pessoas (prestadores de serviços, comércios) e a produção de lixo.

Finalizando, vejo como um vilão muito pior que as sacolinhas, as famigeradas garrafas pet. Cresci nos anos oitenta quando as bebidas ainda eram vendidas em garrafas de vidro que eram retornáveis, porém os "grandes gênios da administração" resolveram cortar os custos do transporte de retorno das garrafas, além de funcionários e maquinários utilizados para lavagem destas garrafas e transformaram as garrafas pet em solução. Novamente não pensaram no que fazer com estas garrafas após o consumo do conteúdo.

Talvez a próxima lei seja multar as pessoas que jogarem alguma garrafa pet no lixo.

Para quem quiser ler uma mensagem interessante sobre as diferenças do ontem e do hoje sobre consumo, visite o blog abaixo, de onde peguei emprestada a foto da postagem.


10 comentários:

Edson Cacimiro disse...

Gostei, vou compartilhar no meu blog também, abç.

! Marcelo Cândido ! disse...

Hehe
Postei sobre isso agora
!!!

Luís disse...

Cara, eu preciso dizer que eu ADOREI o que você escreveu aqui. Eficiência e crítica num texto conciso que merece ser lido! Vou até divulgar no facebook.

Hugo disse...

Edson - Valeu por compartilhar.

Marcelo - Em seguida visitarei sua postagem.

Luís - Obrigado pelo elogio e agradeço também por divulgar meu texto.

Abraço a todos

Silvia Freitas disse...

Verdade, muita hipocrisia e td continua igual. As pessoas apenas estarão gastando mais e levando as tais sacolinhas pra casa. Tantas coisas para serem feitas......Muito bom o texto. Gde abraço!

Hugo disse...

Silvia - Infelizmente nosso políticos trabalham para as grandes empresas e não para o povo.

Abraço

Anônimo disse...

vc esta inteiramente certo! Parabens pela coragem em escrever a respeito. So incluiriam mais uma coisa: As tais ecobags, que serao reutilizada varias vezes, com o tempo de uso, começarão a contaminar os produtos que serão transportados por elas. Ja as famigeradas sacolinhas plasticas sao utilizadas uma unica vez para transportar os alimentos e exatamente apos serem desdobradas, ou seja, oferece muito menor risco de contaminacao para alimentos. Essa lei é uma baita hipocresia mesmo. Nao estao nem aí para a saúde das pessoas.

Hugo disse...

Anônimo - Obrigado pelo comentário, vc tocou em outro ponto em que os governantes não estão nem aí. Para eles a saúde da população não vale nada.

Abraço

Jefferson Clayton Vendrame disse...

Hugo, concordo plenamente cara, a maior hipocrisia que já vi,eles acham que as sacolinhas vão tornar o mundo melhor... ridículo cara nem tenho palavras aff.... só indignação...

Parabens pelo ótimo texto...

Abração

Hugo disse...

Jefferson - Infelizmente este decisão é muito mais política e econômico do que preocupação com meio ambiente ou algo que o valha.

Alguns supermercados estão voltando a oferecer sacolinhas após um caminhão de reclamações dos clientes.

Abraço