quinta-feira, 24 de março de 2016

Ganhar ou Ganhar - A Vida é um Jogo

Ganhar ou Ganhar – A Vida é um Jogo (Win Win, EUA, 2011) – Nota 7
Direção – Tom McCarthy
Elenco – Paul Giamatti, Amy Ryan, Alex Shaffer, Bobby Cannavale, Jeffrey Tambor, Burt Young, Melanie Lynskey, Margo Martindale, David W. Thompson.

Em um subúrbio de New Jersey, Mike Flaherty (Paul Giamatti) é um advogado casado com Jackie (Amy Ryan), pai de duas filhas pequenas e especializado em auxiliar idosos em pequenas causas. No tempo livre, Mike também é o treinador da equipe de luta greco-romana do colégio. 

Passando por dificuldades financeiras, Mike toma uma complicada decisão que inclusive fere sua ética como advogado. Ele se oferece para ser o guardião oficial de um cliente que é idoso (Burt Young) e que está em fase inicial de demência. Ele passa a receber mil e quinhentos dólares por mês, mas coloca o sujeito em uma casa de repouso da cidade, que por sinal trata muito bem os pacientes. 

A situação se torna ainda mais complexa quando o garoto Kyle (Alex Sheffer) chega na comunidade procurando o avó e descobre que o homem está sob os cuidados de uma instituição. Mike é obrigado a abrigar o garoto em sua casa.

O diretor e ator Tom McCarthy foi surpreendentemente indicado ao Oscar deste ano pelo ótimo “Spotlight – Segredos Revelados”, sendo que seus trabalhos anteriores na direção foram em filmes pequenos com personagens comuns. Dois exemplos são “O Agente da Estação” e “O Visitante”. 

Aqui ele novamente demonstra sua predileção por histórias simples sobre a vida de personagens comuns. O ponto principal do roteiro é a ambição, não aquela exagerada ou megalomaníaca, mas sim as tentações que colocam à prova a honestidade das pessoas em pequenas situações. 

Mesmo sem apresentar grandes surpresas, o longa é extremamente agradável. A simpatia pelos personagens ajuda bastante. O ótimo Paul Giamatti é um especialista em sujeitos comuns e perdedores, aqueles que sofrem para enfrentar os problemas do dia a dia. Aqui ele novamente entrega uma boa atuação com este tipo de personagem. 

Para quem gosta de histórias simples, com estilo de filme independente, este é uma boa opção.

5 comentários:

Amanda Aouad disse...

Parecec no mínimo, curioso, não conhecia esse filme. E ter Paul Giamatti no elenco já aumenta a curiosidade.

bjs

Gustavo H. Razera disse...

Concordo.

Cumps.

Hugo disse...

Amanda - É um simpático filme independente.

Gustavo - Valeu.

Abraço

Liliane de Paula disse...

Gosto muito do Paul Giamatti.
A Amy Ryan, acho que não conheço.
A história parece ser muito boa.
Uma doce e tranquilizadora história.

Hugo disse...

Liliane - Amy Ryan é conhecido, com certeza se você ver o rosto irá reconhecer a atriz. Realmente é uma história doce e simples sobre pessoas comuns.