terça-feira, 16 de setembro de 2014

A Ilha da Garganta Cortada & Despertar de um Pesadelo


A Ilha da Garganta Cortada (Cutthroat Island, EUA / França / Itália / Alemanha, 1995) – Nota 7
Direção – Renny Harlin
Elenco – Geena Davis, Matthew Modine, Frank Langella, Stan Shaw, Maury Chaykin, Rex Linn, Patrick Malahide, Harris Yulin.

No século XVII, quando um velho sujeito está morrendo, decide contar para sua filha Morgan (Geena Davis) sobre uma valioso tesouro escondido por seu pai. O problema é que o homem tem apenas um pedaço do mapa desenhado no couro cabeludo e escrito em latim, enquanto as outras duas partes estão em poder de seus irmãos. 

Para decifrar o mapa, Morgan compra o escravo Shaw (Matthew Modine), que sabe latim e que a ajudará na busca pelo tesouro. Para complicar, um dos tios que tem parte do mapa é o ganancioso Dawg (Frank Langella), que não deseja dividir o tesouro. A outra parte do mapa está com o outro tio, Reed (Maury Chaykin). 

Mesmo sendo um dos grandes fracassos da década de noventa, este longa é uma divertida aventura de ação ao estilo capa e espada, que infelizmente naufragou nas bilheterias sem ter uma aparente causa específica. 

Na época, o diretor Renny Harlin e a estrela Geena Davis estavam casados e no auge das carreiras. Harlin vinha de sucessos como “Duro de Matar 2” e “Risco Total”, enquanto Geena Davis ganhou fama por “Thelma & Louise” e “Uma Equipe Muito Especial” e até o hoje em baixa Matthew Modine tinha uma carreira respeitável. 

O fracasso praticamente enterrou o gênero de filmes com piratas, que já estava em baixa desde anos oitenta após o caro e fraco “Piratas” de Roman Polanski. O gênero teria um novo respiro quase uma década depois com a série “Piratas do Caribe”.

Despertar de um Pesadelo (The Long Kiss Goodnight, EUA, 1996) – Nota 7
Direção – Renny Harlin
Elenco – Geena Davis, Samuel L. Jackson, Craig Bierko, Brian Cox, David Morse, Yvonne Zima, Tom Amandes, Patrick Malahide, G. D. Spradlin, Melina Kanakaredes, Rex Linn.

Samantha (Geena Davis) trabalha como professora e cuida da filha Caitlin (Yvonne Zima), porém não se lembra do seu passado. Anos atrás, ela foi encontrada desmaiada em uma praia quando estava grávida e com ferimentos. Tentando seguir uma vida normal, Samantha sofre um acidente de carro e uma violenta pancada na cabeça a faz lembrar de algumas situações do passado, quando ela era uma agente secreta do governo. 

Para tentar descobrir sobre sua vida passada, Samantha contrata um detetive picareta (Samuel L. Jackson), ao mesmo tempo em que a notícia do acidente chega a seus antigos parceiros de trabalho, que ficam preocupados com seu reaparecimento e assim decidem matá-la, para que ela não revele segredos. 

Após o fracasso de “A Ilha da Garganta Cortada”, o casal Renny Harlin e Geena Davis tentou novamente emplacar um filme de ação, desta vez com uma trama policial, porém o resultado foi semelhante ao trabalho anterior. O dinheiro investido foi bem menor, mas o filme também fracassou nas bilheterias, apesar de ter uma trama interessante e recheada de cenas de ação, mesmo que algumas um pouco exageradas. Estes dois fracassos marcaram o início do declínio da carreira do casal, que se separariam dois anos depois e jamais voltariam a ter um grande sucesso. 

3 comentários:

Gilberto Carlos disse...

Podem até ser trashs, mas eu gostava tanto da Geena Davis.

Gustavo H. Razera disse...

Que baita coincidência! Vi Despertar de um Pesadelo ONTEM!

Concordo com suas anotações. Pode ter naufragado nas bilheterias, mas não chega a ser ruim. É super exagerado e improvável, mas parte da diversão vem daí.

Cumps.

Hugo disse...

Gilberto - Infelizmente após estes dois filmes, Geena Davis jamais voltou a ter um sucesso no cinema. Ela ainda tentou a carreira em dois seriados, mas também não deu muito certo.

Gustavo - O estilo do finlandês Renny Harlin é exagerado, o sujeito gosta de cenas de ação absurdas.

Abraço