quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

O Homem Sem Sombra

O Homem Sem Sombra (Hollow Man, EUA, 2000) – Nota 7
Direção – Paul Verhoeven
Elenco – Elisabeth Shue, Kevin Bacon, Josh Brolin, Kim Dickens, Joey Slotnick, Greg Grunberg, William Devane, Mary Randle, Rhona Mitra.

Sebastian Caine (Kevin Bacon) é um cientista líder de uma equipe que trabalha num laboratório militar secreto pesquisando a fórmula para fazer com que pessoas possam se tornar invisíveis. O objetivo do governo é utilizar a possível descoberta para criar soldados invisíveis. Após conseguir fazer animais desaparecem, o arrogante Caine decide utiliza ele mesmo como cobaia, o que não bem visto por seus parceiros (Elisabeth Shue e Josh Brolin). A princípio a experiência é bem sucedida, porém os cientistas não sabem como fazer Caine voltar ao normal, que com o passar do tempo como a se ver como invencível e se torna paranóico, acreditando que seus parceiros querem destruí-lo.

Utilizando como inspiração a premissa do clássico “O Homem Invisível” de 1933, o diretor holandês Paul Verhoeven turbinou a trama como efeitos especiais de primeira qualidade na época, focando principalmente nas cenas de ação a partir da metade final, que por sinal deixa um pouco a desejar por forçar a barra com o clichê do vilão que parece indestrutível. 

Depois dos grandes filmes que fez na década de oitenta, chegando ao auge com o polêmico “Instinto Selvagem” em 1992, Verhoeven passava por uma fase irregular após o estrondoso fracasso de “Showgirls” e o relativo sucesso do irregular “Tropas Estelares”. Este mediano “O Homem Sem Sombra” foi o último trabalho do diretor em Hollywood. 

O destaque do elenco é Kevin Bacon em mais um dos vários papéis de vilão que interpretou durante a carreira, enquanto Elisabeth Shue chamava a atenção apenas pela beleza e Josh Brolin estava longe do bom ator que se revelou somente em 2007 com “Onde os Fracos Não Tem Vez”. 

4 comentários:

Ubiracy Júnior disse...

Tentei assistir esse ai de madrugada na globo, tava sem sono quando comecei e acabei durmindo no sofá. A unica coisa que eu lembro do filme é uma parte que o tarado invisivel passa a mão na cientista adormecida xD

~GoodWood

Marcelo keiser disse...

Um bom filme que exibe bem as qualidades de seu realizador em um produto de entretenimento bacana. Assisti na época em DVD e achei impressionante os extras, cujos efeitos visuais (exibidos no making of) que foram adotados para materialização do homem invisível se mostraram formidáveis. Apesar de hoje estarem ultrapassados, na época eram sinônimo de vanguarda. Excelente programa!

abraço

Silvia Freitas disse...

Achei terrível a cena do estupro, chocante mesmo.
Mas é um filme interessante, vale conferir.

Abraço

Hugo disse...

Ubiracy - Esta é uma das maluquices que o personagem de Kevin Bacon faz depois que fica invisível.

Marcelo - Os efeitos especiais chamaram a atenção na época.

Silvia - O diretor Paul Verhoeven era especialista nestas cenas canalhas.

Abraço