quarta-feira, 1 de agosto de 2018

O Sentido do Fim

O Sentido do Fim (The Sense of an Ending, Inglaterra, 2017) – Nota 7
Direção – Ritesh Batra
Elenco – Jim Broadbent, Charlotte Rampling, Harriet Walker, Michelle Dockery, Matthew Goode, Emily Mortimer, James Wilby, Edward Holcroft, Billy Howle, Freya Mavor, Joe Alwyn.

Tony Webster (Jim Broadbent) é surpreendido ao receber uma correspondência informando que um antigo amigo que acabou de falecer deixou para ele um diário. 

O problema é que a irmã do amigo chamada Veronica (Charlotte Rampling) se nega a entregar o diário. Extremamente curioso em saber o porquê da “herança”, Tony tenta se reaproximar de Veronica, com quem teve um breve relacionamento na juventude. 

A busca pelo objeto faz com que ele relembre fatos importantes da juventude, amizades e até mesmo o relacionamento com sua ex-esposa (Harriet Walker) e com sua filha que está grávida (Michelle Dockery). 

O roteiro que é baseado em um livro, tem como ponto principal a forma como manipulamos nossas lembranças. O protagonista conta sua história de acordo com seu interesse ou da forma que acredita ser verdadeira, ou seja, sua versão dos fatos vai se modificando com o passar do anos. É uma mistura de realidade com memória afetiva. O roteiro aos poucos confronta a versão do protagonista com a verdade do passado através de flashbacks. 

A simpática atuação do veterano Jim Broadbent ajuda bastante. Ele constrói um personagem que em determinado momento precisa aceitar que cometeu erros que mudaram sua vida e a de pessoas ao seu redor. 

É um bom drama apresentado de forma sóbria.

4 comentários:

Luli Ap. disse...

uaaaaau amei essa premissa!
Sabe que já ouvi muito sobre isso de que a memória com o passar dos anos é "manipulada" e se torna uma verdade subjetiva?
Fiquei curiosa para conferir a película.
Ainda mais com personagem carismático, boas interpretações e um roteiro interessante.
Bjs Luli
Café com Leitura na Rede

Hugo disse...

Luli - Isso mesmo, nossas lembranças nem sempre correspondem realmente ao que aconteceu. Por isso que a mesma história pode ter várias versões dependendo do ponto de vista de quem viveu aquilo.

Bjos

Liliane Paula Martins disse...

Fiquei curiosa de saber o que tinha no Diário.
Ele conseguiu receber?
Não sei se a memória é manipulada mas sei que a maneira de lembrar e interpretar se modifica com o tempo.
Achei muito interessante e como é um filme de 2017, talvez encontre para gravar.
Só conheço a Charlotte Rampling.

Hugo disse...

Liliane - Este filme está na programação dos canais por assinatura. Acredito que vc conseguirá encontrar.