sábado, 10 de maio de 2014

Filmes com Animais - Parte I

Voando Para Casa (Fly Away Home, EUA / Canadá, 1996) – Nota 7
Direção – Carroll Ballard
Elenco – Jeff Daniels, Anna Paquin, Dana Delany, Terry Kinney, Holter Graham, Jeremy Hatchford.

Após a mãe falecer em um acidente de automóvel, a adolescente Amy (Anna Paquin) é obrigada a morar com o pai no Canadá. O pai é Tom (Jeff Daniels), um inventor maluco, fato que a princípio afasta a garota. Quando Amy descobre várias ovos que caíram de uma árvore, ela decide criar condições para eles serem chocados. A experiência dá certo e nascem vários filhotes de gansos selvagens. O problema é que eles são aves migratórias, que sem a mãe para guiá-los fica impossível que consigam chegar a floresta no verão. A insistência da garota e a criatividade do pai serão fundamentais para fazer com que as pequenas aves cheguem ao destino. 

Com uma trama original, este aventura ecológica é um longa extremamente simpático que foi produzido quase que por encomenda para a então garotinha Anna Paquin, que três anos antes havia sido indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante por “O Piano” e que aqui teve seu primeiro papel como protagonista, mesmo que dividindo a tela com Jeff Daniels.

Caninos Brancos (White Fang, EUA, 1991) – Nota 7
Direção – Randal Kleiser
Elenco – Klaus Maria Brandauer, Ethan Hawke, Seymour Cassel, James Remar, Susan Hogan, Bill Moseley.

Após a morte do pai, o jovem Jack Conroy (Ethan Hawke) decide morar no Alasca para explorar uma mina de ouro que pertencia a seu pai e que está abandonada. No local, ele cria uma inusitada amizade com um lobo branco, que acaba capturado por um sujeito (James Remar) que deseja utilizá-lo em brigas clandestinas de cães. Quando o lobo se fere em uma destas brigas, Jack consegue salvá-lo e juntos enfrentarão desafios naquele local gelado e quase inóspito. 

Baseado num livro clássico, este longa dos estúdios Disney é uma simpática aventura sobre amizade, que tem como destaques um Ethan Hawke ainda bem jovem e as belas paisagens brancas do Alasca.   

Caninos Brancos II – A Lenda do Lobo Branco (White Fang 2: Myth of the White Wolf, EUA 1994) – Nota 6
Direção – Ken Olin
Elenco – Scott Bairstow, Charmaine Craig, Alfred Molina, Geoffrey Lewis, Anthony Ruivivar, Al Harrington, Ethan Hawke.

Jack (Ethan Hawke) foi embora do Alasca e deixou seu lobo Caninos Brancos com o garoto Henry (Scott Bairstow). Durante um passeio pela floresta, por acidente o lobo cai em um rio sendo levado pela corredeira até uma aldeia indígena. Os índios acreditam que a chegada de Caninos Brancos é a comprovação de uma lenda em que um logo branco salvaria a tribo, que no momento sofre com a fome. Para cumprir a profecia, Henry se junta a índia Lily (Charmaine Craig) para chegarem até uma montanha que seria o local sagrado, mas além dos percalços da natureza, terão de enfrentar também alguns bandidos que procuram ouro na região. 

Diferente do original, esta continuação não é baseada em livro, sendo uma nova história escrita diretamente para o longa. Mesmo com alguns sequências de ação e aproveitando novamente as belas paisagens do Alasca, além de coadjuvantes competentes como Alfred Molina e Geoffrey Lewis, a trama é um pouco forçada e o protagonista Scott Bairstow muito fraco. Como informação, Bairstow foi também o protagonista da série “Harsh Realm”, escrita por Chris Carter, que na época era famoso por ser o autor de “Arquivo X”. A série foi lançada com muita expectativa, mas durou apenas nove episódios e foi cancelada.

O Menino e a Foca Dourada (The Golden Seal, EUA, 1983) – Nota 5,5
Direção – Frank Zuniga
Elenco – Torquil Campbell, Steve Railsback, Penelope Milford, Michael Beck, Richard Narita.

Eric (Toquill Campbell) é um garoto solitário que vive no Alasca com seus pais (Steve Railsback e Penelope Milford). Quando Eric se perde do pai e encontra uma rara foca dourada que dá a luz a um filhote, o garoto se torna uma espécie de guardião dos animais, que se transformam em alvos de caçadores ambiciosos e nativos que desejam lucrar. 

Produzido pela MGM, está aventura ecológica segue a linha dos filmes da Disney dos anos setenta e início dos oitenta. Com bela fotografia e algumas cenas bem filmadas nas paisagens geladas do Alasca, o filme diverte o público que gosta de aventuras rasas, sem violência e até certo ponto ingênuas.

O Corcel Negro (The Black Stalion, EUA, 1979) – Nota 7,5
Direção – Carroll Ballard
Elenco – Kelly Reno, Mickey Rooney, Teri Garr, Hoyt Axton, Michael Higgins.

Este verdadeiro clássico da sessão da tarde foi produzido por Francis Ford Coppola e conta uma história emocionante. Nos anos quarenta, o garoto Alec (Kelly Reno) sobrevive a um naufrágio junto com um cavalo negro e até serem resgatados criam uma grande amizade. De volta a cidade, por um acaso o cavalo foge e é encontrado no estábulo do veterano criador Henry (Mickey Rooney), que acaba se tornando o seu treinador. 

Com belas imagens e um final emocionante na corrida, o filme cumpre o seu papel falando de amizade e perseverança com extrema sensibilidade. O diretor Carroll Ballard fez também o bom “Voando para Casa” e um dos destaques do filme é o veterano Mickey Rooney que ganhou Oscar de Ator Coadjuvante pelo papel.

O Regresso do Corcel Negro (The Black Stallion Returns, EUA 1983) – Nota 6
Direção – Robert Dalva
Elenco – Kelly Reno, Vincent Spano, Allen Garfield, Teri Garr, Woody Strode, Jodi Thelen, Ferdy Mayne.

Após alguns anos em poder de Alec (Kelly Reno), o Corcel Negro se torna alvo de disputa entre duas tribos árabes que desejam utilizá-lo numa famosa corrida no deserto do Saara. Um dos grupo consegue roubar o cavalo e o transporta clandestinamente para Casablanca no Marrocos. Quando o jovem Alec descobre o destino de seu amigo, decide enfrentar tudo para encontrá-lo, inclusive uma viagem clandestina até o deserto. 

Esta inevitável sequência continua tendo como ponto alto a bela fotografia do deserto africano e algumas cenas de ação com o cavalo. Se o original tinha uma história interessante e sensível, esta sequência não apresenta novidades, mas mesmo assim é divertida para quem gosta do gênero.

2 comentários:

Amanda Aouad disse...

Da lista só vi O Corcel Negro, que acho bastante sensível. Mas, fiquei curiosa com Voando pra Casa.

bjs

Hugo disse...

Amanda - Estes dois filmes são os mais legais da lista, junto com o primeiro "Caninos Brancos".

Bjos