domingo, 18 de outubro de 2015

Reino Animal

Reino Animal (Animal Kingdom, Austrália, 2010) – Nota 8
Direção – David Michod
Elenco – Ben Mendelsohn, Joel Edgerton, James Frecheville, Guy Pearce, Jacki Weaver, Sullivan Stapleton, Luke Ford, Mirrah Faulkes, Laura Wheelright.

Em Melbourne na Austrália, os irmãos Cody são conhecidos da polícia pelos seus crimes. Baz (Joel Edgerton) e Pope (Ben Mendelsohn) são ladrões de bancos, Craig (Sullivan Stapleton) é traficante e o caçula Darren (Luke Ford) uma espécie de auxiliar dos irmãos. Pope está jurado de morte pelo esquadrão de policiais especializados em roubos, um grupo que também age fora da lei. 

Neste contexto, surge o jovem Joshua (James Frecheville), sobrinho dos Cody e filho de uma irmã viciada que se afastou da família. Quando a mulher morre, o tímido e solitário Joshua procura a família e aparentemente é bem recebido pelos tios e pela avó Smurf (Jacki Weaver). Quando a polícia fecha o cerco sobre a família, Joshua descobre que se envolveu em uma situação que pode não ter saída. 

Este ótimo drama policial e familiar venceu o Prêmio do Júri no Festival Sundance de 2010 e abriu as portas de Hollywood para o diretor, que faria “The Rover – A Caçada” e para os atores Ben Mendelsohn (série “Bloodline”), Joel Edgerton (“Êxodo: Deuses e Reis”) e Sullivan Stapleton (série “Blindspot”). 

O grande acerto do diretor foi dar ênfase ao complicado relacionamento da família através do tímido olhar do personagem Joshua, que por sinal narra a história. O longa tem algumas cenas violentas inseridas na trama e principalmente muita violência psicológica. 

Todo o elenco está bem, mas os destaques ficam para o assustador Pope interpretado por Ben Mendelsohn e para a ardilosa vovó Smurf vivida por Jackie Weaver, personagem manipuladora e com uma ligação quase incestuosa com os filhos. 

O roteiro é livremente baseado na história real de uma família de criminosos australianos que se envolveram em um caso de repercussão nacional nos anos noventa.

2 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Concordo plenamente. Ótimo cartão de visitas do diretor, e Mendelsohn e Weaver se destacam.

Cumps.

Hugo disse...

Gustavo - É um drama interessante, com boas atuações.

Abraço