sexta-feira, 8 de abril de 2016

11.22.63

11.22.63 (11.22.63, EUA, 2016) – Nota 7
Direção – Fred Toye, John David Coles, James Franco, James Kent, Kevin Macdonald & James Strong
Elenco – James Franco, Sarah Gadon, George MacKay, Chris Cooper, Daniel Webber, Nick Searcy, Kevin J. O’Connor, Cherry Jones, Lucy Fry, Jonny Coyne, Josh Duhamel, Tonya Pinkins.

Jake Epping (James Franco) é um professor divorciado que vive na pequena cidade de Lisbon no Maine. Seu melhor amigo é Al (Chris Cooper), o dono de uma pequena lanchonete. Quando Al descobre que está doente e tem pouco tempo de vida, decide contar ao amigo um surpreendente segredo. A lanchonete esconde um “portal” que leva o viajante até 1960. 

Al diz que por várias vezes atravessou a passagem com o objetivo de salvar a vida do presidente Kennedy, que foi assassinado em 1963, mas falhou em todas elas. Ele convence Jake a tentar, mas diz que o passado não quer ser modificado e que fará de tudo para atrapalhar seus planos. A princípio incrédulo, aos poucos Jake aceita a missão e volta no tempo para tentar mudar o passado. 

Baseada em uma obra de Stephen King, esta minissérie em oito capítulos foi produzida pela Hulu, empresa concorrente do Netflix que começa a explorar o filão dos seriados para internet. 

A minissérie tem as virtudes e os defeitos da maioria das produções baseadas em King para tv. A premissa é sensacional, apesar do assassinato de Kennedy ter sido explorado inúmeras vezes no cinema e na tv, a história ainda tem grande potencial. A produção também impecável, tanto no figurino, como na recriação de época dos prédios, comércios, colégios e carros. 

Infelizmente alguns pontos negativos atrapalham a série. A passagem do tempo entre 1960 e 1963, enquanto o personagem de James Franco vive no passado investigando Lee Harvey Oswald (Daniel Webber) e montando um plano para detê-lo é recheada de saltos. Entendo que seria complicado condensar três anos em oito episódios, mas mesmo assim o roteiro poderia ter sido melhor detalhado. 

Os melhores momentos da série são do primeiro ao quinto episódio, com o protagonista tentando mudar a vida de algumas que cruzaram seu caminho e se envolvendo com a bela bibliotecária Sadie (Sarah Gadon). 

A trama desanda no sexto episódio, quando a consequência de uma cena de violência cria uma situação exagerada e acelera o caminho para o dia do assassinato. O último episódio também deixa a desejar. O clímax é simplista e a sequência final piegas. 

O resultado não chega a ser ruim, mas os dois episódios finais decepcionam.

2 comentários:

Liliane Paula Martins disse...

Gosto dos livros e dos filmes baseados em Stephen King.
Não sei se gostaria desse porque me parece muito fantasioso.

E esse "novo" Netflix?
Já tem por aqui?

Hugo disse...

Liliane, oficialmente o Hulu não opera no Brasil ainda.