quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Destinos Ligados & Coisas Que Você Pode Dizer Só de Olhar Para Ela


Destinos Ligados (Mother and Child, EUA / Espanha, 2009) – Nota 7,5
Direção – Rodrigo Garcia
Elenco – Naomi Watts, Annette Bening, Kerry Washington, Samuel L. Jackson, Jimmy Smits, David Ramsey, Elpidia Carrillo, S. Epatha Merkerson, Britt Robertson, Eileen Ryan, David Morse, Cherry Jones, Amy Brenneman, Michael Blucas, Carla Gallo, Michael Warren, LaTanya Richardson Jackson, Elizabeth Peña, LisaGay Hamilton, Shareeka Epps, Tayana Ali.

Três narrativas paralelas focam em problemas familiares relacionados a maternidade e a criação de filhos. Karen (Annette Bening) é uma solteirona frustrada que vive com a mãe idosa e que a culpa por tê-la obrigada a doar a filha que teve quando tinha apenas catorze anos. 

A menina cresceu longe da mãe e se transformou na advogada Elizabeth (Naomi Watts). Ela também vive sozinha, é independente, diz que não pretende casar e utiliza os homens apenas como objetos sexuais. 

A terceira narrativa foca no casal Lucy (Kerry Washington) e Joseph (David Ramsay). Eles não podem ter filhos e decidem adotar um bebê. A empolgação de Lucy contrasta com o silêncio de Joseph. 

O roteiro escrito pelo diretor colombiano Rodrigo Garcia, filho do escritor Gabriel Garcia Marquez, explora de forma sensível e também sóbria a difícil decisão de ter um filho e as consequências desta escolha. Por mais que o final seja pró-vida e deixe uma mensagem de esperança mostrando as alegrias de ser mãe, por outro lado fica claro em várias sequências os problemas que surgem com esta escolha. 

O resultado é um interessante drama que faz pensar sobre o tema. 

Coisas Que Você Pode Dizer Só de Olhar Para Ela (Things You Can Tell Just by Looking at Her, EUA, 2000) – Nota 6,5
Direção – Rodrigo Garcia
Elenco – Glenn Close, Cameron Diaz, Holly Hunter, Calista Flockhart, Kathy Baker, Amy Brenneman, Valeria Golino, Matt Craven, Gregory Hines, Miguel Sandoval, Danny Woodburn, Roma Maffia, Elpidia Carrillo.

O longa está dividido em cinco pequenas tramas encabeçadas por mulheres. As histórias não chegam a se cruzar totalmente, são ligadas em detalhes apenas. A detetive Kate (Amy Brennenan) chega ao local de um crime e descobre que a vítima era sua amiga de escola. Carol (Cameron Diaz), que é irmã de Kate, é cega e tenta levar uma vida independente. Rebecca (Holly Hunter) fica perdida ao saber que está grávida do amante que é casado (Gregory Hines). Rose (Kathy Baker) se sente atraída pelo novo vizinho que é anão (Danny Woodburn). A médica Elaine (Glenn Close) espera por um telefonema que parece que nunca acontecerá. O elenco tem ainda um casal feminino (Calista Flockhart e Valeria Golino). 

Este longa marcou a estreia de Rodrigo Garcia na direção, que com seu roteiro sobre dramas vividos por mulheres, conseguiu reunir um elenco feminino de primeira qualidade. Todas as histórias focam em mulheres solitárias que tentam seguir a vida. Apesar da sensibilidade das histórias e interpretações, o ritmo lento resulta em um filme introspectivo e um pouco cansativo. A escolha de não entregar um filme fechado também dividiu opiniões. 

É um filme com uma ideia interessante e uma realização apenas mediana.

4 comentários:

Liliane de Paula disse...

Gostei das 2 resenhas.
São histórias possiveis Hugo, o que geralmente me encanta.

Hugo disse...

Liliane - São filmes que vc iria gostar.

Luli Ap disse...

Gostei de ambos, sou fã do gênero histórias entrelaçadas e narrativas paralelas.
Já anotei aqui.
Bjs Luli

Hugo disse...

Luli - Dramas sobre pessoas reais.

Bjs