sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Filmes Policiais B - Resenhas Rápidas

Um Jeito Melhor de Morrer (A Better Way to Die, EUA, 2000) – Nota 6
Direção – Scott Wiper      
Elenco – Scott Wiper, Andre Braugher, Lou Diamond Phillips, Natasha Henstridge, Joe Pantoliano, Mirjana Jokovich, Wayne Duvall, Carmen Argenziano.

O detetive Boomer (Scott Wiper) abandona a polícia após seu mentor ser assassinado. Ele decide voltar para sua cidade natal para reencontrar a ex-namorada (Natasha Henstridge), porém na estrada cruza com um estranho chamado Flash (Joe Pantoliano). A partir daí, Boomer passa a ser perseguido por um agente do FBI (Lou Diamond Phillips) e por um assassino de aluguel (Andre Braugher), que acreditam que ela tenha em seu poder um chip com informações secretas. 

A história absurda é apenas um detalhe para violentas cenas de ação com tiroteios e perseguições. Mesmo repleto de falhas, chega a ser um filme divertido, em parte também pelos bons coadjuvantes, que compensam o péssimo Scott Wipper como protagonista.

A Revanche do Aprisionado (Lockwdown, EUA, 2000) – Nota 6
Direção – John Luessenhop
Elenco – Richard T. Jones, Gabriel Casseus, De’aundre Bonds, Master P, Melissa De Sousa, Bill Nunn, Clifton Powell, Sticky Fingaz, David Shark Fralick.

Após abandonar os estudos para cuidar da esposa (Melissa De Souza) e do filho, Avery (Richard T. Jones) vê surgir uma nova chance de mudar de vida quando vence uma competição de natação e recebe do treinador Charles (Bill Nunn) uma bolsa de estudos em uma universidade. Na mesma noite, ele sai para comemorar com os amigos Dre (De’aundre Bonds) e Cashmere (Gabriel Casseus), porém não desconfia que o último esconde no carro uma arma utilizada em um assassinato. Uma batida policial e o trio termina na cadeia. Para provar sua inocência, Avery depende da ajuda de seu treinador Charles, enquanto isso precisa sobreviver ao inferno da prisão. 

É um drama pesado, com algumas cenas fortes e vários clichês dos filmes de prisão. Basicamente uma trama de filme B, com uma produção um pouco mais caprichada.

Bala na Agulha (Black and White, EUA, 1999) – Nota 6
Direção – Yuri Zeltser
Elenco – Gina Gershon, Rory Cochrane, Alison Eastwood, Ron Silver, Barry Primus, James Handy, Ross Partridge, Seymour Cassel, Michael Paul Chan, Marshall Bell.

Chris O’Brien (Rory Cochrane) é um policial novato indicado para ser parceiro da durona Nora Hugs (Gina Gershon). O sujeito católico e honesto, não resiste e acaba se envolvendo com a parceira. A situação fica ainda mais complicada quando um serial killer passa a agir na região, assassinando os ex-namorados de Nora. A corregedoria entra na investigação com o inspetor Simon (o falecido Ron Silver), que tem como suspeita principal a policial Nora. A princípio Chris acredita na parceira/namorada, porém aos poucos percebe que existe algo de errado na atitude de Nora. 

O filme é um policial correto com cara de seriado de tv, que prende a atenção e agradará quem não exigir muito.

Esqueletos ou Pacto de Morte (Skeletons, EUA, 1997) – Nota 5
Direção – David DeCocteau
Elenco – Ron Silver, James Coburn, Christopher Plummer, Dee Wallace Stone, Kyle Howard, Dennis Christopher, David Graf, Paul Bartel.

Após sofrer um ataque cardíaco, o jornalista Peter Crane (Ron Silver) decide se mudar de Nova York para uma pequena cidade em New England em busca de paz. Na demora para sua fama o levar para dentro de um caso em que um sujeito assassinou seu amante, causando um enorme escândalo. 

A trama repleta de clichês é lenta e confusa. O elenco recheado de nomes conhecidos pouco pode fazer para melhorar o filme. Como curiosidade, o diretor David DeCocteau é mais um pupilo de Roger Corman, daqueles que fazem filmes como linha de produção. O sujeito tem mais de cem filmes em trinta anos.

Correndo Alto Risco (Persons Unknown, EUA, 1996) – Nota 5,5
Direção – George Hickenlooper
Elenco – Joe Mantegna, Kelly Lynch, Naomi Watts, J. T. Walsh, Xander Berkeley, Jon Favreau, Antoni Coroni.

O ex-policial Jim Holland (Joe Mantegna), que hoje trabalha como consultor de segurança, tem um affair de uma noite com Amanda (Kelly Lynch) e no dia seguinte descobre que a mulher roubou os códigos de segurança de um cliente. Para piorar, este cliente é um mafioso (J. T. Walsh). Sem poder contar para o sujeito, Jim decide procurar Amanda e descobre que ela tem parceiros e uma irmã que vive na cadeira de rodas (Naomi Watts). Jim decide esperar Amanda agir, para tentar se aproveitar da situação e roubar o dinheiro do mafioso. 

A trama estilo filme noir e o elenco cheio de bons atores esconde um péssimo diretor, que entrega cenas mal filmadas e uma narrativa totalmente frouxa. O resultado é uma boa premissa desperdiçada.

Revelações de um Crime (Reflections on a Crime, EUA, 1994) – Nota 5,5
Direção – John Purdy
Elenco – Mimi Rogers, Billy Zane, John Terry, Kurt Fuller, Lee Garlington.

Regina (Mimi Rogers) está no corredor da morte condenada pelo assassinato do marido (John Terry). Um dia antes da execução, o guarda Colin (Billy Zane) é encarregado de vigiá-la até o momento final. O estranho sujeito mostra grande interesse em saber se Regina realmente matou o marido ou se foi um acidente. Regina decide contar sua versão, dando início a um jogo de curiosidade entre ela e o guarda. 

É um estranho longa que abusa do flashbacks e não se decide entre drama, policial ou suspense, deixando o espectador em uma dúvida tão grande assim como a curiosidade do guarda. 

Nenhum comentário: