sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Círculo de Fogo

Círculo de Fogo (Enemy at the Gates, Inglaterra / Alemanha / Rússia, 2001) – Nota 7,5
Direção – Jean Jacques Annaud
Elenco – Jude Law, Joseph Fiennes, Rachel Weisz, Ed Harris, Bob Hoskins, Ron Perlman, Eva Mattes, Gabriel Thomson, Matthias Habbich, Sophie Ross, Ivan Shvedoff.

Stalingrado, 1942. A cidade está cercada pelos nazistas e o exército soviético tenta a todo custo impedir a entrada dos inimigos.

Durante uma batalha, o soldado Vassili Zaitsev (Jude Law) demonstra uma incrível habilidade como atirador, chamando a atenção do oficial Danilov (Joseph Fiennes), responsável por um jornal do governo. 

Danilov vê em Vassili a chance de criar um herói e assim motivar suas tropas. As várias mortes creditadas a Vassili chamam a atenção dos nazistas, que enviam seu melhor atirador para tentar matar o inimigo. É o início de um jogo de gato e rato entre o major alemão Konig (Ed Harris) e o atirador soviético. 

Inspirado numa história real, este longa do diretor francês Jean Jacques Annaud (“O Nome da Rosa” e “Sete Anos no Tibet”) tem vários destaques. O embate entre os atiradores em meio aos destroços da cidade é extremamente criativo, com muito suspense e violência. 

A reconstituição dos cenários de guerra é assustadora. A cidade destruída, os soldados se movendo em meio a lama e a ótima sequência de ação inicial dentro dos barcos, culminando com o massacre nas ruas são de uma qualidade absurda. 

O filme peca apenas por alguns deslizes no roteiro, como o envolvimento amoroso entre os personagens de Jude Law e Rachel Weisz e o ciúme de Joseph Fiennes, situação que parece ter sido inserida na trama apenas para criar uma tensão a mais na história. 

Para quem gosta de filmes de guerra, este é uma ótima opção.

3 comentários:

Luli Ap disse...

Olá Hugo
Eu gostei muito do filme.
A reconstrução de época é mesmo notável.
Interessante a construção do heroi e como ele é inspiração e motivação para as tropas.
O jogo de gato e rato entre Vassili e Konig é instigante. De certa maneira mais do que inimigos e adversários eram objeto de respeito um pelo outro.
Acho que a nata do filme se concentrou por aí.
Assim como o romance forçado, não gostei muito do personagem do Danilov, mas sem dúvidas achei impactante o final, não que o redimisse. Fiquei com a impressão que mais do que ciúme ele queria ter tudo o que o Vassili tinha.
O final do garotinho tb foi chocante, fiquei de cara :(
Tadinho do bixim foi usado pelas duas partes, Danilov e Konig.
Ótimo fds pra ti e todos aí
Bjs Luli
https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

Debora disse...

Já assisti várias vezes e concordo com a sua resenha. Não gosto quando colocam histórias de romance totalmente dispensáveis para o enredo. Não acrescentam nada. Mas no restante o filme é muito bom!

Hugo disse...

Luli - O filme tem muitos mais pontos positivos do que negativos.

Debora - É uma boa diversão, mesmo com esta questão do romance.

Abraço