sexta-feira, 3 de junho de 2016

Uma Simples Formalidade, A Morte e a Donzela & Inspeção Geral


Uma Simples Formalidade (Uma Pura Formalita, Itália / França, 1994) – Nota 7,5
Direção – Giuseppe Tornatore
Elenco – Gerard Depardieu, Roman Polanski, Sergio Rubini.

Numa noite chuvosa, a polícia está investigando o assassinato de uma mulher quando encontra um sujeito (Gerard Depardieu) assustado e sem documentos. Ele é levado para a delegacia para ser interrogado pelo inspetor (Roman Polanski). Mostrando extrema arrogância, dando respostas irônicas e evasivas, o sujeito decide se identificar dizendo ser o famoso escritor Onoff, que vive recluso há anos. O inspetor passa tratá-lo aparentemente com respeito, ao mesmo tempo em que utiliza sua lábia para tirar informações sobre a vida atual do escritor. 

O diretor Giuseppe Tornatore, do tocante “Cinema Paradiso”, cria aqui um embate entre dois personagens complexos, com características completamente diferentes entre si. O inspetor é contido e meticuloso, cada pergunta que faz carrega uma isca para pescar a verdade nas entrelinhas da resposta. Já o escritor se considera um intelectual, uma pessoa superior que vê no inspetor a representação de um burocrata que sabe apenas seguir regras. As boas interpretações da dupla principal são valorizadas pelos ótimos diálogos, que pouco a pouco revelam pequenos segredos de cada um. O filme perde um pouco de fôlego na parte final com a escolha de deixar algumas respostas por conta do espectador.

A Morte e a Donzela (Death and the Maiden, Inglaterra / EUA / França, 1994) – Nota 7,5
Direção – Roman Polanski
Elenco – Sigourney Weaver, Ben Kingsley, Stuart Wilson.

Em um país indefinido da América do Sul, após ser presa e torturada durante a ditadura, Pauline Escobar (Sigourney) vive hoje com o marido Gerardo (Stuart Wilson) em uma bela casa numa região isolada do país. Numa certa noite, o marido que é um importante advogado, tem problemas com o carro na estrada e por acaso recebe ajuda de um sujeito que estava passando pelo local e que se identifica como o médico Roberto Miranda (Ben Kingsley). O médico oferece uma carona ao advogado e ao chegar na residência do casal Escobar, sua voz é reconhecida por Pauline como sendo seu torturador. Os traumas de Pauline vem à tona, ela toma o sujeito como refém e inicia uma sessão de tortura com o objetivo de conseguir uma confissão. 

Baseado numa peça do argentino Ariel Dofman inspirada nos abusos da ditadura que seu país sofreu por mais de uma década, o diretor Roman Polanski cria uma incômodo jogo psicológico extremamente tenso, em que os papéis de vítima e torturador se confundem, deixando o espectador em dúvida sobre a verdadeira identidade do personagem de Ben Kingsley. O roteiro ainda coloca em questão até que ponto vale a pena se vingar do seu algoz, se este tipo de atitude realmente ajuda a vítima como uma espécie de terapia de choque ou se apenas aumentará as feridas do passado. Vale destacar ainda as boas interpretações de Ben Kingsley e Sigourney Weaver.

Inspeção Geral (Strip Search, EUA, 2004) – Nota 7
Direção – Sidney Lumet
Elenco – Glenn Close, Maggie Gyllenhaal, Ken Leung, Bruno Lastra, Dean Winters, Tom Guiry, Caroline Kava, Austin Pendleton.

Em uma universidade, um professor (Austin Pendleton) questiona seus alunos se eles aceitariam renunciar a um direito civil se isso acabasse com o terrorismo no mundo. A classe toda aceita. Quando ele pergunta se aceitariam esta situação pelo resto da vida, muitos mudam de opinião. Para ilustrar a situação, o roteiro se divide em duas narrativas que mostram o perigo do poder total na mão do Estado. Na China, uma jovem estudante de ciências políticas (Maggie Gyllenhaal) é detida e levada para interrogatório sem direito a chamar um advogado. O oficial que comanda o interrogatório (Ken Leung) acredita que a jovem seja uma espiã. Na segunda narrativa, um jovem de origem árabe (Bruno Lastra) que também estuda ciências políticas, é detido nos Estados Unidos de forma semelhante e interrogado sem piedade por uma agente do FBI (Glenn Close). 

Esta produção da HBO foi o antepenúltimo trabalho da carreira do diretor Sidney Lumet, que utiliza um roteiro escrito por Tom Fontana para questionar o chamado “Ato Patriótico” assinado pelo então presidente George Bush como retaliação aos ataques de 11 de Setembro. O Ato tirava todos os direitos de defesa dos suspeitos de terrorismo, situação que gerou absurdos como as torturas na prisão de Guantánamo. Os interrogatórios mostrados aqui são cruéis, principalmente pela violência psicológica e a humilhação de ser acusado de algo por causa de sua nacionalidade ou etnia. O roteirista Tom Fontanta foi o criador da violentíssima série “Oz – A Vida é uma Prisão” e alguns atores aqui (Ken Leung, Austin Pendleton e Dean Wynters) faziam parte do elenco. Finalizando, consta que o filme por completo foi ao ar apenas uma vez nos Estados Unidos, resultando numa grande pressão dos conservadores e do governo, o que fez com que o longa fosse engavetado e remontado com menos de uma hora de duração. Aqui no Brasil ele passou na HBO em sua versão completa.

4 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Assino embaixo o que escreveu sobre o filme do Polanski.

Cumps.

Rodrigo Mendes disse...

Três grandes filmes de três grandes cineastas! Do Giuseppe Tornatore eu vi pouco depois de "Cinema Paradiso". Somente "Malena" com Bellucci e o recente "O Melhor Lance", com Geoffrey Rush.

Abraço.

Pedrita disse...

gostei demais de simples formalidade, foi uma grata surpresa
http://mataharie007.blogspot.com.br/2011/04/uma-simples-formalidade.html
eu adorei morte a donzela. só o terceiro que não vi. beijos, pedrita

Hugo disse...

Gustavo - É um filme tenso.

Rodrigo - O primeiro filme de Tornatore também é muito bom. Um drama sobre a máfia chamada "O Professor do Crime" com Ben Gazzara.

Pedrita - O filme de Lumet é mais sobre injustiça e um pouco inferior aos outros dois.

Abraço