terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Uma Mente Brilhante & O Homem Que Viu o Infinito



Uma Mente Brilhante (A Beatiful Mind, EUA, 2001) – Nota 8
Direção – Ron Howard
Elenco – Russell Crowe, Ed Harris, Jennifer Connelly, Christopher Plummer, Paul Bettany, Adam Goldberg, Josh Lucas, Anthony Rapp, Judd Hirsch, Austin Pendleton.

Nos anos cinquenta, aos vinte e um anos de idade, o matemático John Nash (Russell Crowe) é considerado um gênio pelos colegas após publicar um trabalho revolucionário sobre um teorema. Sendo professor em uma universidade e posteriormente atuando em um avançado trabalho de criptografia para o governo, aos poucos Nash começa a demonstrar sinais de esquizofrenia, inclusive criando um amigo imaginário chamado Charles (Paul Bettany). Após se casar com Alicia (Jennifer Connelly), a doença de Nash se agrava, afetando sua vida pessoal e seu trabalho. 

O roteiro de Akiva Goldsman e a forma como Ron Howard desenvolve a narrativa e os personagens resulta em um filme extremamente humano. O foco principal foi mostrar a luta do protagonista contra sua doença. Sua genialidade faz parte do pacote, assim como a dificuldade em se relacionar com as pessoas. A sensível atuação de Russell Crowe é outro ponto alto. 

O verdadeiro Nash teve uma final de vida trágico. Ele faleceu em 2016 aos oitenta e seis anos em um acidente de automóvel.

O Homem Que Viu o Infinito (The Man Who Knew Infinity, Inglaterra / EUA, 2015) – Nota 7,5
Direção – Matthew Brown
Elenco – Dev Patel, Jeremy Irons, Toby Jones, Devika Bishe, Jeremy Northam, Stephen Fry.

Madras, Índia, 1914. O jovem Srinavasa Ramanujan (Dev Patel) é um incompreendido gênio da matemática autodidata. Ao conseguir um simples trabalho burocrático, seu chefe percebe o talento de Ramanujan e o incentiva a enviar uma carta para o famoso matemático G. H. Hardy (Jeremy Irons), que é professor em Cambridge. 

Ao receber a carta, Hardy acredita ser um pegadinha de seu colega Littlewood (Toby Jones), até entender que a correspondência é verdadeira. Ele oferece uma bolsa de estudos para Ramanujan, que na verdade deseja publicar suas descobertas. Ao chegar na Inglaterra, o jovem indiano terá de enfrentar a desconfiança e também o preconceito de alguns professores. 

O longa é baseado na história real de um personagem com um talento natural fantástico surgido em um meio que seria quase impossível ele se destacar. A vida de  Ramanujan é uma história de luta pelo reconhecimento de seu trabalho.

Dev Patel entrega uma boa atuação como o jovem obstinado, enquanto Jeremy Irons interpreta o típico tutor aparentemente durão, mas com um coração mole escondido. 

O filme não chega a ser marcante, mas vale como registro de vida de uma pessoa com um talento acima do normal.

3 comentários:

Luli Ap. disse...

Olá Hugo
Dois filmes que quero muitoooooooooo assistir, especialmente porque ambos tem como protagonistas dois dos meus atores preferidos e tratam da matemática, uma das minhas matérias favoritas da vida <3
Depois da sua resenha fiquei ainda mais instigada.
Uma excelente continuação de semana pra ti
bjs Luli
Café com Leitura na Rede

Hugo disse...

Luli - Os dois filmes merecem ser vistos principalmente por causa da história de vida dos protagonistas.

Bjos

Liliane de Paula disse...

Vi os 2 filmes de Um mente brilhante é o meu preferido.
O matemático John Nash aprendeu a conviver com a esquizofrenia.
Não sabia da morte por acidente.

O homem que viu o infinito só não gostei por conta de Jeremy Irons que acho um ator sempre com a mesma cara, a mesma expressão. Como Nicholas Cage.