terça-feira, 19 de junho de 2018

O Incidente

O Incidente (El Incidente, México, 2014) – Nota 7,5
Direção – Isaac Ezban
Elenco – Raul Mendez, Fernando Alvarez Rebeil, Humberto Busto, Hernan Mendoza, Nailea Norvind, Gabriel Santoyo, Paulina Montemayor.

Um policial (Raul Mendez) persegue dois irmãos (Fernando Alvarez Rebeil e Humberto Busto) dentro de um edifício até perceberem que estão presos nas escadas. As portas de saída estão seladas e não importa subir ou descer, as escadas são intermináveis. 

Uma segunda narrativa segue uma família viajando de carro por uma estrada que parece não ter fim. Padastro (Hernan Mendoza), mãe (Nailea Norvind) e o casal de filhos (Gabriel Santoyo e Paulina Montemayor) se desesperam ao descobrirem que estão presos em um loop infinito. 

Esta produção mexicana totalmente fora do comum marcou a estreia do diretor e roteirista Isaac Ezban em um longa metragem. Ezban explora a temática dos universos paralelos e das fendas no tempo para criar uma história que vai além da ficção científica. 

Apesar das interpretações serem fracas, o desenvolvimento dos personagens em relação a história é muito interessante. O roteiro mostra como os jovens se adaptam com mais facilidade as situações extremas, sempre procurando soluções, enquanto os mais velhos tendem a se acomodar diante da dificuldade. Tudo isso é detalhado na tela de forma criativa e bizarra. 

Mesmo com o diretor oferecendo uma explicação didática no final, este é um daqueles filmes obrigatórios para o cinéfilo que curte obras diferentes.

6 comentários:

Liliane de Paula disse...

Pela sua resenha parece mais um filme de terror.
Ou um cult movie que só poucos entendem (risos).
Imagino aquelas estradas mexicanas longas e com temperatura nas alturas.

Hugo disse...

Liliane - É um filme complexo e bizarro.

Luli Ap disse...

Uaaaaau já anotei aqui!
Gosto bastante desse negócio de universo paralelo e fendas no tempo.
Sci-fi sempre me surpreende pela criatividade.
E ainda mais que vc diz que tem uma explicação no final, acho importante se o tema é mais complexo não deixar o final em aberto.
Bjs Luli

Hugo disse...

Luli - O diretor tenta explicar tudo no final. Mas pode se preparar que é uma história bem maluca.

Bjos

Marília Tasso disse...

Adorei esse filme, o looping temporal é uma ótima metáfora para as repetições que fazemos ao longo da vida, dos momentos que se fixam na nossa memória e se refazem constantemente, apesar de didático no final a experiência é ótima.

Hugo disse...

Marília - Perfeito, o diretor explora esta situação com criatividade.

Abraço