sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

O Esquadrão Implacável

O Esquadrão Implacável (The Seven-Ups, EUA, 1973) – Nota 7,5
Direção – Philip D’Antoni
Elenco – Roy Scheider, Tony Lo Bianco, Richard Lynch, Bill Hickman, Larry Haines, Ken Kercheval, Jerry Leon, Victor Arnold, Matt Russo, Joe Spinell.

Buddy Manucci (Roy Scheider) lidera uma equipe especial de policiais que investigam crimes no submundo de Nova York. Buddy tem como informante seu amigo de infância Vito Lucia (Tony Lo Bianco), o dono de uma funerária no Bronx que tem contato com os mafiosos da cidade. 

Quando uma dupla de bandidos independentes (Richard Lynch e Bill Hickamn) começa a sequestrar os chefões da Máfia exigindo grandes quantias em dinheiro, os mafiosos que foram vítimas passam a desconfiar da polícia. A equipe de Buddy, que vigiava os mafiosos, precisará também localizar os sequestradores. 

O aqui diretor Philip D’Antoni foi o produtor que transformou as perseguições automobilísticas em marca registrada dos filmes policiais. Ele produziu “Bullitt” de Peter Yates em 1968 e o sensacional “Operação França” de William Friedkin em 1971. Estes dois clássicos ficaram marcados pelas perseguições de carros, o primeiro com uma sequência com Steve McQueen e o segundo com a fantástica perseguição com Gene Hackman ao volante. Nos dois filmes, o sujeito dirigindo um dos automóveis é Bill Hickman, que aqui interpreta um do sequestradores e que participa de outra ótima sequência de perseguição por Nova York. 

Diferente dos filmes atuais que abusam das perseguições absurdas e das cenas elaboradas em computador, aqui tudo era feito no braço e na criatividade. Com câmeras posicionadas em vários pontos estratégicos nas ruas e principalmente com outras acopladas aos capôs dos carros, a sensação de estar participando dos rachas é extremamente real. 

Este foi o único trabalho de D’Antoni como diretor, ele que abandonaria o cinema pouco tempo depois, aqui seguiu o estilo de “Operação França”, inclusive utilizando como protagonistas Roy Scheider e Tony Lo Bianco que trabalharam no clássico de Friedkin, além de ter como consultor o ex-policial Sonny Grosso, que também auxiliou no roteiro daquele filme.

Mesmo sendo inferior aos dois filmes citados, este “O Esquadrão Implacável” pode ser considerado o fechamento de uma trilogia policial involuntária produzida por D’Antoni.

4 comentários:

Bússola do Terror disse...

Oi!
Vim desejar um feliz 2015!
Grande abraço!

Hugo disse...

Léo - Feliz 2015 para vc tb!

Abraço

Judd Cruz disse...

Assisti home. filmaço!

Hugo disse...

Judd - Um dos bons filmes policiais dos anos setenta.