terça-feira, 27 de março de 2018

Programado Para Vencer

Programado Para Vencer (The Program, Inglaterra / França, 2015) – Nota 6,5
Direção – Stephen Frears
Elenco – Ben Foster, Chris O’Dowd, Guillaume Canet, Jesse Plemons, Lee Pace, Denis Ménochet, Edward Hogg, Dustin Hoffman, Elaine Cassidy.

No início dos anos noventa, o jovem cliclista americano Lance Armstrong (Ben Foster) era considerado talentoso, porém sem condições físicas de competir com os melhores nas disputas de subidas da famosa “Volta da França”. 

Inconformado com as derrotas, Armstrong procura o polêmico médico italiano Michelle Ferrari (Guillaume Canet), conhecido por utilizar técnicas científicas controversas. A princípio rejeitado pelo médico, Armstrong decide utilizar Testosterona e E.P.O. por conta própria. Os resultados esportivos chegam, porém um câncer também. 

Após sobreviver a doença, ele decide procurar novamente Ferrari, que desta vez se torna seu parceiro no doping. O sucesso e as vitórias seguem até que a verdade vem à tona. 

A vida de Lance Armstrong mereceria um filme um pouco melhor, não por seu caráter é claro, mas pela sequência de mentiras e picaretagens que o levaram ao topo do esporte. O doping hoje é algo comum na maioria dos esportes, sendo muitas vezes indetectável por causa de artimanhas criadas por profissionais que acompanham os atletas. 

O caso de Armstrong é ainda mais sinistro porque o sujeito quase morreu por causa do doping e ao se recuperar voltou a competir utilizando novamente drogas de uma forma ainda mais profissional. 

É uma pena que o roteiro seja extremamente picotado, provavelmente por cobrir mais de quinze anos na vida do atleta. Muitas situações passam rapidamente pela tela, como seu casamento, os filhos que são apenas citados e as relações complicadas com os colegas de equipe. 

O filme vale a sessão para quem quer saber um pouco da história de vida de Armstrong, mas decepciona quem procura algo mais aprofundado.

2 comentários:

Luli Ap disse...

Olá Hugo
Não conhecia o filme nem o atleta, apesar de ser mediano, gostei muito da sua resenha e da premissa do filme.
Uma loucura esse negócio de doping, o atleta coloca a vida em risco (e a carreira porque uma hora vai ser descoberto) e mesmo assim faz!
Muito triste com quem se dedica com disciplina e sacrifícios.
Vai para a lista dos que quero assistir
Bjs Luli
https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

Hugo disse...

Luli - Para quem acompanha esporte, o escândalo foi tão grande quanto a carreira do atleta.

O doping é uma grande desonestidade.

Bjos