Pular para o conteúdo principal

The Undoing

 


The Undoing (The Undoing, EUA, 2020) – Nota 6,5
Direção – Susanne Bier
Elenco – Nicole Kidman, Hugh Grant, Noah Jupe, Donald Sutherland, Edgar Ramirez, Lily Rabe, Noma Dumezweni, Matilda de Angelis, Ismael Cruz Cordova, Michael Devine, Sofie Grabol.

Em Nova York, Jonathan Fraser (Hugh Grant) é um famoso médico especializado em tratar crianças com câncer. Sua esposa Grace (Nicole Kidman) é uma psicanalista de família rica. Eles tem o filho adolescente Henry (Noah Jupe). 

A aparente vida perfeita da família vira de ponta de cabeça quando uma mulher casada (Matilda de Angelis) é brutalmente assassinada e a polícia descobre que ela e Jonathan eram amantes. Tudo fica ainda pior quando Jonathan desaparece. 

Este minissérie em seis capítulos escrita pelo veterano roteirista David E. Kelley, criador de sucessos como “Chicago Hope” e “Ally McBeal”, tem uma intrigante premissa envolvendo segredos familiares a traições. 

Infelizmente a trama vai perdendo força com o passar dos episódios, muito pela falta de emoção, inclusive nas sequências do tribunal e pelo próprio desenvolvimento da história que parece rodar muito sem sair do lugar. 

Algumas atuações também deixam a desejar. Nicole Kidman tem a mesma expressão de vazio durante toda a série, enquanto outros personagens que a princípio pareciam interessantes, se tornam decorativos, como o detetive vivido por Edgar Ramirez e a amiga da protagonista interpretada por Lily Rabe. O estilo canastrão de Hugh Grant acaba funcionando para seu personagem cheio de contradições, sendo o melhor do elenco. 

O final da minissérie também é fraco, semelhante a um suspense genérico.

Comentários

Pedrita disse…
acho tão lindo esse pôster. e que atores. eu gostei demais. principalmente a parte que fala muito de ética em todas as profissões. a psicóloga esbarra muito na ética. o poder do dinheiro ganhando ações. enfim. ótima série. beijos, pedrita
Hugo disse…
Pedrita - A premissa foi legal, mas em um filme de duas horas ficaria melhor o resultado. E com um final diferente.

Bjs
Liliane de Paula disse…
Gostei da Série e acho que vai ter continuação.
Por que não foi esclarecido o crime.
Sim, Hugo Grant, está com cara de canastrão.
Bjs,
Hugo disse…
Liliane - Ficou um ganho para uma sequência. Se tiver uma nova temporada, não sei se verei.

Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Departamento Q (3 Filmes)

Departamento Q: O Guardião das Causas Perdidas (Kvinden I Buret, Dinamarca / Alemanha / Suécia / Noruega, 2013) – Nota 7,5 Direção – Mikkel Norgaard Elenco – Nikolaj Lie Kaas, Fares Fares, Sonja Richter, Mike Boe Folsgaard, Soren Pilmark, Troels Lyby. Uma ação malsucedida da polícia resulta na morte de um informante e dois detetives baleados. Carl Morck (Nikolaj Lie Kass) sobrevive sem sequelas, enquanto seu parceiro (Troels Lyby) termina tetraplégico. Meses depois, ao retornar para o trabalho, Carl é designado para o Departamento Q que fica em uma sala no porão da delegacia. Seu trabalho será analisar e encerrar casos antigos que não foram solucionados. Para ajudá-lo, é enviado o detetive de origem libanesa Assad (Fares Fares). Os dois renegados cruzam com o caso de uma assessora política (Sonja Richter) que foi dada como morta, mas que jamais foi encontrado o corpo. Eles encontram várias falhas na investigação e reabrem o caso contra a vontade do próprio chefe (Soren Pil

Ela

Ela (Her, EUA, 2013) – Nota 8 Direção – Spike Jonze Elenco – Joaquin Phoenix, Amy Adams, Scarlett Johansson, Olivia Wilde, Matt Letscher, Rooney Mara, Chris Pratt. Num futuro próximo, Theodore (Joaquin Phoenix) trabalha em uma empresa escrevendo cartas para pessoas que não tem tempo ou criatividade para escrever mensagens para seus pares ou amigos. Na verdade, Theodore cria o texto e dita para o computador que escreve por ele.  Solitário após ter se separado da namorada (Rooney Mara), Theodore tem dificuldades em lidar com seus sentimentos e se relacionar com as pessoas. Os poucos que se aproximam dele é um colega de trabalho que admira seu talento de escritor (Chris Pratt) e o casal Amy (Amy Adams) e Charles (Matt Letscher), que tenta lhe arrumar uma nova namorada.  A solidão de Theodore começa a diminuir quando ele adquire um novo programa de computador que promete agir como uma pessoa de verdade. Rapidamente ele cria um laço com a voz feminina do programa que se a

Sem Identidade

Sem Identidade (Sin Nombre, México / EUA, 2009) – Nota 8 Direção – Cary Joji Fukunaga Elenco – Edgar Flores, Paulina Gaitan, Kristyan Ferrer, Tenoch Huerta Mejia, Luis Fernando Peña, Diana Garcia. Numa cidade no Estado de Chiapas no México, o jovem Casper (Edgar Flores) pertence a violenta gangue dos “Maras”, que tem como um dos “passatempos” perseguir e assaltar imigrantes ilegais que passam pela região em direção a fronteira com os EUA.  Em Tegucigalpa, capital de Honduras, Sayra (Paulina Gaitan) é convencida pelo tio e pelo pai que ela não via há anos, para atravessar o país até o México e assim entrar clandestinamente nos EUA. O destino faz com que os caminhos dos dois jovens se cruzem.  Dirigido pelo competente Cary Joji Fukunaga, responsável pela ótima série “True Detective” , este é um dos longas mais realistas sobre a imigração ilegal na América Central. Violência, preconceito, exploração e um mínimo de solidariedade são os ingredientes desta verdadeira saga d