segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Operação França


Operação França (The French Connection, EUA, 1971) – Nota 8,5
Direção – William Friedkin
Elenco – Gene Hackman, Fernando Rey, Roy Scheider, Tony LoBianco, Marcel Bozzuffi, Frederic de Pasquale.

A dupla de policiais Jimmy “Popeye” Doyle (Gene Hackman) e Buddy Russo (Roy Scheider) investiga em Nova Iorque a ligação do bandido Sal Boca (Tony Lo Bianco) com um grande carregamento de drogas que está para chegar ao país. Trabalhando com uma escuta e seguindo o sujeito pela cidade, eles descobrem que Sal está negociando com um desconhecido francês (Fernando Rey), mas precisam ir a fundo para saber quando e como será feita a negociação. 

Este é um dos filmes que mudaram o gênero policial nos anos setenta, filmado em grande parte nas ruas de Nova Iorque, o diretor William Friedkin se baseou numa operação real para criar sequências realistas de perseguição, tanto as feitas a pé pelos policiais, num jogo de gato e rato com os bandidos, quanto pela sensacional sequência que começa com o personagem de Gene Hackman sendo alvo de um atirador (Marcel Bozzuffi) que falha, em seguida Hackman o persegue por dentro de um edifício, seguindo de volta para a rua até uma estação de trem onde o bandido acredita ter escapado. Porém a partir deste momento segue provavelmente a mais realista perseguição da história do cinema, enquanto Hackman toma o carro de um civil e sai como um maluco dirigindo pela cidade, seguindo o trem onde o atirador toma o operador como refém para tentar escapar. 

Um ponto interessante é a caracterização dos personagens, enquanto o policial de Gene Hackman é um sujeito durão, grosso e até racista, o traficante de Fernando Rey é educado e inteligente, quase um intelectual. 

O longa foi merecidamente premiado com cinco prêmios Oscar, entre eles Filme, Direção e Ator para Gene Hackman, tendo gerado um sequência inferior mas ainda assim competente em 1975, com John Frankenheimer na direção e com Gene Hackman e Fernando Rey retornado aos papéis principais. Existe ainda um telefilme de 1986 com personagem Popeye Doyle interpretado por Ed O’Neill. 

10 comentários:

Jenifer Torres disse...

Gene Hackman, um dos maiores gênios do cinema mundial.

Dan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dan disse...

Oi Hugo,

Realmente um grande filme e mereceu os OSCAR que ganhou, William Friedkin é um excelente cineasta, pena que às vezes se perca pela aí.

Abraços.

Elton Telles disse...

Sensacional!
Não se fazem mais filmes de ação como este hoje em dia. Friedkin, que já foi um dos diretores mais badalados em Hollywood, hoje se dedica a projetos independentes e pessoais, tipo Coppola. E é uma pena que o prestígio não continue (para ambos), porque esses seus filmes menores também são excelentes =)


abs!

Rodrigo Mendes disse...

Um clássico. Filmaço mesmo!
A continuação é um apêndice.

Este filme definiu muito bem o cenário apocalíptico e sombrio em Hollywood nos anos 70. Quando os grandes estúdios estavam fechando as suas portas e fazendo filmes independentes de cineastas até marginais. Friedkin tinha este feeling não é? Afinal que fim deu este cineasta brilhante?

Abs.
Rodrigo

Kahlil Affonso disse...

grande filme, mas não sei se merecia o oscar

http://filme-do-dia.blogspot.com/

Rof disse...

impossível assitir uma vez só... GRANDE FILME.

Hugo disse...

Jenifer - Pena que ele se aposentou há alguns anos.

Dan - A carreira de Friedkin é cheia de altos e baixos. Seus primeiros filmes são os melhores.

Elton - Ele e Coppola estão os grandes cineastas que apareceram nos anos setenta.

Rodrigo - Friedkin faz parte de um grupo de diretores como Coppola, Scorsese, Bogdanovich, entre outros que surgiram nos anos setenta e deram nova vida ao cinema de Hollywood.

Kahlil - É um questão pessoal, mas o filme é sensacional como policial de ação.

William - Por sinal eu assisti pela segunda vez há poucos dias.

Abraço a todos

bruno knott disse...

Provavelmente um dos meus filmes preferidos... nunca vi uma perseguição tão boa como aquela...

Hugo disse...

Bruno - A perseguição é sensacional.

Abraço