sexta-feira, 19 de agosto de 2016

No Coração do Mar & Moby Dick


No Coração do Mar (In the Heart of the Sea, EUA / Austrália / Espanha / Inglaterra / Canadá, 2015) – Nota 8
Direção – Ron Howard
Elenco – Chris Hemsworth, Benjamin Walker, Cillian Murphy, Brendan Gleeson, Ben Whishaw, Michelle Fairley, Tom Holland, Paul Anderson, Frank Dillane, Jordi Molla.

Em 1850, o escritor Herman Melville (Ben Whishaw) viaja até a ilha de Nantucket para encontrar Tom Nickerson (Brendan Gleeson), o último sobrevivente da tragédia do navio Essex que ainda está vivo. Melville deseja saber a verdade sobre o ocorrido. Mesmo relutante, Nickerson decide contar a história. 

A partir daí, a trama volta para 1820, quando o navio comandado pelo novato capitão George Pollard (Benjamin Walker) e o experiente primeiro-imediato Owen Chase (Chris Hemsworth) segue para alto mar com o objetivo de caçar baleias para conseguir óleo, que na época era o principal combustível. 

O roteiro explora ao mesmo tempo o livro de Nathaniel Philbrick, que conta a história real do Essex, com o lado ficcional da visita de Herman Melville a Nantucket para saber os detalhes da história. Realmente Herman Melville utilizou o livro de Philbrick como inspiração para escrever o clássico “Moby Dick”, mas o encontro dele com Nickerson aparentemente é ficção. 

Apesar de ter fracassado nas bilheterias, o filme é extremamente competente, com um narrativa que mescla aventura e drama na medida certa, criando uma disputa de egos entre Pollard e Chase, dois sujeitos de classes diferentes, porém igualmente ambiciosos. 

Os efeitos especiais são outro destaque. A sequência do navio em meio a tormenta e as aparições da enorme baleia branca são assustadoras. 

Talvez a explicação para a falta de interesse do público seja a própria história que segue um estilo clássico, lembrando obras antigas sobre marinheiros em luta com os perigos do mar, como a própria adaptação de John Huston para “Moby Dick”. O longa de Huston era muito mais drama e um pouco superior, mas surpreendentemente, este longa de Ron Howard se mostra um belo filme também.

Moby Dick (Moby Dick, EUA, 1956) – Nota 8,5
Direção – John Huston
Elenco – Gregory Peck, Richard Basehart, Leon Genn, Frederich Ledebur, James Robertson Justice, Harry Andrews, Royal Dano, Bernard Miles, Noel Purcell, Orson Welles.

Anos após ter perdido a perna no ataque de uma enorme baleia branca, o capitão Ahab (Gregory Peck) organiza uma nova expedição em busca de vingança. Carregado de ódio e obcecado em encontrar a baleia, Ahab segue para alto mar sem se preocupar se voltará vivo, seu único objetivo é matar o animal. Os problemas naturais do mar e a loucura do capitão que aumenta com o passar do tempo, aos poucos transformam a expedição em um inferno, com os tripulantes se revoltando com a situação. 

O diretor John Huston explora o lado insano da obra de Herman Melville adaptada pelo escritor Ray Bradbury, tanto na obsessão do protagonista, quanto na ganância dos tripulantes, pontos habituais na filmografia do diretor. Vale destacar ainda os efeitos especiais em maquetes que eram comuns na época e que ainda impressionam, mesmo levando em conta quando o filme foi produzido. 

A atuação assustadora de Gregory Peck outro ponto alto, assim como o ótimo Richard Basehart que vive Ishmael, o primeiro em comando após o capitão. Como curiosidade, Orson Welles tem uma pequena participação interpretando um padre no início do longa.

2 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Ainda não vi a versão de Huston (que vai sair em Blu-ray logo mais nos EUA), mas concordo que o filme de Howard é competente, bem feito e tudo mais, mas mesmo assim o achei completamente esquecível. Não me marcou.

Cumps.

Hugo disse...

Gustavo - Os filmes de Ron Howard geralmente são esquecíveis, mas por outro lado são competentes e divertem. Falta um algo a mais para Howard ser um grande diretor.

Abraço