quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Bronson

Bronson (Bronson, Inglaterra, 2008) – Nota 6
Direção – Nicolas Winding Refn
Elenco – Tom Hardy.

Por mais que parte da crítica rasgue elogios para os trabalhos de Nicolas Winding Refn, até agora seu único filme que me agradou foi “Drive”. Assisti ainda o péssimo “Medo X” e o pretensioso “Apenas Deus Perdoa”. 

Mesmo sendo considerado cult, “Bronson” é uma versão amalucada e surreal da vida de Michael Peterson (Tom Hardy), o presidiário mais famoso da Inglaterra. 

Peterson foi preso em 1974 após assaltar uma agência dos correios. Como ele desejava ficar famoso, decidiu “assumir” o nome de Charlie Bronson, em homenagem ao astro de filmes policiais e se envolveu em dezenas de brigas e rebeliões, tomando guardas como reféns e solicitando coisas malucas como helicópteros e metralhadoras como resgate. 

Ele ficou preso por catorze anos, saiu em 1988 e em menos de três meses voltou para a cadeia, local que ele considera sua casa, mesmo tendo passado boa parte da vida na solitária. Hoje o sujeito continua preso e famoso pelas reportagens e livros escritos sobre sua vida. 

O destaque do filme é a atuação de Tom Hardy, que incorpora o maluco violento de forma assustadora e que carrega o longa praticamente sozinho. O sucesso do papel catapultou a carreira de Hardy, hoje um dos grandes astros de Hollywood. 

É um filme estranho que incomoda, com sequências surreais que alguns comparam a “Laranja Mecânica”, porém está longe de ser uma grande obra. 

4 comentários:

Gustavo H. Razera disse...

Ah, penso diferente, achei a experiência mesmerizante. O diretor é um mestre do audiovisual e alternativa (uma biopic comum, acadêmica) certamente passaria batida. Hardy monstruoso no papel - no bom sentido.

Cumps.

Hugo disse...

Gustavo - Não consigo entrar no clima dos filmes de Refn. Como citei, gostei apenas de "Drive", os demais me pareceram pretensiosos, feitos com intenção de se tornarem cults.

A atuação de Tom Hardy é sensacional.

Abraço

Ubiracy Júnior disse...

Concordo com o Gustavo. O filme foi uma grande surpresa pra mim, não assisti nenhum dos filmes do diretor e só pela sinopse deles eu passo longe, mas depois de ver dezenas de referencias a esse filme em um site eu acabei assistindo ele, achando que seria uma comedia qualquer e pra minha felicidade não se tratava disso.

Hugo disse...

Ubiracy - Não consegui entrar no clima do filme.

Abraço