sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O Contador de Histórias

O Contador de Histórias (Brasil, 2009) – Nota 7
Direção – Luiz Villaça
Elenco – Maria de Medeiros, Paulinho Mendes, Malu Galli, Ju Colombo, Victor Augusto da Silva, Cleiton Santos, Chico Diaz, Denise Fraga, Marco Antonio.

Em 1978, então com apenas seis anos de idade, Roberto Carlos (Marco Antonio) é deixada pela mãe (Ju Colombo) na Febem. A humilde senhora que tinha outros nove filhos, acreditou em uma vergonhosa propaganda do governo que dizia que a Febem era uma escola para as crianças estudarem e aprenderem uma profissão, quando na verdade o local era um depósito de crianças e adolescentes. 

O assustado garoto ao poucos se transforma em rebelde, fugindo dezenas de vezes da Febem e sempre sendo recapturado. Aos treze anos (vivido agora por Paulinho Mendes), Roberto Carlos cruza o caminho da pedagoga francesa Margherit (Maria de Medeiros), que fazia uma pesquisa dentro da Febem e que se interessa pelo situação do garoto. 

Baseado na história real de Roberto Carlos Ramos, que hoje é um dos maiores contadores de histórias do mundo, este longa é daqueles em que a história é mais importante do que a forma como ela é contada. 

O filme tem algumas boas sacadas, como a forma com que o então garoto Roberto imagina as coisas ao seu redor, como a engraçada sequência do assalto ou as cenas em animação, porém este estilo é deixado de lado na segunda parte do filme, que se volta totalmente para o drama. 

Como toda história real transportada para o cinema, o que vemos é uma versão romanceada da realidade, onde algumas escolhas se mostram um pouco forçadas. É difícil acreditar que realmente tenho ocorrido a sequência em que o delinquente Cabelinho de Fogo entra na casa de Margherit, ou ainda, a ingenuidade da pedagoga que também parece fora do normal. Vale destacar que esta ingenuidade não tira os méritos da boa interpretação da portuguesa Maria de Medeiros. 

Outros pontos positivos são as cenas dramáticas que deixam claro o sofrimento pelo qual passou o garoto Roberto e a participação de Malu Galli como a responsável pela Febem, que sabe que tudo está errado naquele local, mas que aceita o sistema e prefere se eximir da responsabilidade e jogar toda culpa nas famílias que abandonam seus filhos. 

Como informação, o longa é narrado pelo próprio Roberto Carlos Ramos, que nos créditos finais aparece contando histórias para crianças.

4 comentários:

Ana Leonilia disse...

Oi, Hugo! :) Eu fiquei conhecendo esse filme meio por acaso, certa vez que foi exibido na TV aberta. Assisti e gostei bastante. Concordo com os pontos colocados. Vale conferir pela mensagem de determinação e autodescoberta. :)

Bjs ;)

Hugo disse...

Ana - A história de vida é o ponto principal.

Bjos

Amanda Aouad disse...

É isso, o melhor do filme é conhecer a vida de Roberto, seu drama, sua virada. Concordo que o filme perde quando se concentra no drama deixando de lado a questão da fantasia. Mas, não deixa de ser um filme interessante.

bjs

Hugo disse...

Amanda - A virada na vida de Roberto é fantástica, contando também com a sorte de encontrar a francesa.

Bjos