segunda-feira, 11 de março de 2019

Papillon

Papillon (Papillon, República Tcheca / Espanha / EUA, 2018) – Nota 7
Direção – Michael Noer
Elenco – Charlie Hunnam, Rami Malek, Roland Moller, Yorick van Wageningen, Michael Socha, Eve Hewson, Joel Basman.

Paris, 1931. O ladrão Henry “Papillon” Charriere (Charlie Hunnam) é preso acusado injustamente de assassinato. Ele é condenado a prisão perpétua e enviado para uma colônia penal em uma ilha na antiga Guiana Francesa. 

No navio que transporta os detentos, Papillon se aproxima do famoso falsificador Louis Dega (Rami Malek), um sujeito rico que acredita que conseguirá reverter sua condenação. Enquanto Papillon cuidará da segurança de Dega, este financiará a fuga desejada pelo novo parceiro. 

Esta cruel história real foi levada às telas em 1973 com Franklin J. Schaffner na direção e os astros Steve McQueen e Dustin Hoffman nos papéis principais, resultando em um clássico. 

A refilmagem que comento é um bom filme, porém sofre na comparação com a força do original. Mesmo inserindo alguns detalhes a mais como o prólogo em Paris e uma sequência final explicando o destino de Papillon, este novo longa pouco tem a acrescentar na história para quem viu o original. 

Para a nova geração que não viu ou não conhece o filme de Schaffner, encontrará aqui uma obra correta sobre crueldade, injustiças e amizade.

3 comentários:

Luli Ap. disse...

Eu estou roendo as unhas de ansiedade para assistir esse filme e fiquei ainda com mais vontade depois da sua resenha.
Bjs Luli
https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

Liliane de Paula disse...

Não vi o filme original.
Li o livro (tenho o livro)e a ideia era que Pappilon (Borboleta, acho) era mesmo bandido.
O espanto foi vê-lo conseguir fugir da prisão que era até então de segurança máxima.
No livro não lembro desse "falsificador".

Vai se interessante vê o Remi Malek sem a cara de Freddie Mercury.
Bjs

Hugo disse...

Luli - É um bom filme, mas o original é melhor.

Liliane - No original o papel do falsificador era de Dustin Hoffman. A segurança máxima existia muito mais por ser uma ilha isolada do que pelo presídio em si.

Bjs