sexta-feira, 10 de junho de 2016

Ou Tudo Ou Nada

Ou Tudo Ou Nada (The Full Monty, Inglaterra / EUA, 1997) – Nota 7
Direção – Peter Cattaneo
Elenco – Robert Carlyle, Mark Addy, Tom Wilkinson, William Snape, Steve Huison, Paul Barber, Hugo Speer, Lesley Sharp, Emily Woof.

Na sequência inicial, um vídeo dos anos setenta exalta o crescimento da cidade de Sheffield na Inglaterra baseado na indústria siderúrgica. Vinte e cinco anos depois, as indústrias quebraram e grande parte dos moradores estão desempregados. Entre eles estão Gaz (Robert Carlyle) e Dave (Mark Addy). O primeiro precisa de dinheiro para pagar a pensão do filho e o segundo não consegue se relacionar com a esposa. 

Após presenciarem um local de shows da cidade completamente lotado de mulheres loucas assistindo um show de strippers masculinos, a dupla decide montar um grupo semelhante com outros desempregados com o objetivo de ganhar dinheiro. 

Esta despretensiosa comédia se tornou um inesperado sucesso, muito por explorar o tema do chamado “Clube das Mulheres” que estava no auge nos anos noventa. O humor simples e os clichês acabam funcionando por causa do bom elenco, principalmente o trio principal. 

A cara de maluco de Robert Carlyle e as piadas de Mark Addy se encaixam com o personagem careta de Tom Wilkinson, ator conhecido por papéis em filmes sérios, que aqui mostra seu lado humorístico. 

O roteiro ainda explora de forma rasa a questão do desemprego na Inglaterra na época, crise que atingiu principalmente a classe operária. 

Como curiosidade, o “The Full Monty” do título seria a nudez total.

5 comentários:

Rodrigo Mendes disse...

Um filme que aprecio demais. Tom Wilkinson simplesmente sensacional nesse papel.
Vontade de rever.

Gustavo H. Razera disse...

Não há dúvidas de que é divertido e original, mas, em retrospecto, não consigo entender o fenômeno de bilheteria e as indicações ao Oscar.

Cumps.

Hugo disse...

Rodrigo - É incomum ver Tom Wilkinson em uma comédia.

Gustavo - As indicações ao Oscar foram exagero. Quanto ao sucesso de bilheteria, acredito que esteja muito ligado ao tema do "Clube das Mulheres", que na época era novidade e se tornou muito popular.

Abraço

Amanda Aouad disse...

Fala de forma rasa sobre o desemprego, mas eu realmente gosto muito do filme. A comédia inglesa consegue me agradar muito mais que a norte-americana.

bjs

Hugo disse...

Amanda - Sem dúvidas, as comédias inglesas fogem do besteirol.

Bjos