quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Edifício Master

Edifício Master (Brasil, 2002) – Nota 7,5
Direção – Eduardo Coutinho
Documentário

O diretor Eduardo Coutinho e sua equipe resolveram filmar a vida de diversos moradores do Edifício Master em Copacabana, que por muito tempo foi ponto de prostituição mas acabou sendo salvo por alguns moradores e se transformou em moradia de pessoas de classe média baixa e são estas pessoas os protagonistas deste documentário. Sendo convidado a visitar diversos apartamentos, o diretor conseguiu extrair dos moradores histórias sinceras sobre suas vidas, seus sonhos e a realidade em que vivem.

Praticamente todos os entrevistados abrem seus corações para câmera e contam histórias alegres, curiosas e tristes, muitas recheadas de saudade e outras de dor. São várias as pessoas a se destacar, como o veterano ator Fernando José que trabalhou em filmes e novelas e conta como ficou surdo de um dos ouvidos após uma falha do sonoplasta em um filme, o polêmico técnico de futebol Paulo Mata, que certa vez abaixou as calças em pleno Maracanã e acabou praticamente banido do futebol, a jovem quase adolescente que se prostitui e acha normal ou o idoso que viveu nos EUA por muitos anos, conheceu Frank Sinatra e resolve cantar emocionadamente “My Way”, entre tantas outras vidas que nos são apresentadas e nos fazem ver com clareza que a história de cada pessoa é praticamente um filme, com um roteiro cheia de alegrias, tristezas e surpresas.

4 comentários:

Amanda disse...

Gosto muito de Eduardo Coutinho, principalmente por sua capacidade de fazer as pessoas se abrirem para câmera. Edifício Master é um bom filme nesse sentido, apesar de ter outros melhores como Boca de Lixo e Peões.

Pedro Henrique disse...

Um dos maiores do nosso cinema. Coutinho é mestre e eu gosto muito de Edifício Master.

Hugo disse...

Amanda e Pedro - Ainda não tive a oportunidade de assistir estes outros documentário de Eduardo Coutinho. A crítica elogia muito também "Cabra Marcado Para Morrer".

Até mais

Cristiano Contreiras disse...

Eu gosto muito deste documentario, sempre revejo - gosto da "tranquilidade" e intimidade que ele demonstra, sempre assisto quando estou em um momento "sozinho", aqui em casa. abs